10363363_1133346123342308_2581652921992978945_n

A foto mostra uma pequena parte dos protestos de 13 de março.

As manifestações do Treze de Março, que mobilizaram milhões de pessoas no Brasil e em diversas cidades do mundo, evidenciaram uma grande contradição da realidade política brasileira.

De um lado, o povo com demandas claras e específicas: fora Dilma, Fora Lula e fora PT.

De outro, a mídia, a academia e os partidos políticos usuais completamente perdidos e enrolados em suas definições  ultrapassadas e preconceitos atualíssimos, além de uma boa dose de má-fé.

O PT afirma que “quem convocou a manifestação” foi hostilizado, referindo-se às vaias direcionadas a Aécio Neves e Alckmin. Nada mais equivocado. As manifestações de 13/03 foram organizadas pelo povo, mobilizado através das redes sociais, sem a interferência de partidos políticos e foram o ponto culminante de um processo que começou há três anos com o grupo chamado de Os 20 do Masp. Aécio Neves não convocou ninguém a nada, ele quis pegar o bonde andando e sentar na janelinha, no que foi devidamente rechaçado pela população.

1936849_1133158186694435_906888355236203673_n

Alameda Casa Branca x Avenida Paulista. As ruas do entorno estavam igualmente apinhadas de gente.

A imprensa, por sua vez, trata o PSDB como oposição e também ficou sem entender o porquê dessas vaias. Não percebe que o PSDB é social-democrata, um partido socialista fabiano, de esquerda. O povo que foi às ruas sabe muito bem que não há uma oposição de fato no Brasil, uma oposição ideológica; o que há é apenas esquerda x esquerda, uma oposição meramente partidária, não de ideais.

A militância esquerdista também está perdida, acuada e desesperada. Na falta de argumentos em favor das políticas petistas, sendo evidente a grave crise e os incontáveis casos de corrupção, desmandos, perseguições e violência endêmica que o país é vítima, apelam para o trinômio “machismo-fascismo-racismo” para tentar menosprezar a maior manifestação popular da História.

A rica, famosa, filha de ex-ministro, filha de cantor e cantora beneficiada pela Lei Rouanet, Preta Gil, por exemplo, afirmou, como uma legítima fiscal de melanina, que não havia negros nas manifestações. Uma grande bobagem, evidentemente.

1170852_413629815474377_3007069353952775470_n

Uma típica família de elite protestando pela manutenção de seus privilégios de classe.

Já o igualmente rico, famoso e beneficiado pela Lei Rouanet, o cantor Tico Santa Cruz, acusou de racismo um casal que era auxiliado por uma babá e, mais uma vez, passou vergonha nas redes sociais ao engolir a resposta do pai de família e da própria babá, que foram injusta e maliciosamente expostos na internet.

12814742_1133387243338196_5663930000785758466_n

Essa senhorinha foi para a Avenida Paulista sozinha, levando uma sacola e calçando apenas uma sandália. Uma guerreira.

Os jornalistas chapa-branca financiados com dinheiro de estatais esbravejaram contra “o monstro das ruas”, os fanáticos que a Globo ajudou a criar”, “a classe média em fúria [que] dava as caras – num misto de delírio, autoritarismo e ódio”, afirmando que “Moro poderia instalar guilhotinas em Curitiba já na semana que vem e transmitir execuções públicas pela TV”, que “seria apoiado pela massa cheirosa que tomou as ruas”. (Sem link, pois este site é limpinho).

10644974_1688638618045070_5877808953962722602_n

Capisce?

O referido jornalista falava sobre a maior manifestação da História que, como todas as outras manifestações contra o PT, reuniu milhões de brasileiros sem nenhuma ocorrência grave, nenhuma depredação, nenhum vandalismo, o que é diametralmente oposto ao que vemos nas manifestações da esquerda, marcadas por confrontos, quebra-quebra e violência.

Não deixa de ser irônico ver petistas e sua linha auxiliar, que sempre tiveram o populismo em alta conta em seus discursos, depreciando manifestações populares. Não deve haver nada pior para um petista do que perceber que a maior manifestação da História foi justamente contra o PT.

E, é claro, não poderia faltar a eterna guerra de informações sobre o número de participantes. O DataFolha contou, vergonhosamente, 500 mil pessoas na Avenida Paulista. A empresa israelense SmartLok fez a contagem dos participantes da manifestação com base nos IPs de celulares que estavam com o wi-fi ativado e registrou 1,480 milhão de pessoas. A Polícia Militar calculou 1,4 milhão. Pensar em 2 ou 3 milhões durante todo o dia, visto que as ruas do entorno também estavam completamente tomadas, não é exagero.

632_1770036649893780_4689702101885475770_n

O DataFolha é de humanas.

As manifestações de Treze de Março foram as maiores da História e certamente estão entre as maiores mobilizações populares do mundo. É impossível ignorar um fato dessa magnitude. E o povo aderiu em peso a essas manifestações apesar de todo o terrorismo plantado pela imprensa chapa-branca, por ministros do STF, pela militância esquerdista e por dirigentes do PT.

O vídeo abaixo é uma compilação de algumas ameaças feitas por petistas e demais comuno-fascistas contra o povo brasileiro, inclusive as ameaças feitas pelo dirigente petista Paulo Frateschi em rede nacional no dia 04/03/2016, no Jornal da Cultura, referindo-se exatamente às manifestações do dia 13. O vídeo está editado, para ver na íntegra (vale a pena), siga o link. As outras ameaças foram extraídas do vídeo publicado por Felipe Moura Brasil.

O conceito de que uma manifestação deve necessariamente estorvar, vandalizar e ser violenta é um conceito revolucionário, típico da esquerda. Manifestações são, antes de tudo, uma demonstração de força. E tal demonstração pode ser pacífica. O poder dos governantes vem do apoio popular. Mais do que dinheiro, um político quer ter poder, quer ser amado e ter prestígio; o dinheiro é um mero instrumento para o poder. O maior pesadelo de qualquer político é perder votos, pois perderá poder, prestígio e dinheiro.

Parabéns ao povo brasileiro, que não se curvou às bravatas comuno-fascistas. Que a reunião pacífica de milhões de pessoas seja um aviso para os governantes, para a imprensa e para a militância de esquerda: quem foi às ruas no dia 13 foi o povo de bem, o povo trabalhador, o povo ordeiro. Um povo que carrega o país nas costas. Um povo que não foge à luta. Um povo que, se chegar ao limite, pára o Brasil do dia para a noite.

Sem mais artigos