Que regras?

Vale tudo: PT quer reverter cancelamento de 3,3 milhões de títulos de eleitor

Documentos foram cancelados após cadastro biométrico justamente para evitar fraudes

O Tribunal Superior Eleitoral (TSE) informou nesta segunda-feira (24) ao STF que 3,3 milhões de pessoas tiveram seus títulos de eleitor cancelados por não comparecerem ao recadastramento entre o período de 2016 e 2018. O processo incluiu o cadastramento biométrico, obrigatório em muitos municípios brasileiros (mas não todos).

O plenário do STF pode julgar nesta quarta-feira (26) ação do PSB que pede para suspender o cancelamento dos títulos de eleitor. PT e PC do B se aliaram aos socialistas nesse causa: o PT afirmou que o cancelamento “[inviabilizaria] o exercício da cidadania de milhares de brasileiros que, por inúmeras razões, não realizaram o seu cadastramento biométrico”.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) e a Advocacia-Geral da União (AGU) defenderam o cancelamento dos títulos. Segundo seus pareceres, a medida tinha o objetivo justamente de aprimorar o processo de identificação do eleitor para evitar fraudes.

Existiu de fato um processo, com prazo, para protestar e reverter o cancelamento do título. O prazo se encerrou em março deste ano.

Por que será que PT, PSB e PC do B agora querem insistir em títulos de eleitor cancelados?

—————

A revista Senso Incomum número 3 está no ar, com a reportagem de capa “Trump x Kim: Armas nucleares, diplomacia e aço”. Assine no Patreon ou Apoia.se!

Confuso com as eleições? O Teatro das Tesouras, do Brasil Paralelo, explica a história das eleições brasileiras e como chegamos até aqui. Conheça através deste link!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Faça os cursos de especiais para nossos leitores de neurolinguística empresarial e aprenda a convencer e negociar no Inemp, o Instituto de Neurolinguística Empresarial!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Sem mais artigos