O debate sobre o Escola Sem Partido está quase tão apaixonado quanto o impeachment. E é justamente de sentimentos que o projeto se trata.

Guten Morgen, Brasilien! O debate sobre o Escola Sem Partido só não é mais apaixonado do que o impeachment que dividiu o país. Ao invés de apenas confirmar pontos de vista, o interessante é fugir do que já pensamos e conhecer idéias novas – só assim podemos mudar de opinião e aprender algo.

Será que sabemos de fato o que é o Escola Sem Partido e o que está em jogo? Alguém de fato parou para pensar no conceito de “Partido” dentro da escola? Como funciona a pedagogia em diálogo com a ideologia?

Seus defensores falam da doutrinação. Quem quer a Escola Partidária defende que não partidarizar a educação é o mesmo que censura. Será que estamos mesmo entendendo o problema?

Talvez uma análise fora de nossas próprias convicções possa esclarecer algo que ainda não tenhamos visto sobre o projeto e, afinal, sobre toda a educação, que se tornou um dos temas mais urgentes no Brasil.

É o que discutiremos nesse episódio do „Guten Morgen”, o podcast do Senso Incomum.

A produção é de Filipe Trielli no estúdio Panela Produtora.

Ouçam e assinem nosso feed!

Contribua para manter o Senso Incomum no ar se tornando nosso patrão através de nosso Patreon – precisamos de você!

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc








Sem mais artigos