O judoca egípcio muçulmano Islam el-Shahaby não cumprimentou o israelense Or Sasson. Não é a política que explica: é a religião. A da paz.

Neste momento já correu o mundo a história do egípcio muçulmano Islam El Shahaby, judoca que foi derrotado nas Olimpíadas do Rio pelo israelense Or Sasson. Contrário à tradição do judô e do Comitê Olímpico, Islam El Shahaby recusou-se a se curvar ao adversário e cumprimentá-lo no fim da luta.

Islam El Shahaby saiu sob forte vaia da torcida brasileira do tatame. Jornais do mundo inteiro relataram o fato. A ESPN Brasil preferiu chamar o caso de “incidente”.

Um cumprimento é um símbolo. Símbolos significam alguma coisa. O significado do “incidente” é tão gritante que já gerou uma Guerra Mundial e quase todas as guerras santas da Idade Média até hoje. Analistas têm mostrado que o anti-semitismo no Ocidente desta década de imigração islâmica só é comparável na história às décadas do nazismo.

Nas Olimpíadas de Munique de 1972, primeiro grande evento esportivo na Alemanha pós-Terceiro Reich, a organização palestina Setembro Negro seqüestrou 11 atletas israelenses e assassinou todos eles, além de um policial. A polícia, com medo de ser tachada de “xenófoba” pós-nazismo, relaxou na segurança e no controle do acesso. A chacina terrorista foi na Vila Olímpica, próximo de onde o iraniano Ali Sonboly assassinou 9 pessoas em julho.

Analistas tentam passar à população a idéia de que o gesto se deu por razões políticas. Como conta o Times of Israel, ao contrário de outros países árabes e islâmicos, o Egito não tem histórico de boicotar disputas esportivas com Israel.

Acrescentaríamos que junto à Turquia é um dos países árabes com histórico mais avançado de relativa “paz” com Israel, desde pelo menos a resolução da Guerra de Yom Kippur (1973), quando o presidente egípcio Anwar Al Sadat ganhou o Nobel da Paz com o Primeiro Ministro israelense Menachem Begin por selarem o fim da guerra.

Anwar Al Sadat foi o primeiro líder árabe a visitar e reconhecer Israel em 1978, e teve como sucessor o ditador Hosni Mubarak, por esta razão vigiado pela América, antes do estouro da Primavera Árabe que colocou a Irmandade Muçulmana no poder, que impôs a shari’ah e passou a assassinar todos os opositores da lei islâmica. A Irmandade Muçulmana, como contamos em nosso livro Por Trás da Máscara: do passe livre aos black blocs, é apoiada por entidades de esquerda no Ocidente, como o teórico socialista da internet e das agitações políticas virtuais Manuel Castells.

Enxergar o caso como “político”, portanto, só faz sentido se o adjetivo “político” englobar a imposição de uma lei religiosa, visto que, no árabe, a palavra jin, que significa “religião”, também significa uma visão cósmica, civil, judicial, ética, pública, familiar, alimentar e que vai desde o surgimento do mundo até a forma de escovar os dentes.

O caso é, de fato, religioso. Apesar da auto-censura ocidental para não criticar o islamismo, preferindo-se sempre abstrações como o “extremismo islâmico”, é o próprio livro venerado pelo islamismo que reserva aos judeus as piores menções e descrições possíveis.

O estudioso do islamismo Robert Spencer cita o Qu’ran para mostrar que o livro sagrado muçulmano chama os judeus de “porcos” e “macacos” por três vezes. O porco, para povos do deserto, é o animal mais sujo e transmissor de doenças. O macaco transmite pulgas e contamina comida, sendo considerado ladrão (de alimentos), sujo e inferior.

Apesar de alguns islâmicos tentarem obtemperar que, digamos, nem todos os judeus são “porcos e macacos” para o islamismo (sic), o tratamento reservado a judeus e, sobretudo, judeus israelenses, que não somem de Israel e entregam Jerusalém aos muçulmanos, é consabido pelo mundo, apesar da polícia politicamente correta negar-se a afirmar o óbvio.

Vide-se este vídeo do MEMRI – Middle East Media Research Institutethink tank que traduz para o inglês o que sai na mídia do Oriente Médio. Até mesmo uma criança de 3 anos (um bebê, de fato) é congratulada por um canal saudita por demonstrar seu ódio a judeus, povo que nem conhece.

Com uma visão como essa, como um atleta muçulmano iria cumprimentar um “porco”, um “macaco” israelense?

A desculpa freqüente para a tese de que Maomé e os muçulmanos só consideram “alguns” judeus como “porcos” e “macacos” (se o islamismo fosse um partido político, só com isso já seria proibido em todo o Ocidente) é uma inversão da jurisprudência islâmica, que interpreta os versos de Medina, do islam guerreiro, como posteriores aos versos escritos em Meca, quando Maomé ainda era um caixeiro viajante batendo de tenda em tenda.

Portanto, os poucos versos de animosidade em relação a cristãos e judeus (o dhimmi) devem ser entendidos pelo muçulmano como uma paz temporária, antes de terem maioria numérica e instaurarem a lei dos versos de Medina (aqueles que envolvem conversão forçada, pagar a jizyah ou serem decapitados). É o que ensina Ayaan Hirsi Ali, somali ex-muçulmana, que vive com proteção policial por abandonar a fé de Maomé.

Na história e na geografia do mundo enxergamos isso: tratados temporários, mas nunca um país islâmico, após se tornar islâmico, permite igrejas, sinagogas e livre trânsito e exercício de judeus e cristãos.

É o que ensina Brigitte Gabriel, intelectual libanesa cristã refugiada (esta sim), explicando rapidamente a história do islamismo e o porquê de suas crenças:

Aprofundando o caso, judeus são chamados no Qu’ran por 43 vezes de Bani Isrāʾīl, “os filhos de Israel”. Já a palavra yahudi, judeu, aparece 11 vezes e o verbo hāda (ser judeu) mais 10. Como ensina Khalid Durán, todas as passagens negativas usam yahūd, judeu, enquanto as poucas positivas falam de Banī Isrā’īl.

Um judeu convertido ao islamismo, isto é, um “filho de Israel” que se torne muçulmano, pode merecer clemência e deixa de ser judeu, como ensina Nassim Nicholas Taleb. Um judeu de fato, que além de “filho de Israel” ainda é yahūd, é sempre e necessariamente um “porco”, um “macaco”.

Relatos mostram que Maomé, em seu princípio de pregação, rezava curvado na direção de Jerusalém, e não de Meca – o que explica por que as primeiras mesquitas da Arábia estão voltadas para aquela cidade, ânsia de conquista islâmica.

As relações entre o islamismo e o anti-semitismo merecem um artigo detalhado na Wikipédia.

A propaganda do “nacionalismo palestino”, um “povo” inventado ad hoc com o fim do Império Otomano – e não reconhecido por nenhum país árabe do mundo – foi iniciada por Amin al-Husseini, que se encontrou com Adolf Hitler para discutir o “problema judeu” e forneceu soldados muçulmanos para a SS, a polícia especial nazista.

A Palestina fez parte como “país” destas Olimpíadas. A defesa de sua existência é propagada pela mesma esquerda que jura que o nacional-socialismo era de “direita” e nada tinha a ver com socialismo, mas critica Israel, o “Estado burguês”, o sionismo (que nasceu como um movimento socialista) e despreza a vida de judeus em lugares como Higienópolis, Tel Aviv ou Manhattan.

Quando Islam El Shahaby não cumprimenta um israelense, portanto, entender o acinte (ou, no linguajar da ESPN, o “incidente”) pela ótica da política não revela nada. Olhar a tudo pelo prisma da religião explica simplesmente tudo.

O caso do egípcio Islam El Shahaby (comprovando novamente nossa tese de que o nome faz o sujeito) apenas comprova o que mundo sabe se olhar para a realidade, mas que não se pode dizer nunca em um jornal, pelo medo de ser chamado de “islamofóbico”: o islamismo que tanto o Ocidente se força para aceitar como “religião da paz” é tão ou mais maléfico do que o nazismo quando logra êxito.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar sendo nosso patrão através do Patreon

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:












  • philip haag

    “A propaganda do ‘nacionalismo palestino, um ‘povo’ inventado ad hoc com o fim do Império Otomano”

    inventado, ou não, eram pessoas reais, que foram expulsas de suas casas, da convivência de suas famílias e da possibilidade de ganharem a vida…

  • Pedro Rocha

    “Quando Islam El Shahaby não cumprimenta um israelense, portanto, entender o acinte (ou, no linguajar da ESPN, o “incidente”) pela ótica da política não revela nada. Olhar a tudo pelo prisma da religião explica simplesmente tudo.”

    Permita-me discordar, mas nesse caso parece-me que a política se sobressaiu sobre a crença, embora ambas andem juntas no islamismo, que não é apenas uma crença religiosa mas uma doutrina político-militar-religiosa. Se a questão primordial nesse caso fosse intolerância de cunho religioso, esse atleta cumprimentaria apenas seus correligionários islâmicos e seria impolido com os demais participantes de crenças diversas.

    Nesse caso específico, parece-me que ele não cumprimentou o atleta israelense por conta da nação que ele representava, não pelas crenças individuais do mesmo.

  • Rodrigo

    “O islamismo que tanto o Ocidente se força para aceitar como “religião da paz” é tão ou mais maléfico do que o nazismo quando logra êxito.”

    Esse é o tipo de retórica irresponsável que diferencia um analista de um panfletário. Infelizmente, é o tipo de retórica que tem dado audiência na Internet conservadora brasileira, na trilha de Olavo e cia.

  • Sandro Molina

    Muçulmanos sempre sendo DERROTADOS!!! Eles são fracos e fracassados! Agem como raposas, em bando.

    • Glauco Lima

      Assim como Israel que ROUBOU os uniformes dos palestinos.

  • Caio

    Texto brilhante, só quero fazer uma pequena contribuição, o termo “anti-semitismo” se aplica a todos os descendentes de Sem, filho de Noé, o que inclui Abraão e portanto os árabes. Talvez fosse melhor colocado anti-israel, ou anti-judaico.

  • Igor Teixeira

    Os judeus estão em pé de igualdade com os cristãos em relação ao ódio islâmico? Aliás, será mesmo que existe alguém ou algum grupo que eles não odeiem? Afinal, eles mesmo se matam em nome de Allah.

    • Sim, estão. Procure uma palestra do David Horowitz, em que ele taca o sabão numa muçulmana na plateia. Ele dispara a pergunta se a menina era favorável ou não ao terrorismo do Hamas.
      No final do diálogo, ele diz algo como:

      – Eu sou judeu. O líder do Hezbollah disse que a criação do estado de Israel seria favorável, porque eles não precisariam caçar-nos pelo mundo. Você é favorável ou contrária a isso??

  • Lucas Monteiro

    As pessoas só irão entender o que é o Islã, de fato, quando passarem a enxergar essa cosmo visão de dentro, por seus próprios conceitos e termos.

    O que eu vejo nada mais é do que pessoas analisando o Islã de fora, pela lente ocidental atual, confusa, a qual esvazia o Islã da sua própria essência que, se fosse entendida, seria rejeitada na mesma hora.

    • Fábio Lavratti

      Resumindo: não há como explicar o inexplicável.

Sem mais artigos