estupro_coletivo

PUBLICIDADE

Quanto mais fundo se cava sobre o caso do estupro coletivo no Rio de Janeiro, mais estranho fica o caso. Os primeiros a terem denunciado o caso foram uma turma do Twitter famosa por seus posicionamentos conservadores, por isso não foram dados pela mídia como heróis (embora o deputado Marcelo Freixo, do PSOL, tenha sido ovacionado por tomar conta do caso). Hoje se descobre cada vez mais dados que mostram que o horror não parece ter ocorrido como a vítima e a narrativa feminista afirmaram.

Uma coisa, porém, permanece certa: não importando o que aconteceu com a adolescente de 16 anos que acordou cercada por 33 homens, se um estupro ou uma festa que fugiu ao controle, um crime ocorreu  – na verdade, vários.

Textos e mais textos repetiram uma cantilena inócua com ares de indignação, de empáfia e de panacéia mágica na internet – todos resumíveis a “estupros existem porque a sociedade permite, há uma ‘cultura de estupro’ conivente e só teremos menos estupros quando ensinarmos agenda ideológica vitimista desde tenra infância em todas as escolas com viés progressista”. Entretanto, o verdadeiro problema apenas cresce justamente sob esta égide, tão agastada, tão alterosa, tão heróica e tão justiceira.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Na internet, o expediente típico foi o pensamento analógico, que tenta amacetar a complexidade da realidade numa analogia, remetendo algo distante a algo conhecido por uma pequena mente humana circunscrita a um determinado ambiente. O estupro na favela carioca (estas hoje chamadas de “comunidades” sem questionamento) foi comparado a cantadas, a pessoas alcoolizadas em festas, a deputados que rejeitam o feminismo (justamente para propor punições rigorosas a estupradores), a rejeição a ideologização nas escolas e, infreqüentemente, a algum estupro em situações nada análogas.

Para se entender algo (e atenção especial quando este algo é chocante), é preciso delinear as fronteiras do que esta coisa tem em comum com outras e o que tem de distinto. Eventos extraordinários obnubilam nossa visão pela psicologia, mas apenas aferrando-se a este método entenderemos o mundo e poderemos evitar novos crimes tórridos. Do contrário, daremos tiros de canhão em mosquitos e desculparemos criminosos em nome do fim dos crimes.

PUBLICIDADE

Existe sim algo que podemos chamar de “cultura de estupro”, noves fora as desculpas da esquerda para a criminalidade, que já foram muito além de desculpar estupradores (mesmo os assassinos). Ela nada tem a ver com os estupros e os atos ofensivos às mulheres com que tentam comparar um estupro coletivo.

mulher_desafia_policialNas favelas pelo Brasil, a lei não chega. São espaços geográficos dominados pela lei do mais forte. Não são ambientes próximos nem da anarquia, nem da “ausência de políticas sociais”, e sim parecendo mais uma sociedade tribal. Laços de família e compactuações por proteção contra inimigos comuns valem muito mais do que alguma norte moral ou lei espiritual ou jurídica maior. Antes da polícia, o maior inimigo do Comando Vermelho são os Amigos dos Amigos. São como tribos em guerra. A grande desavença entre o morro da Mangueira e o morro do Salgueiro, cantada em escolas de samba e filmada pela Globo ao mundo, é uma disputa entre facções rivais de controle monopolístico do tráfico de drogas.

Uma sociedade tribal, ao contrário de nosso modelo assentado, urbano e sedentário, baseia-se majoritariamente na honra – enquanto a moral religiosa ocidental preferiu trocá-la pela vergonha, individual, privada e inquilina da consciência individual, não de uma linhagem.

Foi o que notou Ruth Benedict ao estudar o Japão na Segunda Guerra Mundial: o Ocidente tentando resgatar o conceito de honra ainda não atingia nem uma filigrana da mentalidade japonesa, dos suicídios por desonras variando de notas baixas a uma traição. A vergonha inaugura a noção de perdão – a honra é a sociedade da vingança, da impessoalidade da culpa (transferível aos filhos, à família, ao clã, à tribo e à nação). A vergonha inaugura o pensamento individual, a noção de pessoa humana, a separação entre Estado e indivíduo. A honra é a gênese do racismo, do coletivismo, da punição islâmica às estupradas, da moral sexual draconiana.

