As notícias e manchetes sobre o atentado terrorista em Orlando falam de tudo. Exceto do principal componente: o que motivou o morticínio.

capas-jornais-orlando

As manchetes dos jornais no Brasil e no mundo não escondem a crise de objetividade no jornalismo atual. Todos tentam passar sua visão de mundo, ou mesmo uma agenda política, travestida de fatos. O atentado terrorista islâmico em Orlando, Flórida, no domingo revelou por que é fácil atacar o Ocidente na segunda-feira: os jornais ocidentais simplesmente se recusam a escrever a palavra proibida do jornalismo mundial.

O fato óbvio é este: um muçulmano, filho de um paquistanês com canal de televisão em apoio a al-Qaeda, assassinou 50 pessoas numa boate gay em Orlando, numa gun-free zone (área em que armas não são permitidas, o que, por algum motivo razoavelmente óbvio, não foi “respeitado” pelo muçulmano terrorista). O Estado Islâmico reivindicou o atentado.

O homem, que estava na mira do FBI há anos, ainda havia ligado para a polícia antes do atentado para declarar sua fidelidade ao grupo jihadista. A polícia, sabendo do alvoroço da opinião pública quando se persegue terroristas muçulmanos, nada fez, mesmo com uma ligação deste quilate. O homem matou 50 americanos gays.

Algo sobre o terrorista, seus valores, sua religião e sua filiação ideológica e terrorista foi comentado nos principais jornais do Ocidente?

Não. As manchetes falam numa abstração. Como se abstrações matassem pessoas. Falam em “ódio” e “homofobia”. Ou que “um atentado” qualquer, sem cores, sem motivo claro (além da “homofobia”), sem um ser humano de carne e osso empunhando uma arma por uma razão e motivação tivesse matado as pessoas. Parece que “homofobia” é algo como uma dengue ou câncer que se pega no ar, sem vontade, sem remédio além de ativismo gay, sem nenhuma idéia de construção social, religiosa ou cósmica por trás.

O motivo para o terrorista de Orlando assassinar pessoas é óbvio. O mundo sabe. Qualquer pessoa que travou contato com um tiquinho de islamismo sabe. Mas é algo proibido de ser dito pela nova linha editorial de todos os jornais do Ocidente. Pode-se falar absolutamente qualquer coisa do atentado terrorista, inclusive e sobretudo culpar pessoas como republicanos, conservadores e religiosos, de qualquer religião – exceto a islâmica. Aquela, do Estado Islâmico.

Método Globo News de notícia

Quando um evento que desafia a convenção de explicações fáceis da realidade acontece, como o atentado terrorista na Flórida, todos os jornalistas do planeta correm para sacar o manual do Método Globo News de noticiar fatos.

Funciona mais ou menos assim: uma explosão acontece em, digamos, Belfast, Joanesburgo ou Bangkok. A cartilha do Método Globo News de notícias dirá: o islamismo é uma religião pacífica!!! Horas depois, pode ser que anunciem que foi uma explosão de um posto de gasolina ou um vulcão desconhecido. Mas o Método Globo News já terá avisado que não está condenado o islamismo.

Conforme o desenrolar dos fatos, caso não tenha sido uma explosão acidental, não-volitiva, pode ser que descubram novas informações sobre a explosão. Que foi provocada por alguém. Que teve intenção de machucar e matar. Que seus alvos eram pessoas ocidentais, ou não-muçulmanas. Que o autor da explosão tem nome árabe, e provavelmente sua família, se for num país não-islâmico, está no máximo há 1 geração no país. Que ele era (é sempre a última informação a ser dada, se for divulgada) muçulmano. Que estava ligado a grupos jihadistas, ou, como chamamos no Ocidente, terroristas.

Imediatamente, repetir-se-á o primeiro verso da canção: lembramos que o islamismo é uma religião pacífica!!!, e então tudo aquilo que envolver o islam será tratado por generalizações: extremismo religioso, intolerância, fanatismo. Nada mais sobre a religião de Maomé, sobre a geopolítica do islam, sobre o que o islam pensa a respeito de homossexuais, biquinis, bacon, judeus. Palavras como califado, jihaddhimmitaqiyyahijrah ou shari’ah, nem pensar.

