Há um acordo tácito de que ninguém deve chamar o PT de socialista em público. Em privado, é apenas assim que o partido se auto-define.

No 3.º Congresso do PT em São Paulo, em 2007, o Partido dos Trabalhadores lançou suas resoluções para os anos vindouros, que vivemos sob a égide do partido: criar o “socialismo petista”, uma versão via eleitoral da lenta estatização da propriedade privada no Brasil. Tais Resoluções foram postas em prática e o PT, apeado do poder, sente uma necessidade: voltar para as bases e a militância mais histericamente aguerrida que lhe dá suporte, inclusive em confrontos físicos e crimes e destruição menos “colarinho branco”.

PUBLICIDADE

O vídeo do Congresso do PT foi retirado do ar naqueles primórdios de Youtube e redes sociais “compartilhadoras”, quando o PT ainda não fazia idéia de que um documento interno seria viralizado para aqueles que não deveriam dele ficar sabendo.

Lula mesmo, antes de passar por um banho de loja por Duda Mendonça, debatia com Collor em 1989 propondo um “socialismo democrático”, em cadeia nacional, no debate eleitoral.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

No domingo de 16 de julho, Gleisi Hoffmann, atual presidente do PT, discursou no 23.º Encomtro do Foro de São Paulo, agremiação de partidos políticos socialistas da América Latina, realizado neste ano na Nicarágua. Também chamada de “Narizinho” e possível “Amante” na lista da Odebrecht, Gleisi Hoffmann não apenas reiterou a idéia de um “socialismo petista”, adjetivo que servia para tentar dar uma amenizada no substantivo tão assustador: partiu para a defesa desabrida do socialismo.

PUBLICIDADE

Gleisi Hoffmann manifestou o apoio petista ao ditador da Venezuela, Nicolás Maduro e, claro, ao regime totalitário cubano, sem uma eleição há mais de meio século, com perseguições políticas, fome e paredón que já matou provavelmente mais de 100 mil pessoas. Sobre Che Guevara, o assassino homofóbico que proibiu cabelos compridos e chegou a matar “contra-revolucionários” por quererem um pedaço de pão a mais, disse que é um “guerrilheiro heróico” que sofreu “queda em combate”. Além de defender, sem pestanejar, a Revolução Russa, o “socialismo raiz”, de Lenin, Stalin, Kruschev, Andropov e companhia, que deixou 30 milhões de mortos ao mundo:

Aproveitamos para manifestar nosso irrestrito apoio e solidariedade aos companheiros do Partido Comunista Cubano e ao povo de Cuba diante do retrocesso imposto pela nova administração do governo estadunidense em relação aos acordos alcançados com a administração Obama e a manutenção do criminoso bloqueio econômico.

Este ano comemoramos o centenário da Revolução Russa de 1917 e também o cinquencentenário da queda em combate e o assassinato posterior do guerrilheiro heróico, o comandante Ernesto Che Guevara, a quem recordamos para que tenhamos sempre presente a necessidade da transformação social de nossos países.

Gleisi também saudou as vitórias eleitorais com urnas eletrônicas dos bolivarianos Daniel Ortega, na própria Nicarágua, e de Lenin Moreno, no Equador.

Sobre a Venezuela, a pedra de toque dos socialistas modernos, Gleisi Hoffmann ainda declarou:

“O PT manifesta seu apoio e solidariedade ao governo do PSUV, seus aliados e ao presidente Nicolás Maduro frente à violenta ofensiva da direita contra o governo da Venezuela e condenamos o recente ataque terrorista contra a Corte Suprema. Temos a expectativa que a Assembleia Constituinte possa contribuir para uma consolidação cada vez maior da revolução bolivariana e que as divergências políticas se resolvam de forma pacífica.”

O Foro de São Paulo foi fundado por parceiros como José Dirceu, Lula e Fidel Castro, como o maior think tank do mundo após a crise do socialismo com a queda do Muro de Berlim. Reuniu partidos políticos socialistas de diversos matizes com um único objetivo: a construção da chamada “Pátria Grande”, uma América Latina inteira socialista, com submissão ao governo central em Cuba, nas mãos da família Castro.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

José Dirceu já admitiu “ter sido” agente do serviço secreto cubano, como se alguém pudesse deixar de ser “ex-agente” de tal grau de inteligência (a única forma de dar baixa é via cemitério). Era o braço direito de Lula, e acabaria sendo o seu sucessor natural, não tivesse caído no escândalo do mensalão.

Mesmo assim, parece a norma obrigatória em toda a imprensa, Academia, redes, mídia e análises políticas tratar o PT como um partido de esquerda mais light, que rejeita o socialismo. Como se até, talvez, seu objetivo fosse o capitalismo, ainda que mais “social”, o que petista nenhum no Universo declararia como seu objetivo de vida, pelo qual mataria e morreria.

Apesar de petistas declararem, fosse em 1990, seja em 2017, que o partido é socialista, que quer um socialismo próprio, se aliar a ditadores totalitários brutais do jaez de Fidel Castro e Nicolás Maduro, há um acordo tácito no país inteiro para dizer que o PT não é exatamente socialista. É apenas “de esquerda”, de maneira genérica, como se isso fosse suficiente para definir qual o plano, objetivo e modelo político de alguém. Sempre o genérico da abstração, nunca a especificidade da realidade concreta.

