Paste your Google Webmaster Tools verification code here

Se só enxergamos o mundo por "direita" e "esquerda", como explicar fenômenos como a alt-right, a KKK, o neonazismo? Polêmica à vista em nosso podcast.

Guten Morgen, Brasilien! Esta semana foi marcada por um violento protesto com contra protesto e protestos na imprensa contra o protesto mas não contra o contra-protesto em Charlottesville, cidade da Virginia. O que se seguiu foi uma violência verbal ainda mais violenta, embora só em nível verbal, por que no protesto original viram-se bandeiras nazistas acompanhadas de bandeiras dos Confederados americanos, além de gente da Ku Klux Klan e demais “supremacistas brancos”, em um protesto da alt-right chamado “Unite the right”. A violência descambou quando um protesto contra o protesto contou com a presença do grupo identitário Black Lives Matter, além dos “Antifa”.

PUBLICIDADE

Para muitos apressados, ficou “provado”: o nazismo e o supremacismo branco são idéias de direita, gerando preconceito e violência, enquanto a esquerda significa paz, igualdade, bondade, felicidade, alegria, prosperidade, harmonia, comida de qualidade, mulheres fogosas e carrões possantes. Tudo deliciosamente embalado por discursos de Fidel Castro em 4K.

Afinal, se vamos usar apenas os conceitos “direita” e “esquerda” no debate público (e aqui, deixemo claro: não queremos negá-los, mas afirmar que há mais coisas do que a direita e a esquerda), como explicar movimentos como a Ku Klux Klan, um braço do Partido Democrata? Como entender esta idéia de que “racismo” seja uma “causa” da direita, sendo que nada no mundo é mais claramente direitista do que o Partido Republicano americano, e ele foi criado para abolir a escravidão, com o Republicano Abraham Lincoln? De que lado, então, costuma vir a violência política?

A esquerda sempre brada que defende a “democracia”. Mas o que é esta tal “democracia” esquerdista, que parece tão diferente dos princípios, muitas vezes usando-se o mesmo nome, que a direita defende?

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Estamos vendo uma violência política em escala acentuada no Ocidente mais civilizado, provando que poucas coisas no mundo são mais frágeis do que a civilização. Mas não estamos vivendo uma ainda mais profunda confusão conceitual ao tentar descrever fenômenos que fogem a dicotomias, reducionismos e planificações, usando-se sempre as mesmas palavras que foram inventadas em um contexto explosivamente diferente?

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Como entender esquisitices como a alt-right, os supremacistas brancos americanos, a KKK saindo do Partido Democrata, o Black Lives Matter, a tática Antifa – basicamente um novo nome para a tática alemã do black bloc que o Brasil conheceu bem –, os neonazistas (que diferem dos nazistas originais, que já comentamos) e toda essa confusão semântica e conceitual com termos apaixonados como esquerda e direita, em debates com interesses pessoais e cada vez mais paixões violentas e menos definições puras, que não dependam de analogias?

PUBLICIDADE

É o que propomos neste episódio do Guten Morgen, o podcast do Senso Incomum. De quebra: thrash metal, retórica, violência, ataques de fúria, cacofonias, filosofia socrática, supremacia podcastal, puberdade e música folk celta.

A produção é de Filipe Trielli e David Mazzuca Neto, no estúdio Panela Produtora. Guten Morgen, Brasilien!

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

Conheça o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern pelo Instituto Borborema para aprender como a política se faz pelo controle da linguagem e de sentimentos.

Faça sua inscrição para o 2.º Congresso Virtual do Brasil Paralelo e, de quebra, ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link.

  • Danke schön!

    • Maanno, eu quem te agradeço..chegou hoje o livro, que capa linda com relevo.. e mais passei o olho no sumario, ele vai tratar da influência que houve da teologia liberal sobre a igreja alemã. Eu já havia lido sobre isso no livro ‘Contra a Idolatria do Estado’ de Franklin Ferreira, achei bela a resistência do Pr. Dietrich Bonhoeffer a esta teologia. E outra, faz um tempo que eu queria entender a diferença de direito natural e direito positivo. Você me indicou em cheio! Danke schön!

