fogaça hilbert

Os chefs de cozinha Rodrigo Hilbert, do Tempero de Família do GNT, e Henrique Fogaça, do MasterChef da Band, chocaram seus fãs mostrando animais mortos. Rodrigo Hilbert, que quis mostrar como se faz comida na vida simples da fazenda, mostrou o abate de uma ovelha. Já Henrique Fogaça postou uma foto em suas redes com a legenda: “Hoje é dia de porco”, carregando um porco por um gancho.

Naturalmente, costelinha de cordeiro marinado à moda espanhola e lombo suíno confitado com figos assados não nascem em árvores (talvez alguns ingredientes). Mas este é o tipo de obviedade que choca o mundo e faz o céu se vestir de chamas e o chão se abrir se não apenas dissermos, mas vivermos admitindo isto como verdade.

Qualquer pessoa sabe que o hambúrguer vem da vaca, o bacon do porco, o peixe do… bem, o peixe é peixe. Mircea Eliade define como os grandes temas da religião as regulações sobre a alimentação, o sexo e a morte. Várias línguas, incluindo a maioria das modernas, mantém este comportamento de reverência por um animal usado para alimentação, diferenciando o “bife” (steak) da vaca (cow), ou a carne suína (pork) do porco (pig). Como diz Jeff Potter em Cozinha Geek, apenas os peixes não parecem merecer este status especial.

Este é um efeito curioso do que José Ortega y Gasset define como o homem-massa, o homem das agremiações urbanas que define a política a partir da Revolução Francesa e, sobretudo, no século XX. O homem da multidão, o homem que exige participação na fartura material da civilização. Não é o proletário ou o homem das camadas mais carentes da população: é um comportamento que pode estar nos médicos, advogados, engenheiros – no Brasil, é dominante nos políticos.

O homem-massa, nascido no auge da civilização e longe da dureza da natureza selvagem, é despojado de passado, crendo que o mundo sempre foi entupido de civilização: carros, computadores, viagens transcontinentais, prédios, penicilina, instituições, ciência avançada, arte e mecânicas de lazer. Resta a ele apenas reivindicá-los, como se fossem seu “direito” – palavra tão em voga nesta década.

Para o homem-massa, tudo o que há de bom e desejável no mundo sempre existiu, e se ele não possui algo, é apenas por alguém, algum bode expiatório (seja a elite e os poderosos ou os judeus), estar lhe negando o seu quinhão.

mcdonalds gamePara esta nova forma de existir, tudo já está conquistado, só precisando ser repartido – o homem-massa, perdido nas aglomerações das cidades modernas, confunde civilização com natureza, crendo que o motor de 10 cilindros, o iPhone, a localização via satélite, a hemisferectomia e o microscópio de varredura por tunelamento são coisas prontas na natureza, dadas, acabadas, restando apenas serem requisitadas no conforto das grandes cidades – por entrega delivery ou exigindo “seus direitos” em marchas.

É como se cressem que os carros, pinturas de Rembrandt e As Idéias Relativas a uma Fenomenologia Pura e uma Filosofia Fenomenológica, ao invés de obras do engenho de uns poucos humanos aos quais podemos oferecer algo em troca para também usufruirmos, nascessem em árvores, restando apenas querer os feijões mágicos para nós – na modernidade, este feijão é o Estado, aquele que, crêem, “dá de graça”, com nosso próprio dinheiro.

O homem-massa é o homem do prazer, sempre querendo tomar o que é dos homens do dever. O homem-massa explica o apelo da esquerda e suas promessas de atalhos para a riqueza, sobretudo entre os jovens que ainda não sentiram o que é trabalhar para sustentar os que não se esforçam.

E este homem-massa, o “último homem” do Zaratustra de Friedrich Nietzsche, está tão abrigado pela civilização dos perigos da natureza selvagem que crê que seu verdadeiro problema é a civilização, a única coisa que enxerga. Que na natureza Mãe-Terra tudo é amor e fofura e conforto e harmonia. Que “povos da floresta”, no linguajar marinasilviano, não desmatam, não fazem queimadas e gostam de paz e repartir o pão (que nunca viram) com a tribo vizinha. Que o real problema do mundo é esta civilização e seus preconceitos e sua desigualdade.