Tudo o que é espécie (o islam) é tratado através do gênero (religião). Para igualar o povo do califado e da jihad e da shari’ah, cujos líderes afirmam que assassinar gays é ato de compaixão para ajudá-los a se salvarem (sic), com as velhinhas carolas rezando o Pai Nosso e definindo casamento como entre homem e mulher. Afinal, se na espécie são duas realidades diferentes, no gênero tudo pode ser equalizado como “homofobia”.

As frases são tratadas como slots a serem substituídos por abstrações. Não é mais “um terrorista islâmico que assassinou 50 gays”. Foi “O ódio intolerante homofóbico que assassinou 50 gays”. Não foi a jihad que motivou a morte de homossexuais ocidentais, considerados hereges pelo califado muçulmano e pela shari’ah, a lei islâmica (e não só do ISIS). Foi a intolerância religiosa que não aceita o casamento gay que matou pessoas que só queriam se amar.

Passa-se então a falar do ato terrorista não mais pelo ato concreto, pelos dados da polícia, mas apenas em generalizações cada vez mais genéricas. Ou, na verdade, específicas: o truque é fazer com que algo que tem como principal alvo o Ocidente pareça ser culpa do Ocidente. Na verdade, dos cristãos e conservadores do Ocidente, que defendem a proteção da civilização ocidental da shari’ah, enquanto justamente os progressistas protegem os seguidores da lei islâmica, que pretendem promulgá-la no nos países civilizados pelo cristianismo.

O truque funciona: nem 0,0001% das pessoas no Ocidente parou para ler o Corão, ou a história da jihad, ou o que defendem tanto os “extremistas” muçulmanos quanto os islâmicos não-extremistas. Informando-se pelo Método Globo News de notícia de fatos, até mesmo pessoas estudadas e com alguma cultura crêem fanaticamente que todos os religiosos do mundo são igualmente fanáticos, e que é uma abstração, como “o ódio homofóbico”, que gera fatos como o atentado terrorista de Orlando.

Palavras esvaziadas e culpa invertida

A palavra “homofobia” (que é ideológica, e não uma mera descrição objetiva de fatos da realidade) é usada para qualquer postura não-gay, como não aprovar o casamento homossexual. Assim, uma velinha católica ou alguém que reprove o ensinamento da “ideologia de gênero” para crianças de 10 anos são confundidos, sob a mesma palavra genérica, abstrata e diluída, com assassinos jihadistas que querem colocar todo o mundo de joelhos perante o califado do Estado Islâmico. Como se fossem todos iguais, a mesma coisa, os “intolerantes”, os “homofóbicos” que promovem “ódio”.

Obviamente que o esvaziamento de significado não é um esvaziamento em si, um esvaziamento pelo esvaziamento: toda a tentativa tem o mesmo alvo dos jihadistas: os valores ocidentais, o cristianismo, uma cultura que não queira se suicidar em nome do “multiculturalismo”, a crença de que as culturas se equivalem (quando a mais forte e mais protegida pela mídia certamente dominará aquela que não dispõe de tal proteção).

Vide a própria Globo News: seguindo, naturalmente, o Método Globo News de noticiamento, assim que as primeiras informações sobre o atentado em Orlando vieram à tona, afirmou que não se sabia qual a motivação do atentado (obviedade que também por obviedade logo se desmonta, revelando o óbvio a todo mundo minutos depois).

Como era um clube gay numa cidade latina, os correspondentes na América foram chamados para responder a questão de fogo da emissora: será que não seria alguém com discurso homofóbico e que odeia latinos? Faltou, é claro, perguntar: “Será que não foi Donald Trump e seu ‘discurso racista’ [nunca provado de fato racista] ele próprio que entrou na boate porque estava de mau humor e assassinou 50 pessoas a esmo?”

