O Datafolha é famoso, mas é lembrado por seus fracassos retumbantes, não por seu acerto. Como analisar o "favoritismo" de Lula para 2018?

Após a alquimia do Vox Populi, mais um instituto de pesquisa está jurando de pés juntos que Lula já é nosso futuro presidente, que o povo que entupiu as principais avenidas do país contra o PT vai de 13 na cabeça nas próximas eleições e que Lula é 69% dono do triplex no segundo turno, noves fora a margem de erro: sem surpresas, o Datafolha, campeão de “previsões” furadas nos últimos anos.

Se o Datafolha fizesse uma pesquisa questionando em quem o eleitorado mais confia: se em videntes ou no próprio Datafolha, é provável que não haveria margem de erro o suficiente para disfarçar o quanto o brasileiro, apesar da memória deformada, só consegue lembrar do Datafolha, Vox Populi et caterva associados a erros colossais, e simplesmente nenhum micro-acerto nos últimos anos (Marina eternamente favorita, impeachment não ocorrerá, Hillary já ganhou etc).

Responda rápido: como você escolherá seu candidato em 2018? Há duas respostas para essa pergunta: com amor à causa e jurando que está salvando o planeta com 3 botõezinhos (o que já garante que o perguntado é um petista ou ex-petista que migrou para Marina Silva ou Ciro Gomes) e com nojo, pensando bem em qual será o mal menor, tendo quase uma certeza escatológica da danação, mas pensando se agüenta mais um soco com soco inglês ou uma voadora com sapato com tarraxas de aço, tapando o nariz na urna e torcendo para doer pouco. Neste último cenário encontra-se entre 60 e 70% do eleitorado brasileiro, que bem ao contrário do que quer a Folha de S. Paulo e os analistas políticos brasileiros que só enxergam mofados partidos e eleições com opções que ninguém quer para entender a mentalidade do brasileiro.

Não é preciso ser genial neste cenário para entender que a rejeição a um político conta infinitamente mais do que sua aprovação, geralmente só contada por militantes (ou seja, só vale para o candidato petista ou pros sonháticos marinistas). Vota-se, ainda mais em uma eleição com garantia de segundo turno para filtrar ainda mais o “mal menor” (a verdadeira razão da eleição em 2 turnos), em alguém no qual não gostamos e já rejeitamos uns bons por cento, mas que rejeitamos menos do que o outro lado.

Qualquer pesquisa que analise a intenção de voto só tem o efeito exatamente oposto: dizer ao uma parcela do eleitorado que o restante do eleitorado enfrentará um problema. Em que matemática em que 100% é dividido por cem partes de 1% é possível dizer que Lula lidera a pesquisa com até 31% das intenções de voto (patamar em que está rigidamente inalterado desde 1989), se tem rejeição de 45%?

Como é possível um presidente ser eleito se tem mais gente que não votaria nele de jeito nenhum (fazendo com que ciristas votassem em Marina, que bolsonetes votassem em Doria, que alckmistas votassem em Ciro) do que gente que está firme e forte lutando dia e noite para a volta do petismo (aquele do impeachment aprovado por 66% da população)?

Mesmo com os dados incrivelmente errados do Datafolha, o que nunca acerta uma, bastaria inverter e procurar quem é o candidato menos rejeitado e voilà: estamos olhando para o provável futuro presidente (para o Datafolha, Bolsonaro tem 23%, Marina 21%, Doria 16% e Sérgio Moro, sabe-se lá o que diabos fazendo aí, é rejeitado por ainda menos gente do que os militantes pró-Lula, também com 16%).

Sérgio Moro ser analisado como candidato à presidência mostra também uma escolha desesperada do Datafolha para diminuir votos daqueles candidatos entendidos como uma oposição mais forte ao petismo do que seus antigos apaniguados (como Marina e Ciro). O povo pedestre só demonstra que tem várias opções contra Lula, e que até mesmo para a margem de erro do Datafolha, atualmente em duas casas decimais, a oposição ao petismo se mostra mais forte do que o petismo.