Quando se fala em “multiculturalismo”, acreditando-se que mentalidades como a muçulmana podem se integrar como mero exotismo estético à sociedade ocidental, está se provando uma fatal ignorância antropológica e da história dos pensamentos e idéias.

avatar-movie-james-cameronSe nas favelas cariocas impera-se sobre uma população carente um modelo de atuação pela força que abandona a lei, a moral e o modelo de um limiar intransponível entre o mundo da ordem e a criminalidade, recai-se novamente na honra pública.

Uma sociedade de honra tem como distinção social o prestígio alcançado por seus membros (de certa forma, é como a internet funciona, como notou o hacker revolucionário Pekka Himanem, em Ética dos Hackers e o Espírito da Era da Informação – o botão “Curtir” explica sozinho o sucesso do Facebook). No caso de uma favela dominada violentamente por uma facção criminosa, adquire-se prestígio com a obediência e o enaltecimento de seus líderes.

Num mundo amoral, materialista em todos os piores sentidos, pavimentado de ódio pela sociedade “normal” e em que a força domina sem contrapeso, os líderes de facções criminosas, enriquecidos às mancheias pelo tráfico de drogas, são bajulados como verdadeiros sultões. Inclusive com haréns.

Estupro coletivo e mentalidade coletivista

É onde surge uma verdadeira “cultura de estupro”, esta que não merece críticas no Fantástico, não é tema de crítica em blogs feministas, não enseja moções de protesto (ao menos não de pessoas ricas), não é comparada a cantadas e abordagens de coação. Trata-se dos antigos espólios de guerra, que não costumavam senão ser as mulheres de tribos inimigas, tratadas como não muito mais do que depósitos de esperma. As mulheres se tornam meros objetos sexuais tanto como o harém do chefe do tráfico no morro quanto como espólios quando são dos adversários. Se nas favelas não há necessariamente estupros de mulheres de inimigos (não necessariamente), qualquer dívida de drogas é suficiente para fazer com que uma namorada, irmã ou até mãe do agente em débito seja vítima de um estupro.

Nada parecido com as cantadas com que tentam fazer analogia, nada parecido com festas da faculdade, nada nem de longe remotamente coligado a uma cultura “machista e patriarcal” de tolerância ou conivência com o crime de estupro – exatamente ao contrário. Trata-se justamente de um estupro coletivo como punição, da consciência de todo de que apenas a morte pode ser pior do que este ato hediondo – praticado por ser hediondo, e não por ser “banalizado” ou “admissível”.

Justamente numa sociedade de honra, um estupro possui ainda mais peso, já que a honra é pública e impessoal (é de onde sai o pensamento de que tal família não é bem vista, pois uma de suas mulheres foi estuprada). E é por isso que o estupro coletivo é praticado – não por o acharem brando, mas justamente por ser uma punição forte num mundo sem uma lei impessoal e uma moral de vergonha privada.

Não são as “pessoas normais” morando numa favela que banalizam uma barbaridade como o estupro coletivo – no máximo, acatam a cultura superior, banalizando o sexo, como a “cultura” do funk carioca, que ganhou status de “patrimônio cultural” em projeto de lei do deputado socialista Marcelo Freixo, do PSOL.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

nao-houve-estupro-protesto-favelaNão é uma “cultura de estupro” dominante em toda a sociedade que tolera estupros porque não criminaliza cantadas e nem dá aulas de educação de feminismo socialista para crianças: é justamente quem está à margem desta sociedade, que tampouco ignora a hediondez do ato, que transgride o limiar da criminalidade e o pratica como crime, sabendo que justamente os que tanto falam em feminismo serão os primeiros a tolerar, compactuar, defender e até mesmo financiar seus outros crimes.

Ao tentar corrigir toda a sociedade (como se ela fosse uma massa homogênea, como se os problemas da dona Neide no alto do morro do Vidigal fossem os mesmos da Patrícia, chegando no seu curso de Jornalismo ou Arquitetura em faculdade pública de carro importado), só se mostra desconhecer a sociedade. O diagnóstico na melhor das hipóteses é inócuo – besuntado em esquerdismo, torna-se um remédio mais fatal do que a doença.

