Paste your Google Webmaster Tools verification code here

Para "ativista na causa HIV/AIDS" (sic) do site de extremíssima-esquerda HuffPost, não temos de curar o HIV, e sim o "preconceito".

O HuffPost Brasil, filial do feed da extremíssima-esquerda americana compilado no Huffington Post (jornal criado pelo conservador Andrew Breitbart para catalogar as bizarrices da esquerda), fez jus ao seu bizarro status ontológico publicando um texto de um certo Gabriel Estrëla (sic), que se auto-descreve “Artista e ativista na causa HIV/aids” (sic³).

PUBLICIDADE

Parece que “ativista na causa HIV/aids” é realmente sua função: Gabriel Estrëla usa o HuffPost para praticamente preconizar que HIV é uma causa, um meio de vida. Como no caso da infame “cura gay” (ler aqui para não cair em fake news), parece que tratar o aidético como alguém que precisa de cura é puro preconceito machista patriarcal da sociedade capitalista de soberania racial. Parece piada? Bem, trata-se de nada menos do que do HuffPost.

O ativista na causa HIV/aids escreve que A cura não é a solução para o HIV (sic²). O que um aidético quer? Ser curado. Mas não um ativista na causa HIV. Esse quer mesmo é um mundo livre de preconceito contra o HIV. Esse povo aidsofóbico que é doente e ele é a cura.

Afinal, descobrir a cura da AIDS geraria um problema para o colunista do HuffPost: “produzir isso em larga escala e vencer barreiras sociais para promover a distribuição dele” (o “dele” ficou na frase porque “ele” escreve como fala). Ou seja, falta comunismo para poder “distribuir” depois.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Exagero? Sinta a frase seguinte:

“Isso sem falar nas possibilidades de capitalizar em cima disso. Esse sensacionalismo em cima de possíveis sucessos científicos agrega cada vez mais valor ao preço de algo que não tem nada no mundo que pague, que é direito e não mercadoria: a saúde.”

PUBLICIDADE

Capitalizar em cima da cura da AIDS! Onde já se viu? Aonde esse mundo vai parar?! E esse sensacionalismo em cima de sucessos científicos?! Tem de acabar, porque senão o preço fica alto!! (esquerdista tentando falar de lei de oferta e procura é uma bizarrice quase tão grande quanto “ativista na causa HIV/aids”)

E, claro, cura da AIDS não é mercadoria, é “direito”. Só tem aquele problema de ser o direito a algo que não existe. Os problemas desses “direitos” anti-mercado que certamente ajudarão muito a vida dos aidéticos: “Veja bem, você tem direito à saúde! Só não tem remédio, malzaê.”

Se a cura não é a solução, qual seria? Quer apostar quanto que o ativista na causa HIV/aids do HuffPost vai falar preconceito?

Se não vencermos o preconceito, se não vencermos os impedimentos de acesso à saúde,

Bem, quanto apostamos?

E se o lance de sociedade de supremacismo racial patriarcal parecia exagero, mera piada com estereótipos, ponha uma camisinha no mouse e segure esse parágrafo:

Passado o HIV, a população negra e periférica ainda terá acesso reduzido à saúde, mulheres ainda sofrerão violência obstétrica, gays ainda serão vistos como promíscuos e as lésbicas como pessoas que não fazem sexo, os bissexuais continuarão como se não existindo e travestis e transexuais seguirão vítimas de mortes crueis por todo o brasil. Os jovens continuarão sendo taxados de irresponsáveis e nunca vão ter o apoio necessário da geração anterior para propor mudanças e transformarem (para melhor) a forma como nos organizamos em sociedade.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Só precisamos reorganizar a sociedade, contra coisas como “violência obstétrica” (what the fuck ever). E tome mais minúsculas que deveriam ser maiúsculas, clichês sobre negros, gays, travestis e jovens (sendo taxados, como se estivessem pagando imposto; é tachados, sr. ativista na causa HIV/aids!) e aquela papagaiada toda.

O resultado de visões como a do amante do HIV no HuffPost? Coisas bizarras como a Califórnia não tratar mais como crime transmitir o HIV, sabendo-se portador, sem avisar o parceiro. Livre de preconceito! /o\

Sabe o que ajuda quem tem AIDS? Dinheiro nas mãos de gente competente pra curar o HIV. O suposto “preconceito” se dá tão somente porque ninguém quer ter AIDS (maiúsculas), mesmo que existam lá seus “ativistas na causa”. E se ela é transmissível via sexo, e mais facilmente via sexo anal, as pessoas terão uma visão pouco convidativa de fazer sexo com quem possui o vírus. Ainda que o ame de paixão a ponto de ter o HIV como uma profissão (profissional e de fé). Mais alguma dúvida?