De fato, a levar o Datafolha a sério, apenas contra os velhos adversários Alckmin e Aécio, rejeitados pelo povo justamente por serem pouco diferentes do PT, Lula teria alguma chance. Marina e o penetra Moro o desbancariam.

Bolsonaro e Doria, os novatos na análise, não podem ter seus números ainda levados a sério: são ambos indescritivelmente mais desconhecidos do eleitor do que Lula é, e sua margem de erro apenas aponta para cima: quanto mais conhecidos se tornarem, ambos os candidatos (muito mais reais do que Aécio e Alckmin, diga-se) só subirão nas pesquisas, enquanto a tendência de Lula é só esfriar seus números. Que o digam petistas e ex-petistas como Heloísa Helena, Marina Silva, Marta Suplicy, ou como até Paulo Henrique Amorim ou a CUT já começam a tentar apartar sua imagem de Lula.

Os números “com margem de erro”, essa aberração matemática, uma espécie de estatística Caetano Veloso, ou não, só vale mesmo como análise de tendência (novamente, descontando os nove fora dos números do Datafolha). Por exemplo, ver que Alckmin e Aécio são carta fora do baralho, que mesmo o povo humilde prefere Sérgio Moro, que quase nunca aparece em público, a Lula, que Marina de novo começa no auge para só ir para baixo, e que quem está realmente com o favoritismo e o potencial de crescimento são os outsiders e novatos, pois o povo está cansado das raposas velhas. E, pior: que Bolsonaro só é xingado pela mídia quando ela precisa citá-lo, e mesmo assim ele já chega sozinho, com os próprios pés, ao segundo turno. Algo mais precisa ser dito?

É curioso ver o Datafolha testando vários cenários. Apesar de parecerem “pesquisas” com peso científico, na vida real da política, sabe-se que toda informação contém potencial de mudança. Até mesmo os reis do determinismo, os behavioristas radicais, concordam que pesquisas de opinião são feitas para se mudar a visão atual do eleitorado para outra. É como o desejo mimético de que fala René Girard: as pessoas, mesmo com personalidade forte, tendem a desejar o que outros desejam. Não há outdoor da Coca-Cola que se compare a todos ao redor bebendo Coca-Cola para nos dar vontade.

Mas o Datafolha apenas se esqueceu, como todos os institutos de pesquisa até agora, de analisar um dos cenários mais prováveis das eleições de 2018: aquele em que Lula não disputa, pois estará preso em Curitiba após tantos delatores revelarem seus crimes. E aí, como ficará o segundo turno?

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

  • Ilbirs

    Construção de narrativa praticamente em tempo real: eis que ontem a manifestação do Direita São Paulo contra a Lei de Migração foi interrompida por uma bomba e, como pode ver pelo link da Folha que lhe passei, já podemos ver aquele famoso lance de pegar as declarações do entrevistado que ajudam a construir a narrativa de que os culpados eram os manifestantes em vez de quem jogou a bomba. Compare-se isso com a matéria bem mais sóbria do G1.
    Por ora, esses palestinos estão em audiência de custódia na qual disseram ter feito o que fizeram em legítima defesa, o que nos fará perguntar o porquê de terem sido apreendidos com eles objetos como soco-inglês:

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1483121218398605&set=a.343121485731923.79279.100001022244326&type=3&permPage=1

    Vê-se claramente que a ação dos palestinos foi orquestrada, pois logo que chegaram ao 78º DP já havia vários advogados, repórteres e até tradutor de árabe, que logo estavam de plantão para coletar algo. Quem quiser ter uma noção que seja dos bastidores pode ver aqui:

    https://scontent.fcgh11-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/18301134_1682738908422045_2054762739311614396_n.jpg?oh=4ceafb050ad341bc5809257e1fd121dc&oe=597710A6

