A CNN é fonte número 1 de quase toda a grande mídia brasileira sobre a América. Mas foi flagrada admitindo que mente para espectadores burros.

A CNN, de quem a Rede Globo tenta ser uma descarada cópia em seu jornalismo, entrou nesta semana naquilo que já é considerado a maior crise de sua história. O único a comentar seu desandar foi Rodrigo Constantino, na Gazeta do Povo. Fora isso, não há menção sobre um dos maiores escândalos da história da imprensa americana no Brasil, e bem quando jornais de todo o mundo discutem metalingüisticamente sobre fake news.

Na verdade, a CNN foi uma das grandes protagonistas na polêmica que fez o termo fake news se tornar famoso: a uma semana das eleições, suas projeções aumentaram as chances de vitória de Hillary Clinton de 78% para 91% (sic).

Sem ter como se justificar a seu público por um erro tão catastroficamente divorciado da realidade, a rede, junto a veículos como o New York Times (85% de chance para Hillary) e Huffington Post (98,2% de chance para Hillary), entre tantos outros clarividentes de botequim, atribuíram o descalabro de suas pesquisas a uma rede de “notícias falsas” (fake news) que teria modificado tão drasticamente o desejo do eleitorado americano que ninguém foi capaz de prever (Filipe Martins, deste Senso Incomum, previu a vitória de Trump acertando 48 estados).

Nesta manobra, os nomes da chamada mainstream media (MSM), como CNN, New York Times et caterva, seriam os propagadores de notícias “reais”, de puro jornalismo. Qualquer pequeno site, como este Senso Incomum, que acerte mais do que eles, seria fake news, exigindo que os grandes conglomerados de mídia, aliados aos donos de redes sociais como Facebook e Twitter, determinassem quais notícias devem ser acreditadas e quais não.

No Brasil, o papel de censura ficou a cargo da Agência Pública, de nomes de extremissíssima-esquerda como Leonardo Sakamoto, Eliane Brum e o ex-assessor de Lula Ricardo Kotscho. A Agência recebe dinheiro de George Soros, através de sua ONG de governança global Open Society.

Não fui eu, foram hackers russos

Como já é famoso, Donald Trump, desde sua primeira coletiva, inverteu o termo que, sem sua ironia, seria usado tão somente contra pequenos sites: chamou um jornalista da própria CNN de fake news, negando-se a continuar a responder uma série de perguntas suas já respondidas sobre a Rússia. Foi o famoso caso You are fake news, que teve como resposta da MSM, inclusive no Brasil, via Rede Globo, noticiar o “destempero” de Trump e sua “quebra de decoro”.

Hoje, ao se falar em fake news na América, é mais comum que o americano pense na própria CNN do que nos seus pequenos concorrentes, que foram assim por ela própria alcunhados.

O noticiário da CNN de manhã até de noite, pós-novembro, se resume a desculpas para a eleição de Donald Trump. Seu noticiário se foca pesadamente na repetição ad nauseam de uma narrativa pré-fabricada: a de que hackers russos teriam manipulado o resultado das eleições a favor de Donald Trump. Qualquer encontro de assessores de Trump com autoridades russas (inclusive embaixadores) é tratada como “prova” e noticiada repetidamente por dias para dar a entender que Donald Trump é presidente graças aos russos.

O próprio ex-presidente Barack Obama deu azo a tal visão, ao sair de seu mandato pedindo uma investigação sobre hackers russos manipulando as eleições. Uma investigação de tal porte é difícil de ser explicada ao Brasil, tão mal acostumado a descalabros políticos: para a América, desvio de atenção e gasto de dinheiro público com algo sem fundamento é algo fortemente criticado, sendo a América um país minimamente funcional.

James Comey, o ex-diretor do FBI demitido por Trump, estava encarregado de tais investigações – tal como estava investigando na mesma toada o escândalo dos e-mails de Hillary Clinton. Sua demissão foi tratada como motivo para mais uma investigação, dessa vez por obstrução de Justiça por parte de Donald Trump. No Brasil, onde a Globo News simplesmente seguiu pari passu a narrativa da CNN, acreditava-se piamente que Trump sofreria impeachment no começo de junho.

