O queridinho da mídia Leandro Karnal tenta chocar falando em Lúcifer. O resultado não é de filme de terror: é incrontrolavelmente risível.

Facebooktwittermail

Leandro Karnal é chamado no baixo jornalismo de “filósofo”, por razões entre o Céu e a Terra que nossa vã filosofia desconhece. Junto a Mario Sergio Cortella e Clóvis de Barros Filho, foi considerado pela Istoé como os gurus “intelectuais com respeitável currículo” que fazem a cabeça dos jovens.

Considerados por qualquer intelectual com respeitável intelectualidade, a trinca conhecida como “Os Três Patetas” poderia ser melhor descrita com chamadas como “Conheça os novos intelectuais midiáticos da linha ‘não sou marxista, mas…’ que seu filho que só lê o Facebook no celular quer massagear com o duodeno”.

Leandro Karnal, Mario Sergio Cortella e Clóvis de Barros Filho são mestres na arte de falar o óbvio com aquela linguagem que nem é chique ou intelectual: é apenas o básico do básico de uma discussão de aula de Sociologia com adolescentes de 16 anos no esplendor da puberdade, ouvindo ladainhas ultrapassando as raias dos reducionismos da doutrinação pela primeira vez e se sentindo importantes por isso (“Olha, o Bolsonaro é contra a democracia! Viu? Eu uso a palavra ‘democracia’ numa discussão e até no meu Twitter, a minha avó reacionária e carola não xinga ninguém de anti-democrático!”). Um passo além no discurso (que tal a palavra “metafísica”?) e perderiam imediatamente 30% de suas curtidas no Facebook.

São os típicos intelectuais que fazem sucesso entre jornalistas e leitores de banca de jornal e portal descolado de internet falando do que é super cool e in nas redes. Intelectuais considerados intelectuais por qualquer um, exceto por aqueles que já viram um intelectual de verdade na frente.

Nosso Leandro Karnal ficou famoso recentemente por ter tirado uma foto com o juiz curitibano Sergio Moro, mas ter tomado uma torrente de descurtidas em sua página de seus leitores instigados por seus faniquitos contra a direita, mas que não gostaram nada de seu novo ídolo tirar uma foto com um juiz que, ao aplicar a lei, acaba por punir quem infringe a lei. Para os leitores de Leandro Karnal, é feio seguir e aplicar a lei, o bonito é roubar aposentado. Karnal, envergonhado (repetindo: um “filósofo”… envergonhado!), apagou a foto.

No penúltimo episódio de nosso podcast, analisamos como o Ocidente caiu numa crise intelectual que caiu de Sócrates a Leandro Karnal. Muitos acreditam que é apenas falta de leitura, para já sacar o clichê “Vá estudar!”. Ora, há leituras que transformam um eficiente carteiro ou um promissor motoboy em um Leandro Karnal. A chave de interpretação não abre essa porta do conhecimento.

Há algo no simples fato de, além de pensador risível, não ter coragem de manter uma foto em sua página, diante de uma platéia que acredita que o contato com um opositor te torna igual ao opositor, como se idéias fossem transmissíveis por um contato social mais fácil do que o exigido para se pegar gonorréia. Leandro Karnal é desprovido de algo mais importante para um intelectual: coragem e alma.

A coragem de ter idéias. E a alma para suportá-las além de seu corpo. Como delimita Nassim Nicholas Taleb, uma concepção de mundo em que sua individualidade tenha como limite a pele é frágil: torna preferível as glórias vãs de curtidas de Facebook como o máximo de realização na vida.

Uma concepção baseada na alma permite idéias tão elevadas que são maiores do que a vã existência dos vãos existencialistas: Jesus Cristo, Sócrates, Joana D’Arc, todos os mártires, todos os prisioneiros de guerra que não revelam segredos ao inimigo e preferem morrer sob a cimitarra do Estado Islâmico a abjurar de sua fé são antifrágeis: mostram o valor dessa idéia e sua potencialidade, o quanto deve ser defendida, justamente ao mostrarem que elas são maiores do que seu corpo.

Leandro Karnal mostra que seu sobrenome é destino ao tentar brincar de intelectual: basta alguém assustar seu corpo para que suas idéias “filosóficas” se sacudam e evanesçam diante de uma platéia de adolescentes em suas masturbações mentais e hipersensibilidades batendo o pézinho com o dorso da mão à cintura exigindo que seu ídolo se coadune 102% à modinha do momento. É fácil entender por que Karnal faz a cabeça dos jovens, e não Jesus: Karnal é um joguete nas mãos da criança. Jesus só promete a seus seguidores morrer carregando cada um a sua cruz.

