PT-Mafia

O pessoal costuma dizer que o PT é uma máfia. Porém, quando falamos em “máfia”, costumamos pensar na Cosa Nostra, Yakuza e demais organizações criminosas que também lidam com extorsões, tráfico de drogas, contrabando e outros crimes, mas cuja movimentação financeira não é sequer comparável ao orçamento controlado pelo PT.

Considerada a maior máfia em atividade no mundo, a japonesa Yakuza movimentou, em 1990, segundo estimativas, 10 bilhões de dólares, ou 36 bilhões de reais.

Já o PT, no controle de um orçamento de 1,235 trilhão de reais, só na Petrobrás pode ter causado um rombo de 42 bilhões de reais.

Muito mais que toda a movimentação financeira anual da Yakuza, apenas em uma empresa!

dinheiro

Para definir o regime petista é necessário encontrarmos uma nova palavra, pois “máfia” não é capaz de representar o dinheiro e o poder que esse grupo tem em mãos.

Numa época em que vigoram as organizações metacapitalistas, não seria exagero pensarmos em “metamáfias” ou, abrindo mão dos neologismos, recorrermos à velha e mais completa (pois abrange grupos que detém diretamente o poder estatal) expressão “ditadura”.

Na Yakuza, há um ritual chamado Yubitsume, que consiste em cortar o dedo mínimo de seus integrantes como forma de punição. Não deixa de ser uma dessas grandes ironias do universo.

prótese dedo yakuza

Essa imagem amedronta os japoneses e os brasileiros.

O PT é uma organização que controla um orçamento de 1,235 trilhão de reais, apóia grande parte das organizações terroristas e ditaduras do mundo, controla a organização intercontinental chamada Foro de São Paulo, responsável pela retomada do comunismo na América Latina e, dessa forma, não é apenas uma máfia. É uma metamáfia ou um grupo ditatorial.

Menos que isso é eufemismo.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:







Sem mais artigos