Quando foi depor ao Congresso, ao ser perguntado se Donald Trump havia lhe pedido para interromper as investigações, James Comey soltou um fortíssimo “Não”. Repetidas vezes. Tudo o que pôde dizer é que, em determinado momento, Trump lhe pediu “lealdade” e, por isso, concluiu de estro próprio que o presidente eleito estava lhe pedindo encobrimento de provas (sic).

James Comey saiu do Congresso em quase total descrédito com a opinião pública americana, inclusive com a esquerda, que o considerou um “traidor” que jogou fora a “chance” de atrapalhar Trump. Já no Brasil, o G1 assim noticiou o testemunho: Comey diz que foi alvo de mentiras e difamação do governo Trump. Nenhuma palavra sobre suas negativas. Assim, se crê até que as carantonhas que recebeu por seu circo em interesse próprio é que são o verdadeiro problema.

A historieta sobre hackers russos diminuiu a partir de então, mesmo nos jornais de esquerda. Não na CNN.

Há algo de podre no reino do jornalismo

Engatando a sexta marcha de uma linha editorial cada vez mais extremista na esquerda, a CNN testou os limites da lógica, da paciência, do bom gosto e do senso do ridículo com rapidez impressionante. Com russos ou sem.

Kathy Griffin cabeça decepada Donald TrumpA “comediante” e há anos âncora da CNN Kathy Griffin rodou o mundo não por seu talento relativo, mas por aparecer em uma “performance” com uma imitação da cabeça de Donald Trump decapitada, imitando o Estado Islâmico, nos últimos dias de maio. Após ser demitida da emissora e fazer um insosso pedido de desculpas, dizendo que “foi longe demais”, passou a acusar toda a família Trump de “persegui-la” e “destruir sua carreira” (sic), proclamando-se a vítima da história.

A emissora já não estava batendo bem e, naturalmente, cabeças rolaram. Mas não a que Kathy Griffin gostaria. A CNN cavou ainda mais fundo o poço da indecência.

O âncora muçulmano Reza Aslan, do programa Believer, que defende o islamismo em tempos de globalização, chamou Donald Trump de “piece of shit” e de “man baby”, além de “uma vergonha para a humanidade”, após a resposta do presidente ao atentado terrorista islâmico na London Bridge, em 3 de junho. Este é um homem que tenta explicar ao Ocidente que o islamismo é a religião da paz.

Seis dias depois, Reza Aslan foi demitido da CNN por seus comentários, e porque, muito muçulmanamente, emergiram tweets seus sugerindo o estupro de uma empregada do governo (sic), que Aslan tentou desmentir.

Não é preciso perguntar qual a emissora americana que acusa todo o outro lado do espectro político de “discurso de ódio”.

Vale lembrar agora do editor sênior da CNN na Casa Branca Jim Acosta, meses antes. Ao comentar os tweets de Trump (outro assunto premente para a emissora) chamando a CNN de fake news, Acosta declarou que as palavras do presidente “não são apropriadas”. Em resposta, Trump chamou a CNN de very fake news em uma entrevista. Até Donald Trump Jr., filho mais velho do presidente, usou uma camiseta com o novo mote. O apelido para a CNN pegou imediatamente.

A resposta de Jim Acosta pareceu um “bobo é você”: disse: “Nós somos as notícias verdadeiras, sr. presidente”.

Este tweet não envelheceu muito bem, como a CNN acabou por revelar nesta semana.

A crise de fake news da CNN

No dia 22 de junho, um repórter investigativo da CNN, Thomas Frank, seguiu o modelo de notícias da emissora: “vazamento” de “fontes anônimas” que conhecem “contatos” que nunca são revelados para, no fim, acusar Trump de alguma coisa envolvendo russos.

