O ex-presidente se finge de oposição, mas nunca deixou de trabalhar com o mesmo PMDB que o salvou do Mensalão.

Na política brasileira, há um termo que define o papel de Lula no PT: “cacique”. O partido é grande, mas ele o conduz como se fosse pequeno, de aluguel. Ao menos desde o envolvimento de José Dirceu no Mensalão, o ex-presidente manda e desmanda lá dentro sem grande resistência.

PUBLICIDADE

É com o PMDB de José Sarney e Renan Calheiros que Lula se livra da enrascada que Roberto Jefferson o meteu em 2005, garante palanque, governabilidade e a reeleição em 2006. É com esse PMDB que Lula se reúne uma década depois para discutir o avanço da Lava Jato e o impeachment de Dilma Rousseff.

De poste programado para cumprir ordens na Presidência da República, Dilma se aproximou de Aloizio Mercadante para formar dentro do PT uma dissidência que se voltaria contra o uso que Lula fazia da sigla. E, para isso, era preciso reduzir a força do PMDB no governo.

Conforme revelou Bob Jeff em entrevista ao Roda Viva, o plano envolvia repetir contra o PMDB o mesmo sucesso do movimento articulado contra o Democratas anos antes: incumbir Gilberto Kassab da fundação de um partido e convidar os descontentes para a nova casa. Assim como o PSD reduziu o DEM ao segundo escalão do parlamento, a ideia era o refundado PL fazer o mesmo com peemedebistas.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Eduardo Cunha, que pedira votos para Dilma em 2010, percebeu o movimento e trabalhou dentro do partido uma resistência ao ataque na eleição seguinte. Foi quando virou desafeto da gestão petista, ganhando tanta força que venceria em primeiro turno a disputa para a Presidência da Câmara.

Mas, conforme revelaria Delcídio do Amaral também em entrevista ao programa da TV Cultura, a estratégia de Dilma e Mercadante ia além e deixava a Lava Jato se aproximar de Lula. Seria uma forma de vender a presidente como independente e honesta, alguém que não interferiria em benefício do padrinho. Por isso José Eduardo Cardozo não mexia no comando da Polícia Federal.

PUBLICIDADE

Nessa história, Marcelo Odebrecht participa de duas jogadas importantes.

O empreiteiro confessou em depoimento que, em 2014, gastara R$ 7,6 milhões bancando o movimento “Volta, Lula”. Mas, como todos sabem, a candidata petista foi mesmo Dilma. Porque Dilma traiu Lula. Há um bom número de colunistas políticos testemunhando o fato.

A segunda é a tal reunião entre Marcelo Odebrecht e Dilma Rousseff no México. Em que ele a teria alertado da conta suíça.

Dentro do contexto desenhado nos parágrafos anteriores, é possível entender que o filho de Emílio Odebrecht não a alertou, mas fez uma ameaça: ou a presidente da República protegeria Lula da Lava Jato, ou Odebrecht entregaria o que sabia, findando na queda dela.

Só com a prisão do empreiteiro que Dilma se tocou do risco. E passou a buscar com Cardozo e Delcídio uma forma de tirar M.O. da cadeia.

De quebra, colocou Eduardo Cunha em dificuldades para vender-lhe facilidades: em troca do engavetamento do processo no Conselho de Ética, queria o engavetamento do impeachment. Por isso tantas promessas de possuir cinco ministros do STF na manga.

O plano corria bem até que Lula contra-atacou e traiu Dilma, liberando a bancada petista a votar no Conselho de Ética contra Cunha, que respondeu de imediato aceitando o pedido de impeachment assinado por Janaína Paschoal. Na lógica escancarada em grampo por Romero Jucá, até para Lula seria melhor sacrificar a presidente e deixar a missão de deter o avanço da Lava Jato para Michel Temer.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

O ex-presidente só mudou de postura após ser conduzido coercitivamente pela Lava Jato meses depois. Foi quando finalmente aceitou a oferta de foro privilegiado na Casa Civil de Dilma. Mas a jogada seria bloqueada por Gilmar Mendes – ironicamente, o nome do STF que mais combateria a operação após a troca de presidentes.

Para a opinião pública, interessa a Lula se vender como oposição ao governo Temer. E talvez até tenha sido por um breve momento. Mas, já na eleição de Rodrigo Maia, antes mesmo do julgamento do impeachment, a dupla trabalhou junto a vitória do presidente da Câmara. E um acordo de paz foi selado quando Marisa Letícia faleceu, e o ex-presidente recebeu a visita do presidente da República no Sírio-Libanês.

Lula esbraveja, mas, no fundo, torce para que o governo Temer consiga o principal objetivo do tal pacto escancarado por Jucá: melar a mesma Lava Jato que Dilma deixou se aproximar de todos eles.

De resto, o país segue aos cuidados do mesmo grupo que salvou Lula do Mensalão, com José Sarney indicando o comando da Polícia Federal, Renan Calheiros segurando a Constituição diante das câmeras para fatiar a cassação de Dilma, Eunício Oliveira comandando o Senado, e Michel Temer deixando de cumprir a promessa de afastar os ministros denunciados.

E com Lula trabalhando para que o petismo aposente a “narrativa do golpe”, afinal, na eleição de 2018, quer o apoio do PMDB onde puder. Pois, na prática, trata-se de um peemedebista usando o PT como “linha auxiliar”.

—————

Siga o autor deste texto no Twitter ou Facebook. Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

 

Sem mais artigos