    Quem tem uns esquerdas de estimação já viu que eles estão chamando o Direita São Paulo de “xenófobos”, “nazistas” e por ora, ao menos comigo, não os vi chamando o movimento de “islamofóbico”. Também já vi a histeria chegar a um grau enorme quando começaram a dizer que o movimento em questão ameaça negros, LGBTs (aqui só para usar o vocabulário que eles usam, ainda mais com a curiosidade de pôr todo mundo no mesmo balaio que serve para utilizar-se de inocentes) e mulheres. A realidade do movimento? Seguem os vídeos da marcha:

    https://www.facebook.com/paulo.eneas.5/videos/10212734481414366/

    https://www.facebook.com/paulo.eneas.5/videos/10212734733740674/

    https://www.facebook.com/direitasaopaulo/videos/1162376260533705/

    https://www.facebook.com/direitasaopaulo/videos/1162345367203461/

    Se alguém me disser em que momento houve agressão a gays, mulheres e negros por parte do Direita São Paulo nos longos minutos de filmagem acima, estarei 99,9….% certo de que a pessoa é esquerdista no nível de doença mental para pôr camisa de força, mesmo que seja só leitor de manchete e otário que cai em guerra de narrativas. Se olharmos para outros vídeos, há inclusive um que mostra em câmera lenta o momento em que a bomba é jogada contra a manifestação:

    https://www.facebook.com/direitasaopaulo/videos/1162667133837951/

    https://www.facebook.com/direitasaopaulo/videos/1162589807179017/

    https://www.facebook.com/direitasaopaulo/videos/1162617150509616/

    https://www.facebook.com/direitasaopaulo/videos/1162501690521162/

    Um motivo para a grita esquerdista? Um dos detidos é Hassan Zarif, brasileiro filho de palestinos dono do Al Jamiah, bar na Bela Vista frequentado por devotos da foice e do martelo. Como a esquerda está dizendo sobre o ocorrido? Esta imagem abaixo já diz muito e mostra o grau de monstruosidade dessas pessoas mesmo quando são histéricas e não psicopatas:

    https://www.facebook.com/direitasaopaulo/photos/a.890969064341094.1073741828.890723367698997/1162537107184287/?type=3

    https://www.facebook.com/photo.php?fbid=1483289655048428&set=a.343121485731923.79279.100001022244326&type=3&permPage=1

    E vamos para o que aconteceu depois:

    https://www.facebook.com/steh.papaiano/videos/1483117475065646/

    https://www.facebook.com/luizphilippebr/videos/813822542111399/

    Como se pode notar, a coisa é extremamente grave, principalmente na parte da mídia distorcendo a verdade para que aqueles que marcham, que inclusive haviam pedido autorização à PM para tal, sejam vistos como os vilões da história, enquanto aqueles que jogaram a bomba sejam vistos como mocinhos.

  • Ilbirs

    Todo castigo para marxista cultural é pouco: agora a ex de Marcelo Freixo o acusa de machismo em denúncia via Instagram, postagem que posteriormente foi apagada, mas que a fonte cujo link passei na frase anterior copiou palavra por palavra. Vi que a notícia também saiu no Jornalivre e por lá pegaram a imagem do textão da referida Priscilla Soares:

    https://blogjornalivre.files.wordpress.com/2017/05/1.jpg
    https://blogjornalivre.files.wordpress.com/2017/05/2.jpg
    https://blogjornalivre.files.wordpress.com/2017/05/3.jpg

    Que também deixo aqui abaixo para facilitar a leitura:

    O medo.
    O medo pode levar à resistência, e muitas vezes à luta.
    Senti-me acuada por um período longo desde o término do meu relacionamento de 2 anos e meio com o deputado @marcelofreixo , passei a ser caluniada,supostamente, por ele e seus companheiros de partido, o clã dos esquerdo-machos. Um perverso paradoxo político, no sentido de que sem feminismo não há “esquerda” e sem “esquerda” não há feminismo.
    Passei anos me dedicando a uma relação de exposição, de julgamentos, e ao fim recebi o título de infiel. Sim, caras amigas, ele determinou como justificativa para o fim do relacionamento traições minhas. Tendo em vista o tamanho da dominação a mim direcionada na hierarquia de um casal hetero, ainda sim, ganhei o carimbo de algoz para que ele fosse a vítima.
    Ademais sua filha e ex esposa articularam a fama de mulher louca e depressiva na região onde moram. Já discurso mais machista que qualificar uma mulher como louca? Era uma Cidade pequena. Onde tudo circula com rapidez. E logo chegaram aos ouvidos de amigos dos meus pais.
    @isadorafreixo
    Não houve qualquer cuidado em relação a minha vida, a nossa história, ou ao que por dois anos e meio e duas campanhas me dediquei.

