Novela

Flávio Bolsonaro ainda deve explicações ao seu próprio eleitorado sobre Queiroz, mesmo que o STF não queira

O eleitorado de Bolsonaro não é como o petista: defende e apóia justamente porque quer saber a verdade, ainda que o STF suspenda a investigação sobre Queiroz

O STF suspendeu a investigação sobre Fabrício Queiroz, o assessor de deputado mais comentado do país, ex-motorista de Flávio Bolsonaro e que teve movimentação suspeita de R$ 1,2 milhões enquanto trabalhava na Alerj.

Mas o fato que permanece é: os eleitores, digamos, “da família Bolsonaro” não se comportam como a manada política de pensamento e marcha única do PT. Petistas pensam no partido acima de algo como o verdadeiro e o bom (e o belo…). Jair Bolsonaro foi chamado de “mito” enquanto nem pensava em disputar  a presidência, além de ter o slogan “ninguém me chama de corrupto”, justamente porque se colocou fora dos esquemas, das tramóias e do toma-lá-dá-cá que é a marca do patrimonialismo brasileiro há séculos.

O imbróglio Queiroz recebeu uma boa resposta do presidente: Jair Bolsonaro disse que esperava pelas explicações, e que cortou relações com o antigo amigo da família enquanto elas não apareciam.

Flávio Bolsonaro, talvez pela proximidade, não fez o mesmo. