Após tomar um país que sempre viveu em paz, Temer corre o risco de provocar um grande conflito contra os bolivarianos e seus estilingues.

As delegações das super-potências  ̶r̶e̶g̶i̶o̶n̶a̶i̶s̶ mundiais Venezuela, Equador, Costa Rica, Cuba, Bolívia e Nicarágua, todos países bolivarianos, saíram do salão da ONU quando Michel Temer, seguindo o protocolo, abriu os trabalhos com um discurso do presidente brasileiro.

O protesto foi contrário ao impeachment constitucional, com amplo direito à defesa etc etc etc de Dilma Rousseff. Tais delegações consideram que o impeachment é golpe, que rasgaram a Constituição, que não existe mais democracia no Brasil, que pedalada não é crime, que Dilma fumou, mas não tragou e aquela papagaiada toda.

Quando uma opinião sua é a mesma das delegações de Venezuela, Equador, Costa Rica, Cuba, Bolívia e Nicarágua, governados caudilhos farsescos que mantém países ricos em recursos naturais com Índices de Desenvolvimento Humano patinando abaixo de países tribais em guerra civil na África, é sugerível mudar de opinião. Mesmo a respeito de temas universais, como água, comida, oxigênio e outros.

Se as chefias de patrulhamento internacional das ditaduras mais sanguinárias do continente, a Venezuela de Nicolás Maduro e a Cuba de Raúl Castro, colônia e metrópole bolivarianos, protestam contra alguém por ser ilegítimo ou o que quer que aleguem, nosso grau de apreço pelo político em si, antes mesmo de saber quem é, já aumenta uns bons bocados.

Mas seria interessante perguntar a Raúl Castro por que ele protesta contra Michel Temer. Perguntar sobre eleições, por exemplo. Se o exemplo nos países bolivarianos já é gasto, Os Castro, incluindo Raúl, são mais gastos ainda e continuam na ativa, existindo de verdade, mandando e desmandando na vida de 11 milhões de pessoas de verdade. Pelas contas mais ortodoxas, Michel Temer recebeu 54,5 milhões de votos a mais do que Raúl Castro. Os heterodoxos, nem mesmo afirmando que não votaram em Temer, ousam fazer o cômputo.

Ser repudiado por ditadores de tal quilate mortífero é o maior elogio que Michel Temer pode receber. Nem mesmo Ronald Reagan deve ter conseguido discursar na ONU e fazer com que tudo quanto é tiranete malcheiroso se retirasse do recinto em sinal de protesto. Era para ganhar um Nobel da Paz ali na hora, só pela conquista.

Tudo simbólico, claro. O discurso de Michel Temer, afinal, mostra por que era vice de Dilma Rousseff: elogia “refugiados”, crendo que vítimas de um terremoto no Haiti e muçulmanos em disputa interna são equivalentes; elogiou o horrendo acordo nuclear com o Irã, que futuramente poderá definir a maior guerra que o mundo já enfrentou; enalteceu o “acordo de paz” que transforma as FARC em partido político e ainda recebendo dinheiro do trabalhador colombiano; pede a criação de um “Estado palestino” sem falar quem o presidirá (pelo andar da carruagem, outro grupo terrorista que irá se retirar do recinto quando o vice do PT falar).

É o vezo de todos aqueles desacostumados com o modus operandi dos partidos de esquerda: em nome do bom-mocismo, defendem quem irá apunhalá-los alguns minutos depois. Ou, no mundo moderno, degolá-los. A esquerda, que deveria enaltecer Temer, é justamente quem o critica – porque não quer apenas um projeto, quer também que ela própria o aplique. Ainda que seja o mesmo.

Isso tudo, para sorte de Michel Temer, não sai em manchetes de jornais contaminados pela hegemonia de pensamento único dos moldes bolivarianos: fica-se apenas com os batendo o pézinho.

Algo a se preocupar? Um conflito de tal magnitude, envolvendo 7 países de tal importância geopolítica, deve ser um evento histórico extraordinário, a coisa mais importante do século. Livros de História narrarão o evento, que sempre terá uma pergunta no vestibular dedicada a ele. Michel Temer contra os bolivarianos.

A nossa única esperança no momento é que a Bolívia ainda não convocou a poderosa Marinha Boliviana e apontou seus canhões para o Mato Grosso.

Para quem já está estocando comida e, sobretudo, papel higiênico caso a Venezuela avance com seu exército bolivariano diretamente para nossas geladeiras, podemos pegar o mapa-múndi no tabuleiro de War e entender.

Tabuleiro de War

A América do Sul como um todo, dominada pelos exércitos vermelhos do Foro de São Paulo da Venezuela ao Chile, mas com o exército azul retomando o Brasil, e mais Argentina e Uruguai, ninguém ganha dois exércitos a mais por rodada. Como apenas o Brasil possui dois exércitos em seu território, só ele pode atacar, enquanto todos os outros países, possuindo apenas um exército de defesa, só pode ficar na miudinha.

Tudo o que os bolivarianos até agora puderam fazer, cynaramenezesmente, foi falar. Ou “retirar o embaixador” (mas nem a Bolívia levou muito a sério, preferindo dar pra trás e declarar que só o convocou para ter “informações” encontráveis em 2 minutos no Google). Algo como retirar até o exército de defesa em sinal de protesto. Não podendo atacar, só resta torcer para tirar a sorte grande nos dados para se manter inteira nas próximas eleições.

Como a esquerda na América Latina iniciou a derrocada do Foro de São Paulo de vez com o impeachment de Dilma Rousseff (a fonte de recursos do socialismo do século XXI), que iniciou a degringolada dos totalitários bolivarianos, parece que, enquanto a Bolívia não acionar sua Marinha, tudo o que teremos de toda a esquerda latino-americana até agora será mesmo um violento, ameaçador e profético… sinal de protesto.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar sendo nosso patrão através do Patreon

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

  • Rodrigo Ribeiro

    O mais humilhante não é o fato dessas bostas comunistas protestarem.
    O mais humilhante é darem espaço para estas mesmas bostas comunistas protestarem.
    Isso é o pior. Mas não se pode esperar outra coisa dessa imundície chamada ONU.

    E desculpem-me os crentes nesse ‘novo’ presidente, mas a única diferença entre Dilma Rousseff e Michel Temer é que este último tem um gosto melhor para mulheres.

    • Elias Machado

      Realmente, a mulher do Temer, é linda, ao contrário das “minas” do DILMÃO, todas horríveis, quase monstros ambulantes.

  • Jean Gontijo

    Pois é. E, a propósito, entre os “revoltados” aí deve-se ter uns bilhões em débito com o BNDES não? Deveríamos era mandar as baterias de Astros pra as fronteiras e perguntar “plata o plomo?”

  • Rafael

    “Poderosa Marinha Boliviana”. Boa Flavio. Baita texto!!!

Sem mais artigos