O PT é aliado de Nicolás Maduro, de Fidel Castro, de Evo Morales. No eixo internacional, a política sul-sul do PT tinha como aliados ditadores brutais como Mahmoud Ahmadinejad, o socialista do Zimbábue Robert Mugabe (que expulsou à bala todos os brancos das fazendas numa reforma agrária que deixou a população comendo terra), de Muammar Kadafi (que Lula chamou de “meu amigo, meu irmão, meu líder” [sic]), além de dar uma embaixada para o Hamas com túnel expresso para o Congresso em Brasília e, por que não, uma embaixada brasileira na Coréia do Norte.

Não há nada no PT que indique o partido como não-socialista. Seu objetivo em Congressos internos foi a América Latina socialista, a submissão ao socialismo castrista Cuba, o apoio ao totalitarismo bolivariano da Venezuela de Chávez e Maduro.

Lula põe a mão no sacoNão é preciso encontrar os petistas mais aguerridos, os esquisitões que sentam no canto, não falam nada na reunião e depois escrevem cadernos internos de textos revoltados. Basta ver Gleisi Hoffmann, a presidente do partido, discursando. Ou José Dirceu, que quase foi presidente do Brasil. Ou, bem, qualquer petista, se não estiver dudamendonçado e preparado para a propaganda eleitoral para ganhar votos do povão.

Mas falar a verdade, descrever o que se vê, sem emitir opinião nenhuma no processo, é considerado extremismo hoje. Basta dizer que o petista disse o que acabou de dizer para ser rotulado de maluco, de extrema-direita, de exagerado.

É a confusão lingüística planejada, o tapume que se coloca sobre o real que nos impede de dizer que o vermelho é vermelho. Um homem pode se auto-declarar mulher para freqüentar o banheiro feminino, mas mesmo que o PT se auto-declare socialista, como a palavra pega mal entre pessoas normais, uma matilha de jornalistas puxa-sacos, uma farândola de professores abusando de sua autoridade artificial, uma camorra de intelectuais de 140 caracteres vai jurar que somos exagerados, paranóicos, malucos, psicóticos, extremistas. Tão somente por dizer que o PT disse o que ele disse, em auto-declaração clara.

Dizer que o PT é um partido socialista não é opinião, é fato. É conhecer o PT. Por que não podemos dizer que o PT é exatamente o que o PT diz ser?

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

Faça sua inscrição para o 2.º Congresso Virtual do Brasil Paralelo e, de quebra, ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link.

  • lucas almeida

    23.º Emcomtro do Foro de São Paulo… Acredito que possa ter havido um erro de digitação…

  • Eduardo Sá Carneiro

    Se você radicalizar, entra no jogo do mal e fica burro. É como uma areia movediça, como querer usar o “Um Anel” apenas contra o exército de orcs, esquecendo de quem é o mestre de ambos. Manter a cabeça no lugar certo é a única forma de sair intacto e vencer o real inimigo que é a mentalidade revolucionária, que não tem lado preferido.

    • Carlos Caramujo

      Argumentos bons, mas eu sou da ala daqueles que crêem que “o objetivo final é fabricar um monte de escravos sob uma égide governamental”.

  • Carlos Castro

    É como chamar sodomia de sodomia democrática ou sodomia latina ou sodomia petista… é tudo a velha e boa sodomia!

  • Leonardo, eu sempre gosto de termos os mais corretos possíveis. Tenho explicado bastante a idéia do socialismo não-revolucionário, aquele que ganha por eleições (“socialismo democrático”) justamente para não tratarmos, digamos, PT e Pol-Pot pelos mesmos termos. Apesar de o PT ter sua ala trotskysta ortodoxa das antigas, o molde do partido é gramscista (mais do que globalista, por exemplo). O partido mais gramscista do mundo, diga-se. Por isso, prefiro o termo “socialista”.

  • Fred Oliveira

    Dizer que o PT não é socialista é como um amigo dizer que costuma sair com homens, faz boquete, faz sexo anal com outros homens, depois diz para você que é hétero.

  • WillMDias

    De praste.
    Ótimo texto.

    Eles estão sempre pagando de moderados defensores de quem não quer ser defendido.

    São ricos economicamente, mas pobre de “espírito”, são democráticos, defensores do social e do bem estar da população.
    São tão bons, que é impossível não concordar e admirar a postura deles.

    Viva!

  • Aécio Lima

    Eu afirmei para uns colegas de trabalho que o PT é socialista e ouvi: claro que não, é Social-Democrata. E mesmo depois de explicar o porquê, a resposta que obtive foi “não acho que seja socialista”.

    • TheDigosin .

      kkkkkkkkkkkkkk… É como tentar ensinar álgebra pra chimpanzés.

      • Fred Oliveira

        Dizer que o PT não é socialista é como um amigo dizer que costuma sair com homens, faz boquete, faz sexo anal com outros homens, depois diz para você que é hétero.

        • Ilbirs

          Vamos dizer que aqui fica uma analogia com “trans-homem gay” e se você vir naquela postagem notará que inclusive há um comentador que não se diz nem de esquerda nem de direita, mas que reproduz ipsis literis o que disse Judith Butler sem que jamais a tenha lido, demonstrando aí que a história de gênero já se multiplica bem entre a população como um cacoete do qual a maior parte dos que o recebe não sabe de onde veio e acha que chegou a tal conclusão por si próprio e que estaria fazendo isso pelo bem das pessoas, configurando aí inocente útil.

        • Pobretano

          O famoso “só na broderagem”!

Sem mais artigos