Margem de erro

Ibope errou no Rio de Janeiro em 31 pontos. Datafolha errou 24 pontos

A margem de erro auto-declarada dos institutos era de meros 2 pontos. Ibope e Datafolha erraram a ordem de Eduardo Paes e Wilson Witzel, que nem iria ao segundo turno

Para quem ainda acredita em institutos de pesquisa, uma rápida olhada pelo que Ibope e Datafolha prognosticavam nas eleições estaduais deste ano. Só no Rio de Janeiro, o desacerto do Ibope um dia antes das eleições foi de 31 pontos percentuais (sic). O Datafolha errou “apenas” 24. A margem de erro auto-atribuída tanto pelo Ibope quanto pelo Datafolha era de meros 2 pontos percentuais.

Para o instituto do grupo Folha, Eduardo Paes tinha 27% das intenções de voto. Acabou tendo apenas 19, “apenas” oito pontos abaixo. Mas Wilson Witzel tinha tão somente 17 pontos, tendo ainda 10 pontos para chegar a empatar com Paes. Já o Ibope dava menos a Paes: 26%. Por outro lado, dava apenas 10 pontos a Witzel.

Na verdade, Witzel teve simplesmente 41,28% dos votos, ficando em primeiro. 24 pontos a mais do que o Datafolha, 31 pontos a mais do que sugeria o Ibope. Quanto a Eduardo Paes, ficou com apenas 19,56% dos votos. 8 pontos a menos do que encontrou o Datafolha, 7 pontos a menos do que descobriu o Ibope. No total de erros, o Ibope errou 31 pontos. O Datafolha, 24 pontos. Lembrando: a margem de erro na véspera era de 2 pontos percentuais.

Wilson Witzel estava em curva acentuadamente ascendente, justamente por ter apoiado Jair Bolsonaro, o que o fez disparar para o alto (numa das suspicácias destas eleições). É claro que o “fator Bolsonaro” é capaz de causar surpresas, mas é simplesmente ridículo que institutos gabaritados como Datafolha e Ibope tenham suas pesquisas em tão alta conta errando 3 dezenas de pontos, mas dizendo que sua “margem de erro” é de apenas 2. E na véspera das eleições.

Lembrando: Ibope e Datafolha erraram em até 10 pontos nas últimas pesquisas presidenciaise sempre a favor do PT e contra a oposição. Há erros, mas parece que também há erros com método.

—————

A revista Senso Incomum número 3 está no ar, com a reportagem de capa “Trump x Kim: Armas nucleares, diplomacia e aço”. Assine no Patreon ou Apoia.se!

Confuso com as eleições? O Teatro das Tesouras, do Brasil Paralelo, explica a história das eleições brasileiras e como chegamos até aqui. Conheça através deste link!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Faça os cursos de especiais para nossos leitores de neurolinguística empresarial e aprenda a convencer e negociar no Inemp, o Instituto de Neurolinguística Empresarial!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Sem mais artigos