    Precisava dizer tudo isso, pois o silêncio pode ser opressor. É violento.
    Tenho me afastado desse cenário de falsas relações e afetos desde então, mas continuo sendo associada ao então deputado Freixo. Sou “A ex mulher” entre tantas.
    Nunca fui mulher de ninguém, nem carne de açougue para ter moscas rondando (como ele gostava de falar em tom jocoso), eu sempre fui Priscilla.
    Estudante de doutorado, cirurgiã-dentista, militante de muitas bandeiras desde muito jovem. De esquerda. De escola pública. De universidades públicas. Atuando em serviço público.
    A minha história é de luta todos os dias no cotidiano de trabalho. Seja num plantão na upa ou atendimento na favela.

    Aos jovens que ficam sob a lente de outros, busquem vcs mesmos como nossa sociedade se organiza, como é atroz em seu nível de desigualdade e miséria estrutural. Não sejam massa de manobra.
    Amanhã é dia de rua. Por todos nós brasileiros e brasileiras.

    E a nós, mulheres, sororidade. Luta. Resistência. Denúncia. Vida.

    Bom, o que tenho a dizer disso? Provavelmente não teremos carinhas enfezadas para fazer pura pose diante de uma câmera:

    http://i-exc.ccm2.net/iex/1280/1696237686/1367664.png

    http://zh.rbsdirect.com.br/imagesrc/23184286.jpg?w=1200&h=630&a=c

    Também não acho que ele vá ser CRI-MI-NA-LI-ZA-DO por algo que possa ser entendido de uma determinada forma. Afinal, como anteriormente dito, ele não parece ser alguém avesso a se expor fora do trabalho e que no máximo cultiva orquídeas em casa:

    https://pbs.twimg.com/media/C8SAaQ3WsAAx-bB.jpg

    Por ora, o que estou vendo no texto da ex do homem cuja voz é a do Emerson Catatau apenas algumas oitavas abaixo é uma série de chavões feministas encadeados continuamente, o que gera desconfiança. Há o risco de isso tudo ser mais uma daquelas manobras diversionistas que a esquerda faz só para que não olhemos o STF liberando o Dirceu? Há, mas não posso deixar de fazer alguns comentários em relação ao conteúdo:

    1) O cacoete esquerdista realmente é forte. Se ela foi “caluniada, supostamente, por ele e seus companheiros de partido, o clã dos esquerdo-machos” (sic), iremos perguntar se ela foi ou não caluniada, pois aqui cai-se em algo como “suposto bandido portando suposta arma de fogo supostamente pratica suposto assalto em suposto banco”. A “supostomania” tornou-se um modo que torna um esquerdista “supostamente” fácil de identificar;

    2) Depois da “supostomania”, uma verdade: sem feminismo não há “esquerda” e sem “esquerda” não há feminismo (sic). Apenas tiraria as aspas do termo “esquerda” e deixaria aqui claro que a esquerda a que ela se refere é a de tipo marxista cultural, que usa o feminismo como ferramenta de combate à sociedade ocidental e logo o descarta quando sua função de provocar caos já não é mais necessária.
    Na Venezuela, primeiro caso importante de ditadura derivada de regime gramscista prévio que foi corroendo a sociedade, as feministas sumiram e quem manda por lá são Maduro, Cabello e uma série de outros homens poderosos que notaram ser o feminismo só mesmo útil em um primeiro momento. Portanto, sem feminismo não há esquerda porque este é ferramenta importante para a conquista do poder quando lideranças esquerdistas, em imensa maioria homens, assim como sem esquerda não há feminismo, quando esta precisa ganhar poder. Depois disso, no máximo o que se faz com as feministas para que estas não se voltem contra o poder é fazê-las ganhar biscoitinho de esquerdomacho;