Claro, Donald Trump, o histriônico e vulgar pré-candidato republicano à presidência americana é chamado de “racista” justamente por querer suspender a imigração na América de pessoas de países que promovem o terrorismo (boa parte deles entra na América pelo México).

Exatamente quando um ato como o atentado na boate (contra gays!) ocorre, ao invés de finalmente se tocaram de que Donald Trump, afinal, tosco ou muito tosco, tem lá sua razão, pela tática de esvaziar as palavras e tratar espécie pelo gênero (e quanto mais genérico e menos específico, melhor), tentam jogar a culpa… em Donald Trump e as pessoas que o apóiam justamente para que outras carnificinas iguais não ocorram.

Em poucas horas (para a média de divulgação de casos semelhantes), foi descoberto que o terrorista (ou, usando a acepção correta, jihadista) era filiado ao Partido Democrata. Alguma informação a respeito saiu, en passant, na Globo News? Alguém tentou responsabilizar a política democrata de open borders de Barack Obama, Hillary Clinton e Bernie Sanders pela tragédia? (o pai de Omar Mateen, o terrorista, veio do Afeganistão, e se considera “presidente” do país, como nos mostrou Flavio Gordon)

Em algum jornal que disfarçou de todas as maneiras que o terrorista Omar Mateen era muçulmano? O próprio Barack Obama, no seu pronunciamento pós-atentado, falou e falou, mas palavras como islamic ou muslim apareceram um total de zero vezes em seu discurso. 

Na capa da Folha de S. Paulo, não há menção ao islamismo – apenas que o atirador “declarava repulsa a homossexuais” (pode-se esperar a mesma frase a respeito de Jair Bolsonaro ou das nossas vovós que fazem bolo de cenoura). Na manchete, quem mata não é alguém, mas “um atentado”. Não se espere o mesmo de um atentado terrorista cristão ou judaico – ou não se esperaria se os houvesse.

A tática segue no concorrente paulistano O Estado de S. Paulo. A única menção ao islamismo é sobre o Estado Islâmico (que, pelo Método Globo News de noticiamento, é sempre desvinculado do islamismo, como se algum jornalista soubesse explicar o que é salafismo ou um califado).

Já o carioca O Globo se destaca: além de não haver islamismo, é “o ódio homofóbico” que pegou um AR-15, ligou para a polícia para jurar lealdade ao Estado Islâmico e matou ocidentais que o islam considera “hereges”. Enquanto noticia que Obama “pede” por regulação nas armas (o que concentraria ainda mais armas nas mãos de terroristas), o jornal afirma que Donald Trump “aproveita” para “atacar democratas”.

E que tal o nova-iorquino Daily News, o famoso “jornal do metrô” da Big Apple, com uma ironia fina: fala das 50 mortes na boate em Orlando e estampa: “Obrigado, NRA”. Fala da National Rifle Association of America, que protege os direitos americanos da Segunda Emenda, para que os americanos possam usar armas contra ameaças à sua vida?

Por que o jornal não menciona que o morticínio ocorreu justamente numa gun-free zone, e não questiona o que aconteceria se algum dos presentes possuísse uma arma, se muito provavelmente algumas dezenas de vidas ceifadas não estariam hoje respirando, abraçadas a seus entes queridos?

A técnica faz parte do que Richard Butrick chamou de Síndrome Contagiosa Allahu akbar: jornalistas não param de noticiar que alguém, de repente, pegou um vírus ou bactéria na rua e, do nada, saiu assassinando pessoas cristãs ou apóstatas do islam gritando “Allahu akbar!” Nada a ver com o islamismo, claro.

Não há nada de errado com a tomada de posição. A “objetividade total” é uma esparrela: tomamos nossa posição e fazemos nossa escolha tão somente por escolher sobre o que vamos falar – uma notícia sobre as joaninhas no jardim da prefeitura é ideológica – pode muito bem ser um jornal disfarçando um atentado terrorista naquele segundo. A objetividade total é uma crença cega: seria nociva se existisse, pois qualquer um que falasse em nome da objetividade estaria exigindo um valor de verdade absoluto. Como se o proferidor não existisse, ou como se fosse único. Ortega y Gasset sabe muito bem disso ao afirmar: “Eu sou eu e a minha circunstância”.