Para comprovar a fragilidade de sua carnalidade, Karnal deu entrevista ao Globo, em que comenta um livro seu falando sobre religiões. Seu conhecimento carnal sobre o assunto é cotejado com alguma visão menos platiforme nos comentários abaixo. O leitor deve se sentir livre para analisar qual das duas visões tem alguma chance de sobrevida 5 minutos depois de se ler os tais pensamentos.

Globo:

“Pecar e perdoar” é um livro sobre julgamento. Julgar é humano? Ou foram as religiões que nos tornaram julgadores?

As religiões, apesar de darem a base moral para os julgamentos, sempre insistem em não julgar os outros. As religiões, ao mesmo tempo, e contraditoriamente, fornecem a base material para inventar o pecado, mas também recomendam quase universalmente a misericórdia, a compaixão, o perdão, o não julgamento. Faz parte de um jogo complexo.

Karnal, o carnal, julga que as religiões dão base moral para julgamento, mas insistem que os homens não devem julgar. Há raras religiões baseadas na idéia de se evitar julgamentos: Karnal toma a casca de cristianismo que conheceu em alguma comunidade do orkut para julgar todas as religiões pelo cristianismo.

Em verdade, o cristianismo tão somente garante que o verdadeiro Reino não é deste mundo, tal como a verdadeira justiça. Assim, há duas dimensões da existência: o plano material, que podemos chamar de Plano Karnal – falho, cheio de paixões, onde nunca se sabe 100% dos fatos – e o plano espiritual, onde há uma onisciência que julga com onipotência.

A recomendação é fácil de compreender: não julgue para não ser julgado, se o Plano Karnal, esse eterno Plano Cruzado da justiça, julga pelas paixões igualmente Karnais. Para não nos dizimarmos numa guerra eterna, e a vingança ser a única força na sociedade, a recomendação é o perdão: justiça pura não significa perdão (lex talionis, retaliação, punição), mas o perdão, partindo do coração, e não da racionalização e matematização de tudo, pode nos permitir a paz, e que não sejamos julgados com a mesma força.

O perdão parte do pathos, do controle das paixões. Não significa que homens, os seres do julgamento, não julgarão: apenas que a sentença deve caminhar para o perdão, e não para a força bruta.

Em contraposição a tal visão tradicional, Karnal garante que as religiões “contraditoriamente” “inventam” o pecado e recomendam misericórdia, “e não o julgamento”. Misericórdia sem reconhecimento do pecado é que seria contraditória. Mas, para Karnal deslindar essa dinâmica nada arcana “faz parte de um jogo complexo”. O leitor que julgue (ops!) qual é mais profunda.

Karnal:

Nós gostamos de julgar. Se fosse apenas por causa da religião, em regimes ateus como a União Soviética ou a China de Mao-Tsé-Tung não teriam ocorrido julgamentos. Então eu diria que, apesar de a religião dar o vocabulário, o julgamento é humano, não é exatamente religioso.

Leandro Karnal julga bastante em um parágrafo, para quem parece julgar que julgamentos são negativos porque julgam. A conclusão que julga que “o julgamento é humano” merece o prêmio “humano do ano”, julgada por nossos julgadores.

Globo:

Normas, regras e leis não seriam necessárias para tornar a convivência entre as pessoas possível? Há um ponto de equilíbrio entre não julgar ninguém e julgar tudo?

O impulso de fazer muitas leis é uma tendência regular. (…) Para viver em grupo, como todos os filósofos destacam, nós precisamos criar regras mínimas de convívio. As regras mínimas estabelecem espaços onde eu posso ser ou não ser. (…) A nossa sociedade é tão indignada com a corrupção porque quase todos nós somos corruptos. A quebra da norma pelo outro mostra o espaço do meu desejo de quebrar também. Se não, não me incomodaria tanto.

É mesmo para se premiar a pergunta “precisamos de regras para viver em sociedade?”, com a profunda resposta de que “todos os filósofos destacam que precisamos criar regras mínimas de convívio”. Platão redivivo só poderia ficar de joelhos diante de Leandro, o Karnal!

Mas, para um “filósofo”, seria melhor ter um Sócrates diante de si a interpelar o aspira sobre o que é “corrupção”. Se Karnal é corrupto, ele que fale por si e vá para a cadeia. A definição de corrupção é factual e penal, e não deve ser usada sofisticamente como uma palavra mágica como analogia para tapear circunstantes ignorantes.