    3) Ela diz que foi carimbada como infiel e que Freixo ter-lhe-ia dito que o fim do relacionamento deveu-se a traições dela. Que se comprove ou não isso, mas meu destaque aqui está na parte de que a filha e a ex-esposa de Freixo teriam articulado para que ela ficasse com fama de louca e depressiva em uma cidade pequena e que isso seria atitude machista da parte delas. E aqui é o pulo do gato para que vejamos que de fato “machismo” e “machista” são palavras vazias a que se atribui qualquer significado, pois foram inventadas precisamente para amedrontar quem for contra a esquerda. Freixo com certeza não tem medo algum de ser tachado de “machista” ou, mais especificamente, de “esquerdomacho”, uma vez que figura proeminente no puxadinho do PT;

    4) Vamos ter aqui a racionalização de “nunca fui mulher de ninguém”, ainda que use a verdade de ser doutoranda de odontologia e ser Priscilla desde sempre, mas aqui ela custa a reconhecer que Freixo tem mais poder do que ela, por mais que vá ficar soltando o chavão de “empoderada”. Querendo ou não, ela sabia que iria viver à sombra do ex famoso. A maioria dos cônjuges não famosos de gente famosa não se importa com sua obscuridade. Pode ser que ela esteja querendo se promover para conseguir algum cargo de maior projeção;

    5) Por fim, o “e a nós, mulheres, sororidade. Luta. Resistência. Denúncia. Vida” fica soando como o maior “apito de cachorro” da coisa toda, ainda que aqui sem o contexto de hashtags. Aliás, pode ser que a nota apagada tenha sido algum daqueles lances em que a esquerda queira jogar sua sujeira para debaixo do tapete em vez de nela se limpar como faria em outras ocasiões, uma vez que se está acusando alguém que ainda tem alguma chance de despontar como figura maior e as denúncias de esquerdistas contra esquerdistas costumarem pipocar mais quando o denunciado está em espiral descendente ou morto. Pode ser que forças maiores pessolistas tenham falado para ela apagar o tal texto, pois Freixo, se não está ascendente, ao menos está em um patamar elevado.
    Aqui temos sempre de lembrar que liderança esquerdista e quem orbita mais próximo delas não pode se dar ao

    Claro que isso pode ser mais um daqueles textões que na realidade descobre-se que “do outro lado da moeda ela que é o inquérito” (Racionais) e não descarto a possibilidade. Se assim o for, pode ser que o Marcelo em questão tenha a sorte que Zé Mayer não teve, que é a de ser visto como alguém descolado por gente que é agente ativa do lado cultural do marxismo justamente naquele tipo de comportamento que eles querem ver imposto na sociedade. E pode aí haver o que vimos acontecer com o ator acusado pela maquiadora que resolveu não prestar queixa após certas informações terem surgido. Porém, Zé Mayer é carta que pode ser descartada do baralho por não estar inserido em esfera estatal, uma vez que esta é o ponto de suma importância para a esquerda, uma vez que a principal fonte de poder. Ainda assim, já circula meme comparando o ator com o político:

    https://scontent.fcgh11-1.fna.fbcdn.net/v/t1.0-9/18274839_737735183063189_876104865361198507_n.jpg?oh=a2857cbc0a8b67f3357c9dce911c0ccb&oe=598A820D

    PS ao Flavio Morgenstern e a quem cuida do Senso Incomum: mudem aqui no Disqus a cor com que aparecem os hyperlinks nos comentários. Eles estão aparecendo na mesma cor preta do texto corrido e dificultando que as pessoas saibam se o comentário de fato os tem. Adotem alguma cor contrastante que seja, podendo ser o mesmo vermelho que vemos nos hyperlinks do texto dos artigos.

  • Alexandre

    “sempre votei por convicção mesmo quando errei”

    Como se vota certo?

  • Ilbirs

    Apesar de a pesquisa ter muita cara de ter sido datafolhada, Nando Moura acredita que há sim significativa quantidade de brasileiros que geraria volume de votos (e aqui descontando Smartmatic e apuração secreta) para que o eneadátilo tenha chances de ir para o segundo turno de 2018:

Sem mais artigos