Mas se vê bem em que crise estamos ao perceber como a os erros da objetividade jornalística sempre erram para o mesmo lado.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:

(não perca a promoção da Amazon: Kindle com R$ 100 de desconto!)








  • philip.haag

    viram que até olavo de carvalho levantou a hipótese que esse atentado seja, em algum grau, montado?

    ele se baseou num artigo de paul craig roberts (atuante na administração reagan):

    http://www.paulcraigroberts.org/2016/06/20/orlando-wrap-up-paul-craig-roberts/

  • Muito bem observado.

    Mostra o que quem, esconde o que não quer e deturpa o máximo de informação que for possível.

    Parabéns pelo texto.

  • Dr. Bill Warner

    “It’s the Islam, stupid!” https://www.youtube.com/watch?v=zdSlUT7TdJ4

  • Mariline

    Michel Houllebecq em Submissão antevê o processo de islamização do Ocidente.

  • Jorge
  • Everton

    Morg, você viu que o prefeito muçulmano já está a todo vapor trabalhando para deteriorar o Ocidente?

    http://veja.abril.com.br/noticia/mundo/anuncios-que-impoem-padroes-de-beleza-serao-proibidos-no-transporte-de-londres

    O Ocidente vai mesmo sofrer essa derrota sem reação?

    • Flavio Morgenstern

      Sim, vou ver se consigo escrever a respeito. Semana cheia, está difícil largar o trabalho para escrever. :/

      • Francisco

        Por falar em trabalho, Flávio, por curiosidade, qual é a sua ocupação profissional? Você é empregado ou autônomo?

        • Flavio Morgenstern

          Francisco, sou escritor, tradutor, palestrante e ocasionalmente dou algumas aulas específicas.

  • Assim que comecei a acompanhar a cobertura da chacina em Orlando, resolvi compará-la às notícias sobre o atentado de um extremista cristão contra uma clínica do Planned Parenthood em novembro de 2015. Pelas coberturas do El Pais dá pra perceber claramente como a esquerda domina a prática da infowar.

    No caso da carnificina em Orlando, a imagem que abre o texto mostra uma bandeira do movimento LGBT, onde está escrito “peace”, em meio a um grupo de pessoas. O assassino talvez era um “simpatizante do islamismo radical” e não houve qualquer menção à sua filiação ao Partido Democrata.

    No caso do atirador de Colorado Springs, uma imagem em destaque mostra o atirador sendo preso e logo no primeiro parágrafo da matéria, o panfleto de DCE já sentencia sobre a fábrica de abortos: “uma organização constantemente insultada pelo Partido Republicano em sua campanha contra o aborto.” E pra fechar com chave de ouro: “Colorado Springs, a cerca de 100 quilômetros ao sul de Denver, é um bastião do Partido Republicano (…) Também é a sede de influentes grupos religiosos conservadores (…) e é um dos centros do republicanismo cristão”.

    “Republicanismo Cristão” no caso do atirador do PP. Nada de “Democratismo Muçulmano” no caso da chacina da Flórida.

    http://brasil.elpais.com/brasil/2016/06/12/internacional/1465717811_688793.html
    http://brasil.elpais.com/brasil/2015/11/27/internacional/1448661910_355503.html

    • O MESMO de SEMPRE

      PERFEITO COMENTÁRIO!!!

      Devia ser enviado a todos os membros do partido republicano e ESPECIALMENTE ao candidato Donald Trump. Aliás, várias vezes para não passar despercebido.

      Também deve ser replicaado em TODOS os Blogs este comentário mostrando a CANALHICE dos MEIOS de MANIPULAÇÃO de OPINIÃO. A midia DOUTRINADA e CORROMPIDA com favores, cargos e DINHEIRO mesmo.

    • Johann

      Lembro do rapazinho do Spotniks, sempre esqueço o noime :/, fazendo o mesmo comparativo com matérias do Globo: quando noticiaram o tiroteio do Anders Breivik, o finlandês “loiro e cristão” que metralhou, contra “o homem que matou 50 numa boate gay”. Pura guerra de rótulos.