Corrupção são crimes arrolados no Código Penal, arts. 312 a 327, da Lei 8.429/92. Corrupção seria “pagar ou prometer algo não devido para conseguir a realização de ato de ofício”, segundo Edmundo Oliveira. Se não sou funcionário público e não posso realizar ato de ofício, como posso ser corrupto?

Sofistas, aqueles que usam palavras sem se preocuparem com alguma essência que seja âncora do pensamento, podem chamar de “corrupção” esbarrar sem dar licença ou trocar de faixa sem dar seta. É uma analogia entre duas coisas que só têm em comum não serem incentiváveis: as conseqüências são ridiculamente distintas, como comparar uma beterraba com uma furadeira. Mesmo não devolver troco a mais, furtar uma mexerica ou fazer um gato NET envolvem dinheiro e propriedade, mas são roubos, e não corrupção: não envolvem o poder público. Caixinha pra escapar de multa, ainda que bem menor do que um assalto a banco, sim, é corrupção.

A ânsia desesperada de Leandro Karnal para afirmar que quem está reclamando da corrupção do PT é também corrupto só funciona em suas analogias pueris. Púberes, naturalmente, caem como patinhos. Mas é apenas uma desculpa oca, um flatus vocis, um peido verbal para culpar os circunstantes pelo mau cheiro. Depois que uma geração de adolescentes e pós-adolescentes cujo único objetivo na vida é se tornarem corruptos passa a descurtir a página de Leandro Karnal por uma foto com Sérgio Moro, virá mais uma desculpa com vocabulário padronizado para O Globo.

Para coroar o bolo cerejosamente, é preciso mesmo ser um pervertido para dizer “A quebra da norma pelo outro mostra o espaço do meu desejo de quebrar também. Se não, não me incomodaria tanto” e viver numa sociedade de pervertidos para isso não ir parar nas páginas policiais. Quer dizer que nossa indignação com 64 mil homicídios por ano, com estupros, com pedófilos, com roubo de dinheiro de aposentados, é simplesmente porque nós queremos também, e nos indignamos porque outros fizeram o que queríamos? Além de logicamente contraditório, é apenas masturbação mental para auto-justificar vontades egoístas de apenas usar os outros como carcaças. Algo bem Karnal. O que nos leva à próxima:

Por que o erro, o pecado, é tão sedutor?

Nós temos uma sedução profunda pelo mal. De longe o demônio é o anjo mais interessante. Compare a biografia de Lúcifer com a do arcanjo Gabriel, que faz o anúncio a Maria. De longe o demônio, o erro e o desvio são muito mais sedutores para nós. Você vai lembrar para sempre de Odete Roitman, ou de Nazaré Tedesco, mas não vai lembrar a personagem boa, pura. Nós gostamos dos rebeldes. Nós gostamos de quem quebra a regra. A liderança numa sala quase sempre está naquele que infringe as regras, e não no nerd. O nerd exerce pouca liderança numa sala. Nós gostamos do pecador. E, aliás, Deus também no cristianismo parece ter uma predileção pelo pecador.

Será que devemos ser liderados por um aprendiz de Lúcifer, ou por um nerd? Observe bem essa imagem:

Leandro Karnal

Espere, olhemos de novo:

Leandro Karnal

E agora olhemos mais um pouco:

Leandro Karnal

Estamos diante de um ser luciferiano liderando as hostes do Cramulhão Ele Próprio, um rebelde Hell’s Angels capaz de botar medo numa gangue de skinheads, ou de um cara que você identifica em uma praça pública apinhada como aquele que certamente tomava cuecão todo dia, escrevia poesias byronianas no Flogão porque não tinha coragem de colocar sua cara, e seu único subterfúgio para fugir de seu destino amargando uma virgindade involuntária aos 50 anos foi criando um discurso mavioso para adolescentinhas revoltadinhas que, se não encontram algo físico (ou melhor, Karnal) para suas angústias, ao menos encontram uma verborragia facinho de ser copiada para gritar com o papai no dia seguinte em que ele paga as suas contas? Antes de uma questão metafísica sobre a Queda do Paraíso, parece tão somente excesso de esforço pra dar uma bimbada.

(Antes que venham me encher: eu sei que o cara não é o Karnal, caceta, mas até você precisou verificar isso no Google pra ter certeza e sacar a metralhadora giratória da cagação de regra.)

Will Durant, em sua História da Filosofia, diagnostica que Nietzsche louvava o pecado, mas sua vida era basicamente uma castidade interminável. Era um santo, querendo ser um pecador. Ao menos Nietzsche sabia escrever bonito e brincar de filosofia com algum talento.