      • Josmar, eu disse, Voegelin é sensacional! Esse livro faz uma espécie de link entre os dois grandes momentos como filósofo dele: de movimentos de massa para a grande política teológica.

    • …”que houve da Teologia Liberal”*…

  • Flavio, estou na Amazon tentando escolher um livro do Voegelin… não sei por onde começar .. kkkkkkkkkkkkk, não tenho condições de comprar uma série. 🙁

    • Josmar, vá para Hitler e os Alemães. Deve ser uma compilação do início do pensamento dele, sobre movimentos de massa.

  • Fernelio Fernelio

    Flavio, admiro muito a sua lucidez e acidez, por isso peço-lhe que produza um podcast sobre gnosticismo e sua influencia sobre nossa cultura.A razão do meu pedido é que esse assunto é tratado ,muitas vezes ,com obscuridade e uma certa pompa e/ou com “emanações etéreas” por alguns especialistas que assisti.Um forte abraço e fique sempre com Deus.

  • Accel

    Falei que os dentes dele eram tortos. Block

  • Phillip Garrard

    So lembrando que KKK, Alt_Right, BLM e Alt-Left sao todos financiados pelo mesmo nazista: George Soros. Aqui em SF nos USA, poucos dias atras houve uma votacao sobre acabar com fronteiras, fiz questao de votar contra, mas observei que nao havia ninguem para impedir alguem de votar 2, 3, 10 vezes!!! O resultado mostrava 80% a favor do fim de fronteiras, mas em SF 80% dos habitantes sao externos, inclusive eu! E no mesmo predio (Yerba Buena Park) existia uma exposicao sobre a suposta “beleza de Cuba socialista e feliz”. Curioso. A engenharia social nao para de atacar a liberdade.

  • Felipe Rolim

    Flavio, parabéns mais uma vez…só queria te pedir uma coisa, por que livro devo começar a ler Eric Voegelin?Abraços!

  • Rafael Cordeiro

    Cara, o Guten Morgen deveria estar no Deezer!

  • Benjamim Entristecido

    Alguém saberia me dizer quais os dois escritores muito usados pela direita que o Flávio cita no episódio? Acho que um é Leo Strauss… mas não tenho certeza.

  • Bruno Silva

    Excelente!

  • Anselmo Diniz

    Flávio, mais uma vez estou aqui para lhe parabenizar e agradecer pelo seu excelente trabalho. Por sua causa voltei a ler vorazmente e, desta vez, com método e propósito. O Guten Morgen está presente diariamente em minha vida. Diversos episódios já escutei mais de duas vezes (de todos os 43). Já indiquei para todos os meus amigos interessados.

    Como muitos, estava em crise de abstinência do Guten Morgen. Resolvi seguir uma indicação sua de podcast para amenizar a espera. E que indicação! O podcast de Andrew Klavan é excelente! Ele é muito carismático! Até as propagandas ficam divertidas! Obrigado mais uma vez por ampliar o nosso leque intelectual. Abraco!

  • Rosa

    Flávio, é verdade que Churchill, à semelhança do que fez Stalin com Hitler, fez um pacto com Stalin? Também já ouvi dizer que Churchill era simpatizante da eugenia, procede?

  • Marcos Vinícius

    kkkkkkkkkk

  • Marcos Vinícius

    GUTENNNNNNNNNNN MORGENNNNNNNNNNNNNNNNNN!!!!! O melhor podcast do BRASIL!

  • Kreator – Violent Revolution. Versão do Live Kreation (gravado em São Paulo).

  • Kreator – Violent Revolution. Versão do Live Kreation (gravado em São Paulo).

    • Rafael Vilela

      Foi muito bom abrir esse podcast com Kreator – Violent Revolution.

  • Daniel Filisberto Schulz

    Prezados, parabéns por mais este Podcast. O nível está cada vez maior. O dinheiro do apoia.se está sendo bem investido.