CNN is very fake newsNo caso de Thomas Frank, com 30 anos de casa no USA Today e no Newsday, seu artigo acusava ligações de Trump com fundos de investimentos russos, citando… uma única fonte anônima. Nem mesmo se preocuparam com uma triangulação forçada. O artigo citava a fonte para dizer que o Congresso investigaria ligações de um fundo de investimento russo “com ligações com o escalão de Trump”. No caso, o investidor aliado de Trump, Anthony Scaramucci, da SkyBridge Capital, que respondeu à altura, provando a farsa da CNN.

A CNN admitiu o erro, apagou o seu artigo, demitiu Frank, o editor Eric Lichtblau, ganhador do Prêmio Pulitzer por jornalismo investigativo em 2006, e o chefe da unidade, Lex Harris. Sua alegação é de que o artigo “não seguiu os princípios editoriais da CNN”.

O próprio Donald Trump, assistindo tudo de camarote, não deixou barato:

A situação da CNN ficou em uma sinuca de bico um pouco difícil de ser entendida pelos padrões brasileiros: a emissora cambaleia da segunda para o risco de terceira maior audiência, mas não é assistida de fato como a Globo no Brasil: é a emissora de TV que está em silêncio em qualquer sala de espera no país, mas tão levada a sério quanto alguém que só assiste a Globo no Brasil. Com a diferença de não ser realmente assistida.

A bomba atômica de efeito moral na história da Rússia veio no dia 26 de junho.

O Project Veritas, de James O’Keefe, é uma organização com jornalistas investigativos que investigam corrupção nos setores público e privado. É uma das maiores fontes para se descobrir mentiras e manipulações políticas na América.

Naquela segunda-feira, o Project Veritas soltou um vídeo do que um repórter investigativo filmou nas internas da CNN. No que já é chamado de American Pravda, John Bonifield, produtor sênior da CNN Health, é flagrado admitindo o que o americano médio sempre intuiu: a obsessão da CNN repetindo histórias sobre a Rússia são na maior parte dos casos besteira (ou, bem mais pesado, bullshit).

De acordo com John Bonifield, a CNN realmente “não têm nenhuma grande prova” de qualquer ligação de Donald Trump com os russos. E apenas fica repetindo a mesma narrativa porque dá audiência (sic). O público gosta da historieta, então a CNN fica repetindo. Não por compromisso com a verdade, como supõe Jim “Nós somos notícias reais” Acosta, mas apostando justamente que seus telespectadores são burros (como, por exemplo, 98% dos jornalistas brasileiros que cobrem a América). Por isso, cada vez que conseguem um vazamento, publicam novamente forçando a narrativa.

O vídeo já foi visto por mais de 2 milhões e meio de pessoas.

John Bonifield ainda conclui que o presidente Trump está certo em chamar a cobertura da CNN de “caça às bruxas”, e que não há nenhuma prova contra ele. Acabou como mais um para o vasto rol de demissões da empresa apenas em junho.

Para uma noção numérica, James O’Keefe mostrou que a CNN citou a Rússia desde a posse de Donald Trump cerca de 16 mil vezes (sic). Assuntos como a reforma de impostos que afetará todos os americanos, mereceram um quinto da atenção dada à narrativa falsa que “justifica”, para eleitores do Partido Democrata, o fracasso de Hillary Clinton nas urnas.

O apelido #AmericanPravda rapidamente pegou.

A reputação da CNN, que já amargurava um total descrédito na opinião pública americana, foi jogada na lama de vez. Misteriosamente, sem nenhuma nova notícia no front, de repente a cobertura da CNN sobre a Rússia minguasse pela tangente. Ao tentar ainda reportar algo sobre a Rússia logo a seguir, a chuva de risadas e comentários chamando a rede de “fake news” ultrapassa as raias do ridículo.

https://twitter.com/ZeroPointNow/status/879900932074373124

Em pouco tempo, veio também o ongueiro de “justiça social” Van Jones, que apresenta um programa de título curioso: The Messy Truth (algo como “a verdade bagunçada”), que veio a calhar, ao também ser flagrado dizendo que os dossiês sobre a Rússia são um “hambúrguer de nada”.

