Alexandre Borges, um dos poucos a acertar a eleição de Donald Trump, comenta o que esperar de seu governo - novamente contra a mídia.

Facebooktwittermail

Guten Morgen, Brasilien! A vitória de Donald Trump surpreendeu o mundo… mas parece que não a nós, do Senso Incomum. Por isso, convidamos novamente o maior especialista em política americana do Brasil, Alexandre Borges, que já havia previsto a vitória de Donald Trump aqui mesmo no Guten Morgen (episódio #17), para comentar o que podemos esperar de seu governo.

Alexandre Borges comenta as primeiras indicações para as pastas feitas por Donald Trump, inclusive aquele que hoje é chamado pela imprensa como “radical” e “extremista”, inclusive “anti-semita” e “supremacista branco”, o editor do site Breitbart.com, Stephen Bannon. Será que a boataria da imprensa faz mesmo sentido? Se o Breitbart é “extremista”, será que nós, que apenas não conjugamos com a sua agenda, também somos?

E como será a relação de Donald Trump com a imprensa? Por que ele ganhou o voto dos americanos, enquanto toda a mídia aboletada de “especialistas” atirou para tão longe do alvo?

Será mesmo que Donald Trump é “protecionista” como tanto alardeou a imprensa? Ou ainda “contra a globalização”? A velha mídia errou em simplesmente tudo o que tentou palpitar a respeito das eleições – por que devemos esperar que ela esteja certa nas projeções que faz agora ao invés de ouvir alguém como Alexandre Borges?

Sobretudo: o “fenômeno Trump”, como podemos chamar essas eleições, não sacudiu apenas as pesquisas eleitorais. Foi um terremoto sobre toda a imprensa, a mentalidade, o establishment, a burocracia, o modo de fazer política, os partidos, as instituições e o estamento elitista do mundo inteiro. Alexandre Borges dá uma análise – e outra sacudida – num sem-número de vacas sagradas, de Globo News a George Soros, neste episódio tão esperado.

A produção é de Filipe Trielli e David Muzzuca Neto, no estúdio Panela Produtora. Guten Morgen, Brasilien!

—————

Não perca o artigo exclusivo para nossos patronos. Basta contribuir no Patreon. Siga no Facebook e no Twitter: @sensoinc