      Mídia isentona…

    • Vic

      Porque é irrelevante o partido, no caso de Orlando. O caso em Colorado foi causado por uma desinformação e fear-mongering total em relação a PP nos debates dos Republicanos, dizendo coisas absurdas e e que sequer foram provadas (mesmo após investigações em diversos estados americanos); nesse caso você pode ter uma linha direta entre um episódio que concerne o partido e o ato.

  • E, para revirar o “cérebro” dos esquerdistas, descobriu-se que, além de muçulmano, o terrorista era gay, assíduo frequentador da boate, tendo saído com vários garotos, segundo testemunhas. Expliquem essa agora, Globonews, Jean Willis, Falha de São Paulo…

  • Há quem tenha a cara de pau de culpar a “extrema direita” (esse grupo que ninguém define mas sempre surge para justificar todos os problemas do mundo) pelo ocorrido. O Kim Kataguiri inclusive publicou um texto em sua coluna na folha chamando Donald Trump de extrema direita !!! É inacreditável.

  • Everton

    O politicamente correto progressista pervasivo impede o Ocidente de chamar as coisas pelos devidos nomes.

  • Não sei sobre o que será seu próximo livro, mas gostaria que fizesse algo sobre o islam (eu sei, tem várias coisas no blog, mas a informação agregada num volume é mais confortável para ler). É importante conhecer quem quer nos destruir.

  • Flávio, bom dia!

    Eu fiquei absolutamente em choque por NENHUMA grande mídia noticiar que o terrorista era filiado aos Democratas. Fico imaginando o que aconteceria se fosse um eleitor republicano. Me parece que o maior inimigo do Ocidente não é nem o Islã, mas a grande mídia.

  • Caio Murilo

    Mais um atentado ontem à noite na França.

    http://g1.globo.com/mundo/noticia/2016/06/assassino-de-policiais-na-franca-foi-condenado-por-jihadismo.html

    A mesma covardia do jornalismo e do Hollande, que insistem em não chamar a coisa pelo nome correto. “Incontestável ação terrorista”… Até exemplar do Corão o tal Aballa tinha no carro. A cada dia o Ocidente expõe sua fragilidade e o Islã ganha terreno (físico ou ideológico).
    Flávio, eu sei que o Trump tem seus defeitos, e as opções políticas são escassas, mas você acredita que ele possa assumir a liderança nessa luta pela preservação do Ocidente? Achei o discurso dele após a matança em Orlando de bom tom, atacando os inimigos corretos, tratando-os pelo nome, mandando o politicamente correto para a lixeira e falando em proteger o que torna o Ocidente, bem… o Ocidente. Acha que ele seria capaz de não ficar só no discurso e botar tudo isso em prática?

  • Eriveldon

    A canalhada esquerdopata que trabalha pra os globalistas acha que no final vão viver “harmoniosamente” ao lado dos jihadistas!!! Só mesmo sendo um acéfalo esquerdista para acreditar nisso.

  • Andrea

    Muito bom o artigo! Aparentemente o terrorista cogitou atacar a Disney, mas acabou optando pelo nightclub, por ser mais facil o acesso a este. Um ataque a Disney teria desbancado a teoria da midia de que ele era apenas um homofobico, e nao um jihadista.

  • O pai do terrorista em questão parece que é afegão e não paquistanês como vc escreveu.

    • Flavio Morgenstern

      Ops, falha minha. Pior que escrevi “afegão” e “corrigi” para paquistanês de volta…

  • Rose

    A Globonews é básica, rasa, medíocre, e como todos os medíocres, se acha. Antes de abrirem a boca já sabemos o que vão falar (sim falar, pois dizer, não dizem nada mesmo). Para eles qualquer fato, tem apenas um lado, o da cartilha. Não dá pra aguentar 10 minutos sem cochilar

  • Eduardo

    Creio que era de origem afegã e não paquistanesa e o número de vítimas foi de 49.
    Belo artigo.

Sem mais artigos