Quando o simpático Rodrigo Hilbert mostrou o óbvio – que a carne de cordeiro vem de um… cordeiro – o choque foi extremo. Já Henrique Fogaça e sua cara de poucos amigos recebe “críticas” que só fortalecem sua própria tese, sinopticamente demonstrada em sua pose carregando o porco por um gancho. É uma postura que Nassim Nicholas Taleb chama de Antifrágil – alguém que ao invés de se diminuir com as críticas (Hilbert se desculpou e retirou a cena do abate do programa), não apenas permanece impávido: até mesmo se fortalece. Pense em Donald Trump ou Jair Bolsonaro.

barriga abortoÉ uma mensagem curiosa a ser explicada para a geração Z, a geração Merthiolate-que-não-arde “palavras machucam”, se esta geração se considera tão pragmática e desinteressada de assuntos mais abstratos, como a busca de quintessências, preferindo a associação fácil com ideologias do momento e, claro, pensando em todo o cenário mundial através de analogias, e não definições – e tome “fascismo” pra lá e “ditadura” pra cá, justamente na segurança institucional onde tais coisas menos encontram espaço.

Não é esta a geração que sabe que, para fazer um omelete, é preciso quebrar ovos? Pois para fazer o hambúrguer que comem todo dia, talvez seja necessário perceber que ovos e óvulos crescem, e também é preciso matar uma vaca. Daquelas mimosas, bonitinhas, que passamos a mão e fazem “muuuuu”. E matamos. E comemos. Os chamados da natureza, tanto pela boca quanto pela rabadilha, são cruéis e nem sempre muito apresentáveis.

bacon strips terroristBem diferente da escala industrial dos matadouros, contudo, é a moral dos caçadores buscando alimento. O mesmo Mircea Eliade mostra como há diferenças de religiões e, posteriormente, civilizações criadas por elas, tão somente pela forma de alimentação dominante de um povo. Povos agrários tendem a se assentarem, se preocuparem menos com a sobrevivência da prole (e, portanto, terem regras menos rígidas para a sexualidade), focarem-se na cidade sagrada que construíram e não querem ver destruída etc. Povos de caça já têm menos compaixão por inimigos, são desconfiados até dos amigos nas cabanas ao lado, buscam um espaço vital entre ameaças fortes, valorizam a virilidade. Povos de pastoreio ficam num meio termo entre a dureza desconfiada e uma relação menos retesada com a natureza. Bastaria entender como funciona o consumo de carne entre caçadores e se notaria uma diferença abissal da morte industrial dos matadouros.

Curiosamente, os filhos da escala industrial nas cidades são os primeiros a pregarem uma “vida simples”, com riquinhos meninos de apartamento querendo viver como hippies, em mulambos e comendo alimentos glúten-free que custam 60 vezes o preço de um normal, mas devidamente acomodados no quarto do lado do da mamãe em seus condomínios. São os que se horrorizam com a idéia da Revolução Industrial e do capitalismo, sem nunca se tocarem de que já teriam morrido de fome sem eles.

Falta aprenderem a lição de Troy MccLure: se uma vaca pudesse, ela comeria você e todas as pessoas que você ama.

Mas há uma síntese possível em nome da coerência – ainda que coerência seja um luxo para quem gosta de buscar a quintessência da realidade, e não os meros caprichos das reações sentimentalistas a palavras de forte carga psicológica.

Basta lembrar da Planned Parenthood, a organização sem fins lucrativos que oferece “assistência de saúde reprodutiva” para populações de baixa renda, que ganhou tanto apoio do governo Barack Obama. O aborto, legalizado via ativismo judicial (sem consulta popular) na América, é uma das principais atividades da Planned Parenthood (PP).

Aborto é algo defendido pela esquerda com unhas e dentes, tratando como atrasados os países que não o legalizam. Tal como Mircea Eliade explica, alguns temas são tão tabus que nunca podem ser mencionados, nem no pensamento não-religioso: o aborto, hoje, é chamado mais eufemisticamente de “interrupção da gravidez”, como se fosse um botão liga-desliga.

Mas o que a esquerda defende, furtando-se a buscar quintessências e definições precisas, mareando-se na corrente do pensamento analógico (“se o governo parece me impedir de realizar minha vontade, então é nazismo”), é o modelo de abstrações e generalizações que pode ser chamado de pensamento show me no pictures. As pessoas têm medo de ver no concreto o que mais defendem ferrenhamente no abstrato.