Logo foi a vez do produtor Jimmy Carr, falando do eleitorado americano para o qual dirige suas notícias, soltar em alto e bom som que eles são “burros pra caralho”.

Caso o Brasil possuísse um diálogo freqüente com a mídia alternativa americana, seria possível iniciar um grupo de pressão para que os grandes conglomerados da grande e velha mídia brasileira, todos nas mãos de uma meia dúzia de famílias, parassem de usar a CNN como fonte absoluta, e mesmo única, de tudo o que sai na América. Como se a população americana, que a conhece de perto, conseguisse levá-la a sério.

Uma rede considerada extremamente mais objetiva (inclusive mais moderada), como a Fox News, é tratada no Brasil como um hospício de brucutus fanáticos e mentirosos, tendo uma posição muito mais voltada para o debate com o lado oposto. Justamente a CNN, capaz de tais seguidas falcatruas, é vista como jornalismo sério e sensato.

Aquele mesmo que critica quem se informa tão somente pela Rede Globo no Brasil, notando o dano intelectual que tal comportamento gera, é o primeiro no Brasil a adorar citar a CNN como fonte para falar mal de Donald Trump e do Partido Republicano. Ainda que, por sinal, tenham mais audiência e crédito entre os americanos (incluindo a Fox News, campeã de audiência).

Fontes muito mais seguras são consideradas “falsas”, “obscuras” e “extremistas”. Tão somente porque a própria CNN se auto-declara “jornalismo sério”. Como se não tivesse uma posição e uma agenda. Dá para ver qual o critério ético para a escolha de pautas da CNN: aquilo que os seus telespectadores, “burros que só”, abusando-se do eufemismo, acreditam, e dê mais dinheiro, mesmo que seja tudo mentira.

Como ironia suprema da vida, a CNN, ajudou a cunhar o termo fake news para denegrir sites que, ao contrário dela própria, assumem sua posição, sem sacanear o leitor. Seu principal alvo era o site Breitbart.com, capitaneado por Steve Bannon, que se tornou estrategista-chefe da Casa Branca no governo Trump.

Justamente o próprio Breitbart foi quem ajudou a orquestrar a reportagem investigativa que mostrou a falsidade da CNN.

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

  • Marcelo Paz

    infowars

  • Phillip Garrard

    Finalmente decobriram a roda! CNN sempre foi um antro do lixo dos USA. Ninguem e quero dizer ninguem mesmo, da CNN merece o menor respeito. A CNN e a Globo tem o mesmo “perfil moral”.

  • augusto

    ja da pra editar a materia e por junto o escandalo do Blackmail! #fakenews #cnn #globo #soros #nwo

  • André Casteliano

    Aguardando ansiosamente o follow-up deste artigo no sensoincomum com as últimas novidades sobre o #AmericanPravda e o #CNNBlackmail que estão nos trends já a 2 dias

  • Julio Cesar

    Irmão, posso até estar sendo ingenuo, mas eu acredito sim que o Bolsonaro seria capaz de tomar as iniciativas que o Trump tomou. Romper com acordos ambientalistas, romper com governos de ideologias ditatoriais comunistas, como o Trump fez com Cuba, rever a questão das fronteiras e imigração e sobretudo, coisa que o Trump ainda não fez, tentar modificar um pouco o quadro da educação no país, desinfectando o MEC da ideologia Socialista. Eu sei que tudo isso depende de aprovação das duas casas legislativas. Mas acho que vale a pena tentar. Água mole em pedra dura . . .
    Um exemplo disso é o tal projeto “Escola sem Partido” que para muitos era uma questão leviana de mais para ser levantada na Câmara, e agora veja a proporção que atingiu.
    Pra elaborar projeto ele terá apoio, assessoria para isso não lhe falta.
    O próprio professor Olavo já disse em um hangout que poderia sim auxilia-lo (se a sua ajuda for solicitada), com quanto que não fosse em um cargo público.
    Temer não está propondo essas reformas trabalhistas e previdenciárias da cabeça dele somente.

