Paste your Google Webmaster Tools verification code here

O jornal New York Times, que chama a mídia independente de "fake news", previa há um ano 93% de chance de vitória para Hillary Clinton.

Há um ano, o New York Times fazia sua grande previsão eleitoral para 2016: Hillary Clinton tinha 93% de chance de vencer as eleições, segundo o jornal nova-iorquino. O jornal, que até hoje é viciosamente contra Donald Trump, não parece ter conseguido separar sua torcida de sua campanha, e ambas de sua suposta “análise”.

PUBLICIDADE

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A despeito de ser uma das únicas fontes da mídia brasileira quando se trata de política americana, o New York Times é tão desacreditado pelos americanos que o jornal quase faliu. Os dois últimos andares do seu oprédio são ocupados pelo Snapchat, e os dois primeiros são cupados pela Kushner Companies, de Jared Kushner, ironicamente genro extraordinário de Donald Trump.

Em uma crise de confiança, e inclusive financeira, o atual CEO do New York Times, Arthur Gregg Sulzberger, deu uma entrevista de capa à revista Wired tão logo Trump foi eleito, com o curioso título The news in crisis. A culpa da crise, obviamente, era de supostas fake news que não afetaram em nada os valores, opiniões e crenças americanas, e uma suposta “pós-verdade”, que só existe para editores de mídia desculparem seus erros.

PUBLICIDADE

Para salvar o New York Times que fracassava em vendas, Sulzberger explicava que apostava em assinantes, que aumentavam em resposta a Trump. Ou seja, importa mais fazer uma militância de esquerda do que oferecer notícias com credibilidade que vendam.

É a turma do New York Times que quer acusar a mídia independente de fake news, e dizer que Trump foi eleito por uma “pós-verdade”, só porque a verdade e o New York Times parecem estar de mal há muito tempo. E quase tão somente o jornal dos 93% de chance de Hillary que é citado como “fonte confiável” pela mídia brasileira.

Em tempo: nós, da mídia independente, acertamos 48 dos 50 estados, inclusive apontando que Trump decidiria as eleições na Pensilvânia, como fez nosso analista e sub-editor Filipe Martins.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Filipe Martins acerta 48 estados da eleição de Trump, e define que a eleição será definida na PensilvâniaOuça: Guten Morgen 21: Filipe Martins, o homem que acertou 48 estados da vitória de Trump

—————

Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Conheça o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern pelo Instituto Borborema para aprender como a política se faz pelo controle da linguagem e de sentimentos. Conheça também o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Compre o filme O Jardim das Aflições, sobre a obra do filósofo Olavo de Carvalho, por este link. Ou a versão estendida, com mais de 12 extras, por aqui.

---------------

Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Conheça o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern pelo Instituto Borborema para aprender como a política se faz pelo controle da linguagem e de sentimentos. Conheça também o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Compre o filme O Jardim das Aflições, sobre a obra do filósofo Olavo de Carvalho, por este link. Ou a versão estendida, com mais de 12 extras, por aqui.


  • Pobretano

    Façam uma Retrospectiva 2017 e incluam essa gafe mundial, please!

  • Lucília Simões

    Faz cerca de um mês, passando os canais, parei por menos de trinta segundos na globonews e juro que nesse tempo dois “analistas”, entre eles aquele que faz dãããããããããã, pronunciaram “pós-verdade” umas seis vezes. Não lembro mesmo qual era o assunto, só pensei que querem impor o termo a todo custo.

  • Ilbirs

    Valeria a pena falar da sova que o peronismo/kirschnerismo/Foro de São Paulo tomou nas últimas eleições argentinas.

  • otávio

    Muito boa análise. Como sempre!

Sem mais artigos