polícia reintegração posse etesp

É um vezo brasileiro crer que a política é a base de toda a sociedade, como se uma mudança no Congresso ou Executivo fosse o princípio para um país melhor – e não as fundações morais, de conhecimento e valores do país, que fossem refletidas na política. A política é a conseqüência, e não a causa – é forma, e não conteúdo.

O Brasil avançou muito com o acesso à informação através da internet – sem ela, não haveria algo como o movimento pelo impeachment de Dilma, nem 5% das notícias que afetaram a visão do brasileiro sobre os políticos em quem votaram nas últimas duas décadas. Todavia, ainda não avançou quase em nada nas bases morais, de verdadeira sabedoria e de princípios.

Sendo o que Nassim Nicholas Taleb chama de uma sociedade dirigida por notícias, sem discussões estruturais mais profundas, todo o debate nacional fica reduzido a uma disputa de citações de notícias negativas de lado a lado, sem a busca de um princípio ordenador universal e imutável que sirva de âncora para se navegar contra a corrente. Esperando que a sociedade mude com uma mudança de políticos, o brasileiro maquia o espelho esperando ficar mais apresentável.

No recente caso da invasão de escolas e da Assembléia Legislativa em São Paulo pela exigência de uma CPI da máfia das merendas, uma notícia que escandalizaria qualquer país civilizado foi dada como normal e até mesmo esperada por quem está acostumado com o país: alunos que, segundo o seu discurso, estavam “lutando pela merenda” desviada, por “direitos políticos” e contra a corrupção (especificamente a corrupção de adversários do PCdoB, que controla a UNE, nunca de seus aliados) destruíram as instalações dos prédios que invadiram e roubaram computadores, impressoras e outros itens de valor.

Para quem ainda acredita na separação radical entre os sonháticos adolescentes e a práxis de sua ação concreta, pode-se testemunhar milhares de vezes notícias como esta e sempre desculpá-las (o que é muito diferente de perdoá-las) pela afirmação de que estão lutando por uma “causa”, mas são demais hormonais em sua puberdade política.

O fato de cinco jovens terem sido identificados pela polícia como autores dos roubos, sendo um deles menor de idade, trai uma verdade mais profunda: não deveriam ser todos menores de idade num protesto supostamente (e esta palavra deveria ser sempre frisada no noticiário) de “estudantes”?

Ademais, se todos criticam a Polícia Militar (quase sempre o desgastado adjetivo metonímico “fascista”, que apenas tenta ofender a polícia associando-a ao que ela própria repudia, além de diminuir o fascismo verdadeiro), não chama a atenção de nenhum destes jovens, supostamente críticos, pensantes e contra tudo isto que está aí, que esta mesma polícia apenas autue os jovens e peça que estes se apresentem à Justiça a cada 2 meses, sabendo-se que invasão seguida de roubo rende um bom tempo na cadeia a qualquer um que esteja na outra balança da desigualdade e não possa aparecer diante de câmeras auto-declarando-se jovem estudante sonhático?

O principal ainda é o mais difícil de ser apreendido pela mentalidade brasileira: como um protesto supostamente contra a corrupção pode ter roubos? Vandalismo, portas arrombadas, extintores de incêndio destruídos (por quê?!), mangueiras de incêndio rasgadas usadas para cerrar portas, computadores e modens roubados, cadeiras e objetos custosos tratados como se fossem dádivas da natureza a serem usados como armas e ferramentas para seus desejos.

São o que Ortega y Gasset chama de homens-massa, o conglomerado urbano que apenas reivindica “direitos” sem nunca atentar de onde vêm as coisas. Acreditam mesmo que sua merenda, os extintores de incêndio e os computadores da escola, como seu próprio prédio, nasceram de uma árvore, e apenas precisam exercer a “consciência política” de exigi-los. São os homens que exigem pães, e o meio empregado para tal é destruir as padarias.

É esta mentalidade massificada de agitação rebanhista, que nunca percebe que está obedecendo a um líder que as trata como peões descartáveis, que gera a nossa política – e não o contrário.

Se hoje vemos governistas e opositores acusando-se mutuamente de corruptos (e ambos estando rigorosamente corretos nesta jurisdição) trata-se apenas do envelhecimento destes jovens invadindo as escolas públicas, tratando o que é do Estado como propriedade particular – que este Estado tomou à força de milhões de pessoas do povo para, diluído e despersonalizado, parecer ser “direito” de quem ocupa uma posição pública.

É a mentalidade do “E o Cunha?”, comparando roubos infinitesimalmente menores para não sofrer conseqüências de desmandos incalculavelmente maiores. É o pensamento que acredita que uma vez conquistado um posto no Estado, o Estado se torna posse absoluta da pessoa, e seu poder de monopólio da força ainda pode ser aplicado para esbulhar mais pessoas.

Não é a política, portanto, que gerará mudanças nessa mentalidade bovinóide – antes são suas regras internas, inclusive em atividades informais e lúdicas, que ordenarão com mais rigor nossa política.

Se estes jovens hoje roubam num protesto supostamente contra a corrupção, o que farão assim que seus futuros partidos políticos (embora a UNE, do PCdoB, já esteja no governo Dilma, tal como o ex-líder cara-pintada Lindenbergh Farias) estiverem no poder denunciando seus adversários supostamente reclamando de corrupção, preocupando-se sempre com merendas e ignorando petrolões?

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:













Sem mais artigos