    A questão é que eu olho para o Dória e vejo um FHC mais novo, mais ousado, com um marketing mais moderno e próprio para o seu tempo, porém não menos progressista e socialista fabiano. E para minha pessoa, esse tipo de presidente não me serve.

    • Rodrigo

      Com certeza vale a pena. Olavo poderia ser um conselheiro como o Delfim foi pra Dilma. Mas ainda é muito pouco. Bolsonaro tem que trazer pra si as bancadas do boi, da bala e da bíblia, compor uma maioria (pelo menos maioria simples) no Senado e tentar estreitar laços com o Instituto Mises e o Instituto Liberal. O Bernardo participou da campanha do Flávio à prefeitura do Rio ano passado.
      A situação não é desesperadora se ele estiver aberto a ouvir as pessoas e usar essas coisas de grafeno e nióbio somente como chamariz de nacionalista. Se ele se fechar e não souber formar um governo liberal, será a destruição de qualquer chance da direita política pelas próximas décadas.

  • Fabio R Moreira

    Mesmo assim, tem gente que diz que a Globo News só tem notícia de qualidade. Hahahahahaha!

  • Fabio R Moreira

    Rodrigo, você está coberto de razão. Gosto do Bolsonaro pela sua ousada sinceridade, porém, e não desmerecendo suas virtudes, o Brasil está longe de ter um Donald Trump.

  • Ilbirs

    Segue vídeo legendado de comentário de Paul Joseph Watson sobre o fricote com meme que o pessoal da CNN e outros da mídia fizeram:

  • biancavani

    Mesmo O Antagonista, que é um site de que gosto e faz um bom trabalho denunciando as porquices de nossos três poderes, não disse sequer uma palavra a respeito disso. E seria bem relevante e adequado que o fizesse, uma vez que postou inúmeras notícias a respeito da ligação de Trump com a Rússia (notícias fakes cuja fonte provavelmente foi a CNN).

  • Godofredo Guilherme de Leibniz

    E o “zelo psicótico”[http://www.olavodecarvalho.org/zelo-psicotico/] da Globo em apoiar (SEMPRE) a narrativa do Partido Democrata? Por dinheiro ou amor ideológico à mentira?

  • Camila Oliveira

    Ainda nem terminei de ler, mas já vim dizer o quanto apreciei a inserção do vídeo do Andrew Klavan. Definitivamente um podcast que vale a pena ser ouvido. Recomendo demais. A propósito, fica a sugestão para um post sobre podcasts conservadores.

  • João Marcos

    Eu quero um Projeto Veritas no Brasil.

    PS: os caras da CNN não aprendem que tudo que o Trump faz dá IBOPE. Deveriam fazer com ele o que fizemos com o Olavo: “dele não se fala”.

  • Julio Cesar

    Bolsonaro é indiscutivelmente o Trump brasileiro.
    A cada dia basta o seu questionamento, e para as perguntas de hoje: Jair Messias Bolsonaro.
    Nao existe chance para o Brasil fora dos ideais conservadores.

  • Marcelo Paz

    Alguém tem que indicar esse artigo para Guga Chacra e demais participantes da Globo News.

    • Raphael Moura Freitas

      Kkkkkkk eu ri aquele dia em que o Trump ganhou a eleição! O Guguinha parecia um menininho assustado!

    • Renato Lorenzoni Perim

      Tá louco? O Guga Choca (sic) ia ter um ataque só de ler o título. Ia dizer que estava em curso a terceira guerra mundial, liderada pelo “louco” Donald Trump. Se precisar de uma merda, esse guga não serve. Nem pra isso.

Sem mais artigos