O socialismo na Venezuela gera fome e morticínio. O PSOL apóia Nicolás Maduro transformando o pais numa favela. Mas Jean Wyllys tem razão.

Jean Wyllys afirmou, contrariando a resolução do PSOL, que a esquerda não deve apoiar Maduro, pois o regime vigente na Venezuela é uma ditadura e não há simpatia ideológica que justifique a defesa de uma ditadura.

Tomando por base a premissa – muito correta, por sinal – de que nada justifica a defesa de uma ditadura, podemos dizer que a esquerda também não deveria apoiar Fidel e Raul Castro, Stalin, Lênin, Pol Pot, Ho Chi Minh, Mao, a dinastia Kim e todo horror imposto a países como Etiópia, Angola, Moçambique, Afeganistão, Polônia, Ucrânia, Alemanha, Espanha, Laos, Bulgária, etc.

Wyllys cita ainda o fato do regime venezuelano ser ineficaz e corrupto e que “levou o país ao caos econômico, o desabastecimento, a falta de comida e remédios e taxas de inflação e violência inéditas no continente” (sic).

Outra verdade. Cabe perguntarmos por que o regime levou o país ao caos, ao desabastecimento e à violência endêmica. Isso foi explicado por Ludwig von Mises, Friedrich Hayek, Eugen Böhm-Bawerk e Carl Menger, entre outros:

Por essas e outras razões, o socialismo é e sempre foi um fracasso econômico que só gerou miséria, fome, inflação e desabastecimento em todos os países onde foi implantado, em qualquer época.

Se tomarmos por base a segunda premissa de Jean Wyllys,  de que a esquerda não pode defender um regime ineficiente economicamente, concluímos então que a esquerda não pode defender o marxismo.

Há ainda uma questão a ser examinada, que pode esclarecer se tais ditaduras – que ninguém deve ser cúmplice – foram acidentes de percurso, deturpações dos nobres ideais socialistas ou são inerentes ao socialismo. Com a palavra, Olavo de Carvalho, em magistral artigo no “O Globo” de 13 de abril de 2002:

“Esse conceito é o de um Estado que destitui do poder a classe rica em nome da classe pobre. Ora, para intervir eficazmente numa luta em defesa do mais fraco agredido pelo mais forte é preciso, por definição, ser mais forte que o mais forte. Logo, a vanguarda socialista, para vencer a burguesia, deve acumular mais poder político, militar, policial e judiciário do que a burguesia jamais teve. Porém, como todo poder custa dinheiro, é preciso que a vanguarda detenha também em suas mãos o controle de uma riqueza maior do que a burguesia jamais controlou. Donde a supressão de toda distinção real entre poder político e econômico, que no capitalismo ainda permite aos pobres buscar ajuda num deles contra o outro. Qualquer criança de doze anos pode concluir, desse rápido exame, que a formação de uma nomenklatura politicamente onipotente e dotada de recursos econômicos para levar uma vida nababesca não é um “desvio” da idéia socialista, mas a simples realização dela segundo o seu conceito originário.”

Ou seja, as perseguições, prisões, mortes e censura não são um desvio, mas conseqüência direta de se permitir que o estado detenha o poder total. Por isso o próprio nome do partido de Jean Wyllys, “socialismo e liberdade”, é uma contradição. Nunca houve tal coisa e nunca haverá, pelos motivos expostos acima.

Portanto – sempre de acordo com as premissas de Jean Wyllys – se a esquerda não deve apoiar ditadores, ela não deve apoiar nenhum ditador, inclusive (e principalmente) os de esquerda. Se a esquerda não deve apoiar regimes anti-democráticos, também não deve apoiar o socialismo, que sempre foi totalitário. E, se a esquerda não deve apoiar sistemas econômicos fracassados e ineficientes, ela não deve apoiar o marxismo, comprovadamente, na teoria e na prática, um sistema ineficiente.

Se a esquerda não deve apoiar o socialismo, o marxismo e seus ditadores, só há então uma conclusão possível:

A esquerda deve deixar de ser de esquerda.

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

Faça sua inscrição para o 2.º Congresso Virtual do Brasil Paralelo e, de quebra, ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link.

  • Ilbirs

    Ainda sobre o tal posicionamento, há esta postagem d’O Reacionário falando coisa parecida.

  • Odilon Rocha

    CQD….como queríamos demonstrar.
    O grande problema são as metamorfoses que o comunismo veio assumindo, angariando a simpatia de tolos, idiotas, mas também de espertos imorais.
    Ainda bem que é uma ideologia fadada ao sepultamento. É só uma questão de tempo. Infelizmente, milhões de pessoas morreram e sofreram (ainda morrem e sofrem) para que se desse esse despertamento.
    Essa foi boa, Flavio!

  • Jonny Hawkye

    Já ouvi um comentário que tudo no Jean Wyllys é um canastrão. Ele é só assim porque desse jeito consegue votos, mas se a maré mudar ele vai junto.

  • Bruno

    O que Jean Willys fez é o bom e velho “não foi o verdadeiro socialismo”.

  • nando_bv

    Deve estar montando os alicerces de uma possível candidatura ao senado, prefeitura, posando de bom cidadão, sujeito que não ganharia salário mínimo se não entrasse na politica.

Sem mais artigos