Uma funcionária trans se sentiu humilhada por ter seu sexo perguntado e ser orientada a usar o banheiro de deficientes e pôs a empresa inclusiva no pau.

Uma funcionária trans da multinacional francesa Teleperformance foi demitida por justa causa por abandono de emprego, mas o Tribunal Regional do Trabalho da 2ª Região, em São Paulo, condenou a empresa a pagar R$ 20 mil a título de indenização por ter sido alvo de piadas após trocar de sexo e, segundo o Estadão, “chegou a ser” (!) orientada (!!) a utilizar o banheiro de deficientes.

PUBLICIDADE

Repetindo: R$ 20 mil. Por ter sido alvo. De piadas. Após. Trocar. De sexo.

De acordo com a testemunha da funcionária trans, superiores hierárquicos “costumavam chamar a autora na mesa para fazer piadinhas, indagando se a autora era homem ou mulher”. Ainda, de acordo com relatos, a supervisora determinou que a empregada fizesse uso do banheiro de deficientes. “Não deixavam que ela utilizasse o banheiro dos homens ou das mulheres”.

Não soa muito lógico considerar que a pergunta “Você é homem ou mulher?” é uma “piadinha”, e depois de uma resposta pouco clara para quem já possuiu um pau, reclamar de ser orientada a utilizar o banheiro de deficientes, um banheiro “genérico” (como o banheiro de bebês que existe em alguns restaurantes). A reclamação da funcionária trans é que o banheiro não possuía chave.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Outra reclamação também não parece lidar com os princípios da lógica elementar e das aulas de Biologia sobre XX e XY: “Também pelo fato mencionado não é selecionado em processo seletivo para ser promovido, pois é informado que deverá utilizar apenas roupas masculinas”, consta nos autos. Não há muito choro sobre leite derramado se toda empresa possui um código de vestimenta para todos.

Uma das desembargadoras do Tribunal afirmou na sentença: “Foge à lógica do razoável admitir-se que qualquer trabalhador seja submetido ao tipo de tratamento dispensado ao reclamante, conforme apurou-se através da instrução processual, constantemente humilhado por seus superiores hierárquicos”.

PUBLICIDADE

Talvez a funcionária trans também não goste do trecho onde é definida como “constantemente humilhado“, o que é justamente uma amostra de que a “lógica do razoável” tem realmente dificuldade em lidar com a artificialidade de quem queira reformular a realidade segundo o seu sentimento. (em outro trecho, a desembargadora também escreve: “restou suficientemente comprovado que a autor (sic) foi vítima de ofensas injustificadas…”

Mesmo o abandono de emprego foi descartado, pois a empregada trans estava ocupada processando a empresa.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Tal como o episódio de South Park The Cissy, em que Cartman passa a se considerar transginger (sic) para obter um banheiro só seu e não pegar fila no banheiro masculino, a questão dos banheiros começa a ser tratada com multas pesadas na vida real no Brasil.

Resta saber se todas as empresas deverão criar um banheiro exclusivo para cada um de seus empregados trans – e note-se que se fala aqui de empresas inclusivas, que queiram empregados trans. Ou então, os trans que quiserem usar o banheiro feminino mesmo não sendo XX, colocando todas as mulheres presentes em situação vexatória, vão botar as empresas no pau.

—————

Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Sem mais artigos