—————

Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Compre o filme O Jardim das Aflições, sobre a obra do filósofo Olavo de Carvalho, por este link. Ou a versão estendida, com mais de 12 extras, por aqui.

  • Vinícius W. Ferreira de Moura

    Exatamente essa a questão: o primeiro parágrafo foi escrito com certa razoabilidade e sentido. Depois disso, o cara viajou na crítica social foda.

  • Ilbirs, fato simples: há um plugin de curtida que custa uma fortuna. Tentamos fazer uma versão nossa. Ficou pesadíssima. Vamos ter de comprá-lo, no fim das contas, sem choro nem vela. Obrigado mesmo!

    • Ilbirs

      OK. Bom, por aqui desliguei e religuei o AdBlock e parece que por ora está rodando mais liso.

      • E olha que ainda nem atualizamos o plugin… Hahahah!

        • Ilbirs

          Pode ser que de alguma forma a maneira como o site é carregado teve alguma notificação de que o anúncio com videozinho deixava a coisa pesada demais, pois agora este não mais se encontra entre os que carregaram e eu tenho a suspeita de que era esse que estava ferrando o meio de campo.

  • Douglas. de Sá

    Uma curiosidade Flávio, é aquele avião que foi derrubado na Ucrânia com os cientistas que estudavam a cura da AIDS. Se não fosse trágico seria cômico.

    Segue o link

    https://oglobo.globo.com/sociedade/saude/mais-de-100-especialistas-em-aids-estavam-em-aviao-da-malasia-que-caiu-na-ucrania-13296601

  • nando_dsqs

    Assistindo ID ( investigação discovery ) teve um casal de duas mulheres “casadas” onde uma assassinou outra.
    Foi preciso 6 anos e 3 julgamentos e apesar de todas as provas possiveis e imaginárias para o companheira ser condenada devido os jurados não se convencerem que uma mulher frágil pudesse ter surrado a outra e estrangulado.
    Como disse o promotor no final, se fosse um homem teria sido condenado ainda no primeiro julgamento, e que muitas pessoas pensam que a violência doméstica só ocorre em casais heterossexuais.
    Como mortes de gays, drogados, LGTB afins, só ganham destaque quando o agressor for um hétero e de preferência branco.

  • Phillip Garrard

    Nos USA so mesmo os ANTIFAS (NAZIFASCISTAS EXTREMISTAS) acreditam no HuffPost. Posto isso, nada mais a declarar.

  • Paulohenrique ALVES FIALHO

    logica esquerdista: o problema dos atrasados nunca está na pessoa sempre está em terceiros, atrasados do enem, os mais criticados são os que zombam de suas desculpas esfarrapadas e de suas iresponsabilidades não dos alunos que tem mais de seis meses para se preparar e mesmo sabendo do horario acabam chegando atrasados faltando microsegundos para o portão fechar.
    sabemos que há caso de pessoas que contraem aids quando estão no ventre da mãe e aqueles a qual o parceiro mente sobre sua vida prosmiscua e no seio do matrimonio acabam contraindo a doença, mas há uma grande parte que em nome do obtenção do prazer a qualquer preço, trasam sem preservativo e acabam adquirindo a doença.
    mas o problema não é a prosmicuidade, nem tão pouco o encorajamento a falta de pudor e cuidado nas relações sexuais, muito menos a falta de investimento nos estudos sobre a cura da aids. o problema está no preconceito.
    como se um pessoa com aids estivesse mais preocupada com olhares tortos na rua do que com sua saude debilitada e se ainda estará vida quando acharem a cura

  • Ilbirs

    Há um pequeno alerta de formatação do texto que deixo abaixo:

    https://uploads.disquscdn.com/images/f2e594379ef38b6a1c79726bc8ef76bc535d24bbe63e10094a3094b819768f0e.png

    Senão o pessoal vai ficar meio desorientado e achar que o texto em fonte regular e sem destaque seria parte do texto corrido propriamente dito deste blog, quando na realidade é um trecho daquele que se pegou para comentar.

Sem mais artigos