Mas tergiverso. Ora, por que será que a Bíblia tem mais interesse por pecadores do que por santos? Pelo mesmo motivo que Karnal tem mais interesse em provocar quem discorda de sua versão Nietzsche de banheiro do que em falar que adolescente é genial ao falar que Lúcifer é dominante na Bíblia: porque a Bíblia está preocupada com quem não entende sua mensagem (por exemplo: Leandro Karnal). Porque a Bíblia só faz sentido se for escrita para pecadores, e não para santos.

Quem quebra a regra é que precisa restaurar a ordem até tudo voltar a fazer sentido. Não é preciso ser um gênio da crítica literária a la Northrop Frye para saber disso: basta tomar uma bronca da mamãe por não ter colocado o lixo pra fora. Assim, vai se deslindando o que faltou para a inteligência de Leandro Karnal.

No livro, você lança um olhar positivo sobre Lúcifer, o anjo caído. Por que viveríamos “tempos luciferinos”, como você diz?

Essa visão positiva de Lúcifer aparece na literatura quando John Milton, em “Paraíso perdido”, põe na boca do demônio a seguinte frase: “é melhor reinar no inferno do que ser escravo no céu”. Essa é uma noção de empreendedor. Prefiro o meu pequeno negócio do que ser empregado numa grande instituição. O empreendedor clássico sempre se orgulha do ilícito. (…) O empreendedor, o grande líder é louvado porque é alguém que quebra as regras, inclusive as leis, aceitas pelo grupo. Lúcifer é o primeiro empreendedor de todos os tempos porque saiu da caixinha. Lúcifer é o sonho do RH, né? (risos). Sem a infração de Lúcifer, assim como a de Adão e Eva, não haveria História. O mundo seria perfeito, com anjos no paraíso. O que criou a História do mundo foi a rebeldia, as quebras do padrão e das estruturas. Todas as vanguardas, sem exceção, são assim.

Observemos tempos luciferinos:

Leandro Karnal

Karnal confunde com extremo louvor o empreendedor, aquele que empreende uma tarefa para criar um novo mundo, com o bandido, aquele que empreende um roubo para obter mais rapidamente o que precisa, e dane-se quem saiu prejudicado. Se empreendedores roubam, naquele momento não são empreendedores.

Sua interpretação de que John Milton diz algo positivo sobre Lúcifer não precisa de mais do que 5 segundos de análise de uma das frases mais famosas da literatura inglesa: o diabo prefere viver fora da ordem (com seu Non Serviam) em um lugar em que não há salvação, esperança ou qualquer coisa de bom (diz-se que as bibliotecas do Inferno só têm Karnal, Cortella e Clóvis), mas dominar todos que estejam por ali, danados, do que fazer parte da ordem, subordinando-se ao Senhor da realidade. É como ser senhor do lixeiro. É como ser um Leandro Karnal. Perspectiva que, a essa altura, raros querem para si.

Como disse Gabriel Vince, “Lúcifer não foi o primeiro empreendedor de todos, ele foi o primeiro estagiário a fazer merda e ser demitido.” Empreendedor é quem cria algo novo para a ordem, não quem busca atalhos fáceis (o que explicaria muito melhor do que sua logorréia por que o pecado é tão sedutor). Empreender é criar algo difícil, quebrar regras, qualquer teenager com a maturidade de um chimpanzé quebra.

Não saber separar um de outro é o que mostra que Karnal só se dá bem por que toda a nossa sociedade, e a mídia é exemplo extremo, prefere os caminhos fáceis. Seus leitores, naturalmente, não terão muito mais inteligência do que a do estagiário que faz merda.

Se é para medir a capacidade de Leandro Karnal de entender, apreender e trabalhar (digamos, empreender) na realidade, só precisamos observar sua longa, arrastada, tergiversante e chatérrima última resposta:

O seu jantar com o juiz Sérgio Moro gerou grande repercussão nas redes. A polarização exacerba o julgamento?

Somos grandes vigilantes uns dos outros. Estamos num momento polarizado, não é um momento de cinza, mas de preto e branco. Tudo o que não for polar é criticado. Não equilibrado, como chamaríamos no século XIX, mas isentão. Não ser petralha ou coxinha é ser isentão. E o narcisismo hoje é definidor da nossa cultura. De tal forma que a frase que mais se multiplica é “ele me representa” ou “ele não me representa”. Algumas pessoas me disseram isso. “Eu não jantaria com o Moro”. Eu respondi: então, assim que ele te convidar, recuse. Não há problema nenhum nisso. Mas, enquanto for futuro do pretérito, é simplesmente desejo de polaridade invertida. Jesus comeu com Judas na última ceia. Não é o convívio que afeta o seu princípio. Essa necessidade de berrar para o mundo “eu vou te bloquear porque você jantou com quem eu não jantaria” é narcísica e infantil. A decepção advém da perda de controle sobre o outro. Ele não fez o que eu gostaria de fazer. É bom que aconteça isso. Não quero ser marionete da vontade alheia.