O caso do estupro coletivo, a polícia soube desde o princípio (e quem ouve a polícia na imprensa brasileira?), tem todos os elementos de alguma dívida por drogas. Algo bastante comum nos morros, mesmo que este caso se revele uma fraude: uma namorada de algum drogado em débito (é difícil exigir padrões morais tão sólidos de adolescentes, por isso o suicídio do discurso progressista do sex lib adolescente) acaba sendo dopada e acorda com mais marmanjos do que esperava ao redor de si.

Ainda que se descubra ser uma fraude, até o momento parece a hipótese mais plausível: uma festinha sexual com alguns figurões com o tal prestígio parece ter acabado com mais convidados do que o esperado. Num mundo em que o sexo é moeda de troca, acaba sendo por vezes troca de dívidas alheias. Ao contrário do que nossa vã mentalidade cheia de -ismos e ideologias crê tão cegamente, é algo absolutamente comum em favelas.

Algo parecido com a preocupação das feministas universitárias em seus blogs que viram canais de YouTube e geram futuras comentaristas tatuadas de GNT com mestrado em Paris e viagens anuais para Amsterdã?

Justamente por ser um modelo de organização social baseado em honra, um verdadeiro estupro coletivo dificilmente seria impune pelos próprios criminosos locais. É praticamente impossível para alguém que conhece favelas crer que possa haver, de fato, um estupro coletivo num barraco com 33 meliantes, o caso ganhar notoriedade até internacional, e os praticantes descerem o morro ou irem para suas casas dormindo em paz, sem acordarem tendo suas famílias sendo estupradas diante de seus olhos por vingança.

Novamente: não pela banalização, mas justamente por se saber que o tamanho da hediondez do ato. A única explicação para o ato não gerar uma guerra civil é ter sido cometido de maneira mais ou menos consensual, ou ao menos pela “lógica” da honra tribal entre chefes do tráfico com prestígio na favela.

Tentando aplicar a um modelo de sociedade completamente diferente do nosso as nossas categorias de pensamento, apenas conseguimos nos cegar à realidade, acreditando que o conhecimento do nosso mundinho de apartamento tem algo a ver com a realidade de periferias, favelas e lugares longe da lei aos quais nunca fomos, como o cemitério de elefantes do Rei Leão.

Resta agora às feministas torcer para que o estupro coletivo se confirme e tenha realmente acontecido. Repetindo: feministas torcendo para ter havido um estupro coletivo, que cada vez mais parece mera cortina de fumaça.

baile-funk-pm-mulherCom o grande adicional da semana: admitir que o crime do Rio é mesmo hediondo e entendê-lo exige entender que os crimes correlatos a ele, todos desculpados pela esquerda com categorias simplórias como “desigualdade” (de renda ou, hoje, de gênero, com o feminismo), são todos um só.

Tentar tratar o tráfico de drogas como crime desculpável pelo hedonismo, e o estupro (ainda mais um estupro coletivo) como algo “ensinado pela sociedade” e culpa de uma abstrata, intangível, indefinida e vaporosa “cultura de estupro” só mostra que as categorias estão completamente falhas. O estupro é irmão do assassinato, pai do seqüestro, neto do roubo, primo do tráfico.

Simplesmente não é coerente e inteligente pregar uma sexualização precoce e desinibida, criticar a moral conservadora, destituir de significado qualquer sacralidade ou convívio pela lei, viver pelo hedonismo e indulgenciar a tomada de bens de outros à força e depois afirmar que é contra o estupro. O estupro existe justamente pelo resto do que este discurso prega – e não existe quanto mais este discurso é trocado por algo além da puberdade.

É, definitivamente, uma coisa de ricos almofadinhas – ou, diríamos hoje, “coxinhas” de esquerda – acreditar que o parentesco e a matriz de um estupro coletivo são cantadas, abordagens coercitivas, bebedeiras em festas de faculdade, e não a mentalidade revolucionária da eterna adolescência.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:











Sem mais artigos