Ainda em janeiro, o jornal O Paraná alertou que o MST planejava um "falso atentado" contra Lula em Quedas do Iguaçu. Exatamente onde um ônibus de sua campanha levou tiros.

O jornal O Paraná, em reportagem publicada no dia 7 de janeiro, havia alertado que as autoridades investigavam um “falso atentado” que estava sendo promovido pelo MST para tentar causar uma aura de vitimização em Lula. A reportagem possui uma cópia no WebArchive em 2 de fevereiro, e a cidade marcada é Quedas do Iguaçu  exatamente a mesma de onde o ônibus de Lula saiu e, supostamente, teria levado tiros que não feriram ninguém.

PUBLICIDADE

Na reportagem, o jornal comenta que, em Quedas do Iguaçu, havia muitos acampamentos do MST, que não existiam em outras cidades da região, e que planejavam um macabro “falso atentado” para melhorar a imagem do ex-presidente Lula diante de seu julgamento final pelo TRF-4.

Disse o jornal à época, já falando de Quedas do Iguaçu:

“No Paraná, um dos principais redutos do MST, que comanda uma das – se não a maior – maiores concentrações de sem-terra “do Brasil, em Quedas do Iguaçu, a situação é ainda mais tensa. A reportagem do Jornal O Paraná teve acesso com exclusividade “a informações que revelam um elaborado e até macabro plano elaborado por pessoas envolvidas com a alta cúpula petista “e que conta com a “mão de obra” dos sem-terra instalados em Quedas.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

“Uma fonte que transita livremente pelos acampamentos revelou, em detalhes, que está sendo traçado um falso atentado “contra o ex-presidente para aquele dia. A reportagem procurou os líderes de segurança estadual, mas eles estão em férias. “Contudo, descobriu que o serviço de inteligência do Paraná acompanha essas articulações e “que, por motivos de segurança, não podem dar detalhes. Entretanto, ninguém desmente informação alguma.

A reportagem ainda alerta que, caso Lula seja condenado em segunda instância, futuras invasões de terra em massa a partir do Paraná, berço do MST, podem ocorrer, além de ataques a torres de transmissão de energia, o que é da ciência do delegado-chefe da Polícia Federal em Cascavel, Marco Smith, que considera que tais práticas são um procedimento “nada incomum”.

PUBLICIDADE

Claro, tudo pode ser a boa e velha “mera coincidência”, mas é no mínimo suspeito que um jornal tenha acertado com tamanha precisão um suposto atentado contra Lula bem em Quedas do Iguaçu, o que não é exatamente uma obviedade para todo o país, e com três meses de antecedência. A Teoria da Mera Coincidência precisa de muita força de vontade para ser aplicada, num possível atentado sem vítimas, e que de repente está em todos os canais de TV (bem ao contrário das ovadas que Lula recebeu no caminho).

Hoje, o jornal lembrou a sua reportagem, mostrando que as únicas diferenças foram de alguns dias (as forças de segurança presumiam que o falso atentado ocorreria antes do julgamento dos embargos pelo TRF-4, e não dois dias depois), e que um grande enfrentamento era esperado em Porto Alegre no dia do julgamento. Como hoje sabemos, foi um dia tranqüilo, o que não pode ser dito do restante de campanha eleitoral ilegal de Lula pelo sul.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

A única cidade onde foi bem recebido foi, justamente, em Quedas do Iguaçu, reduto do MST de onde o “atentado” teria ocorrido. A reportagem conseguiu a informação justamente de dentro de um acampamento do MST na cidade.

Um ônibus com jornalistas que acompanhavam a caravana teria até desviado da rota “por segurança”, e foi alvejado com três tiros. Misteriosamente, a mudança de rota não foi avisada à polícia, que então não acompanhou o que acontecia com o ônibus.

Aquilo que os americanos chamam de false flag para manipular a opinião pública são estudados há séculos.

De acordo com o maior especialista em segurança pública do país, Bene Barbosa (ouça entrevista em nosso podcast), a perfeição dos furos é insuficiente para dizer se o ônibus estava parado ou em movimento.

—————

Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Faça os cursos de especiais para nossos leitores de neurolinguística empresarial e aprenda a convencer e negociar no Inemp, o Instituto de Neurolinguística Empresarial!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Sem mais artigos