  • js case

    Só ISRAEL salva o Ocidente.

  • js case

    As pessoas andam muito desocupadas e com os nervos a flor da pele por razões das frustrações da vida mundana e das sociais obviamente sendo incitados a violência afinal “eu estou certo e minhas crenças são boas, as do outras são más”

  • Andrei Sokholov

    Logo essa moda pega aqui também. Hoje mesmo, quinta dia 17/08 voltando do trabalho vi um grupo de “jovens dinâmicos” no ônibus falando da tal ANTIFA, planejando um tal protesto, falando de “revolução” e xingando um mísero professor usando um linguajar tão pobre e cheio de gírias que deixa claro a que esses moleques vão a escola, que é para fazer porra nenhuma. Ta complicado mesmo, escola não ensina mais nada, só forma militantes sem cérebros para promover ideologias de esquerda e esculhambar o tecido social.

    • Leonvi

      As escolas tão aí pra ensinar um punhado de conhecimento teórico sobre coisas que os alunos estão pouco se lixando, e com alguma razão, pois não é conteúdo que os ajude ou auxilie em qualquer experiência prática com trabalho de verdade (quantas ensinam lógica pra começar?). Aí ficam la anos sem receber qualquer estímulo pra aprender a fazer algo útil e a gente tem isso aí que estamos vendo. É que sem esse modus operandi o pessoal vai começar a entender como a coisa funciona, vai começar a se dar bem e não vai se candidatar a se revoltar contra tudo e todos, porque o mundo já lhes teria sido bem apresentado sem maiores sabotagens. Se isso começar a acontecer, os agitadores desocupados que ficam de plantão militando por qualquer coisa vão ser feridos de morte.

      • Fernelio, ainda quero falar muito sobre isso. Vou encaixando conforme os assuntos forem aparecendo. Muitíssimo obrigado!

    • Renato Lorenzoni Perim

      Andrei, acho que a escola desensina. Talvez nossas crianças aprendam mais NÃO indo à escola do que assistindo a aulas de 99,99999999999% de professores esquerdistas. Não entendo como um professor, que em tese deveria ser um estudioso, tentar compreender o mundo, pode ser tão oceanicamente bitolado. Tenho birra desses tipos.

  • fabricio

    o podcaster acerta muito bem em dizer que nao devemos imputar termos simplistas como esquerda ou direita para o nazismo, mas ele comete o mesmo erro para os principais partidos daqui dos states, ignorando a evolução historica de ambos!! Historicamente, existiam tanta gente de direita quanto de esquerda em ambos os partidos! não sejamos simplistas
    está correto em afirmar que o kkk grande parte foi de origem e história dos democrats, mas qual a relação de hoje em dia? a única prova foi que o tal do quigg (bem fraca), mas a revista the crusaders, a revista praticamente oficial do KKK, apoiou o trump por toda campanha, alem de entrevistas com membros do klan que apoiam ele! não se pode jogar isso pro outro lado, gente, ou nunca vamos ver problemas do nosso proprio em questões que defendemos! o problema do trump é sempre o receio dar nome aos bois que apoiam ele (igual obama com muçulmanos), mesmo sendo uma minoria como essa alt-right que cresceu no site do breitart do steve bannon (só ver a diferença de tratamento do reagan)
    ele até sugere que existiam boas pessoas nesse protesto de supremacistas brancos, e nao sabia quem era alt-right, absurdo!

    obs: em certo momento ele duvida que exista ataques terroristas de direita (categoria usada pelo congresso, senado republicano) em solo americano, mas todo ano dados do governo mostram que se equivalem a ataques islamicos!

    • R3

      Bada

  • Marcus Rezende

    Pra mim esse negócio de atribuir rotulações fáceis é pura preguiça!

  • Karnak Soma

    mais um ótimo podcast…

  • Gabriel Santos

    Quando menos você espera toma um Guten Morgen na cara.

Sem mais artigos