É a defesa apaixonada (violenta, desesperada, como se a vida dependesse disso) de idéias lindas como palavras (“controle social da mídia! intervenção para diminuir a desigualdade! interrupção da gravidez caso a mulher deseje!”), mas horrendas como realidade. As pessoas defendem algo, mas não querem ver a aplicação daquilo – e aí refugiam-se no “aquilo não era socialismo de verdade” e outras chorumelas.

Vários vídeos de investigação da PP, que recebe polpudas verbas federais, mostraram coisas como a negociação aberta de partes dos corpos de fetos abortados, como se fossem, digamos, carne de vaca. Os vídeos chocaram a América por se ver de perto o que tantas pessoas defendem – e chocou a esquerda por… atrapalhar sua imagem de inofensiva e defensora dos pobres e oprimidos.

Ver imagens de fetos (definidos como “não-vida”, assim como já se defendeu a escravidão tratando os negros da mesma forma) choca qualquer um em 2 segundos no Google Images. “Show me no pictures!” Acompanhar o procedimento de esquartejamento de um bebê no útero da mãe, então, é para quem vive bem em cenários de guerra. Há vídeos o sobejante para quem possui estômago de aço – basta procurar por “como é um aborto” e ignorar o vídeo dos atores da Globo de peruca azul defendendo que o aborto não é nada. Recomendamos ao menos este, que é representativo, não acompanhando os prováveis 40 minutos de cirurgia.

Quer apostar quanto que 90% das pessoas que se enojaram com a ovelha e o porco, incluindo, mas não se limitando às “vegetarianas para proteção dos animais”, defende a legalização do aborto? Por que então Fogaça e Hilbert não mostram justamente o que as pessoas mais defendem como “direito” e “normal”, para vermos como é?

Coerência, naturalmente, não é para os homens-massa e seus “direitos”.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:















  • Billy Jhonnie

    Melhor texto que já li até agora no Senso Incomum. E, de quebra, terminando com Genesis! Demais!

  • Camila

    Excelente artigo! Há dias que só uma passadinha aqui é capaz de nos afastar do mar de lama em que vivemos e nos faz ouvir todo tipo de barbaridade!!

  • Ninguém

    Parabéns pela matéria. Apesar de ser a favor do aborto, o texto foi de grande coerência. A citação do Ortega y Gasset fez um paralelo incrível da crítica da sociedade moderna com a nossa sociedade que exponenciou o comportamento infantil das massas.

  • não sou a favor do aborto, mas também não concordo com a lógica passada pela tua argumentação. por que não concordo: At 23 weeks chances are good that this fetus is being removed because it is:
    a) Already dead
    b) Suffering abnormalities such as it developed no brain, or had a serious genetic condition that would kill it quickly.
    c) Was actively dying (not dead yet but would be within a few days, 100% guarunteed, 0 chance of saving it)
    d) Was actively killing the pregnant person.
    Late term abortions, as shown here, make up only 1.5% of all abortions. The above four reasons are the only reasons such procedures are performed. Almost every abortion performed after 20 weeks is done on a wanted pregnancy. So you know what that means? You’re calling people who miscarried murderers. You just implied people who had a miscarriage or would have died murderers. How dare you call yourself pro life for that.
    Now for the fun fact: They used to use a different procedure for these abortions in which they removed the fetus intact and allowed these people to grieve for the intact fetus, have pictures, etc. Pro lifers decided people losing a wanted pregnancy should not be allowed to grieve an intact fetus and we were left with this.
    Congrats. Your movement is the reason they use this one now when people lose a wanted pregnancy late into the pregnancy. Your movement is intentionally making it harder for people to recover from the lose of a much wanted pregnancy. It’s your movement who left grieving people with this instead of allowing them something easier to deal with, something that would let them hold their deceased fetus.
    Congrats. If you think you were ‘saving’ something think again. You’re hurting born people. You’re hurting people who lose a wanted pregnancy by shaming this abortion procedure. And you’re movement is the reason this is procedure doctors are forced to use now. You’re probably an awful and mean person to tell people losing a wanted pregnancy that they’re killers.

    Leiam isso.

    • Pobretano

      Imagino que você jamais lerá isso, dado ser uma cópia. Mas urge algumas comparações.
      Primeiro, a jurisprudência americana permite aborto a qualquer momento por qualquer motivo, dado estar assentado em interpretação do caso Roe v. Wade (o qual, aliás, foi baseado num emaranhado de mentiras).