Ah, é? Então por que apagou a porra da foto?!

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

 

  • Danilo Iuri

    Podcast com easter eggs, reassiste e encontra informação nova. Aprende mais. Kkkkk

  • Gahas

    Priscilla, vc concorda com o Flavio, correto? Eu não. O problema são pessoas que falam a “verdade”, que têm a “razão”. Gostaria é de ver um debate entre ele e o Karnal.

  • Ilbirs

    Sobre os chamados intelectuais orgânicos, designação na qual podemos incluir o Karnal, quem tiver umas quase três horas livres assista a este vídeo do Loryel Rocha falando a respeito deles, como se estruturam e suas consequências:

    Há coisas por ele ditas que acho meio estranhas, como a história de que algum brasileiro fluente em espanhol na realidade estaria sem saber sendo engrenagem de um projeto vindo da Espanha para tornar aquele idioma o oficial e predominante daqui em vez do português que tanto falamos e a maioria tão mal o escreve. O ideal é seguirmos o pedido do apóstolo Paulo para examinar e reter o que for bom, para o que no link que lhes passo considero haver denso conhecimento a ser assimilado.

  • Fernanda Mielke

    Flavio, não concordo plenamente com tudo que você disse, mas também não descordo, em partes. Será que sou de centro? Estou em cima do muro? Para ser de direita ou de esquerda, preciso aceitar “cegamente” todos os “ideais” de uma ou de outra?… Escolho pensar e analisar, cada fato ou ideia… Escolho não rotular pessoas só porque não pensam igual a mim… E quanto a foto de Karnal e Moro, o estranho foi ter apagado, mas não de tê- lo tirado…!!! Mesmo assim, Parabéns pelo artigo… Excelente texto para reflexão

  • Aecio Gomes

    Gostei do texto. As palavras de Karnal são muito boas!

    • Tutameia

      cuma????

  • Antonio Neto

    Giuliano Fordelone, eu te desafio a sustentar esse seu mesmo argumento diante de William Shakespeare. Se esse argumento, ou se você ainda se sustentar em pé, levantarei essa bandeira.
    Note que eu quis ser bonzinho, e citei apenas um dos grandes vultos universais.

  • Rodrigo

    É por esse culto ao diploma que estamos desse jeito. Curriculo Lattes? Legal, mas e daí? Se é pra levar em conta currículo, eu sou atuário, meu trabalho e área de estudo tem grau muito maior de dificuldade que professor de história com doutorado. Põe esses 3 aí pra fazer uma conta qualquer e vai ver um exemplo da tragédia que são pra coisas práticas da vida.

  • ACES HIGH

    Excelente artigo!

    O Alexandre Borges produziu uma das melhores tiradas em relação a esse farsante.

    “Amigo compartilhando Karnal é como mau hálito: você tem que decidir se sai de perto ou avisa.”

  • Marcio Reaken

    Pelas respostas do Karnal ele parece ser na verdade um discípulo do grande filósofo Píton, aquele que afirma que nossas ações na vida são sempre na intenção de comer alguém.

  • Quem disse que eu não sei? Eu sei que ele é Historiador. Se FFLCH formasse filósofo, eu estaria mais próximo, já que sou da Letras, e até estudo Aristóteles, Platão etc em grego. Karnal não estudou nada disso. Então, se currículo valesse alguma coisa, Karnal teria de fechar o bico e me obedecer. Mas prefiro fazer isso com argumentos, como aqueles em que você “esqueceu” de apontar algum erro. 😉

    • Giuliano Fordelone

      Tem pouco ego nessa sua prepotência…

      • Quem acredita que USP, ainda mais FFLCH, significa inteligência é você. 😉

    • Gahas

      “Tradutor especializado
      em filosofia alemã, Flavio Morgenstern também é ator e designer
      free-lance. Mantém um blog, onde publica artigos sobre economia,
      política e direito penal. Faz tradução de diversos tipos de materiais
      como artigos, legendas, livros, jornais e sites.”

      Comenta sobre tudo e sabe mais que todos.

Sem mais artigos