      Segundo, “already dead” não é aborto, dado que o aborto é a interrupção com consequente morte do concepturo/nascituro. O dito cujo tem que estar vivo para poder ser abortado, por definição.

      Terceiro, não, eles não usam “diferentes técnicas” para abortos tardios. As técnicas de desmembramento, envenenamento e até mesmo parto parcial são usadas em abortos posteriores a 20 semanas, se o objetivo é matar.
      Tanto é que Gianna Jessen, a famosa ativista pró-vida anti-aborto e militante dos direitos dos deficientes (ela mesma sendo deficiente em razão das sequelas do seu nascimento), nasceu de um aborto mal-sucedido por envenenamento mediante solução salina, quando ela tinha trinta semanas de gravidez.
      E se não fosse a Born-Alive Infants Protection Act, assinada por ninguém menos que o odiado George Bush, ela teria sido jogada na lata do lixo, ou numa incineradora, ou teria seus órgãos dissecados para estudos.

      E, custava ter posto a fonte? Agora vou me matar pesquisando essa porcaria!

  • Excelente! Só uma observação: em espanhol, também se diferencia o peixe vivo, na natureza, do peixe alimento. “Pez” e “pescado”, respectivamente.

  • Texto longo. Mas é daqueles que instiga a saber o que vem no próximo parágrafo.
    Boa abordagem. Nada a contestar

  • Carlos Renato

    Excelente análise do Mongenstern. Mas porque “homem massa”? Acredito que podemos iniciar um processo de shaming contra esses “ativistas bundalelê” com rotulagens tipo as que eles usam contra os direitistas e conservadores. Aproveitemos o momento político
    e vamos virar a mesa.

    • Flavio Morgenstern

      É um termo do Ortega y Gasset, Carlos.

  • Vitor

    Essa história dos vídeos do PP já é passada. O responsável dos vídeos , de uma organização enviesada, foi sentenciado no Texas por difamação. Nenhum estado que investigou conseguiu achar evidências das alegações que os vídeos editados fizeram. Chocaram parte do país porque não decidiu conferir as informações, assim como parte da esquerda se chocou com um porco morto.

    • Flavio Morgenstern

      Não acha um pouco perigoso afirmar que um video faz “alegações”, quando MOSTRA algo?

      • Vitor

        Não, porque vídeos editados não mostram nada, a não ser a conclusão que o autor queria chegar. A alegação era que a PP usava serviços para usar “partes de fetos humanos” como lucro, obviamente ilegal. É perigoso (e errado) afirmar o que está escrito no texto, depois de inúmeras investigações contra a PP.

        http://www.npr.org/2016/01/28/464594826/in-wake-of-videos-planned-parenthood-investigations-find-no-fetal-tissue-sales

        Se mostrasse alguma coisa, haveria evidências.

        • Flavio Morgenstern

          Você acha então que se tirar a palavra “lucro” está tudo OK?

          • Vitor

            O que eu “acho” creio que seja irrelevante para a discussão; estou falando da legalidade da empresa e da pequena parte dos serviços que ela oferece realmente, não de julgamentos morais. A lei federal americana permite o uso de transporte, processamento, preservação e congelamento do feto já abortado, seja por questões médicas/científicas, desde que a pessoa responsável dê seu parecer.

  • Carlos Henrique

    Flávio, apenas um adendo. O ato de abater ou matar um animal se chama “abate” e não “abatimento” como escrito no texto na frase: “mostrou o abatimento de uma ovelha”. O correto é mostrou o abate de uma ovelha.
    Abatimento parece de o animal está triste ou cabisbaixo, abatido.
    Abraço

    • Flavio Morgenstern

      Obrigado pela correção, Carlos! Já corrigido!

  • Perfeito. Gasset definiu dois fatores que regem a vida: as circunstâncias e as decisões. E o homem-massa, ao invés de usar as circunstâncias para tomar as decisões racionais, permite que elas próprias, decidam o seu destino.
    Como complemento, segue uma resenha que fiz do livro nesse link: http://www.viagemlenta.com/2015/02/a-rebeliao-das-massas-de-jose-ortega-y-gasset-e-o-homem-massa.html

Sem mais artigos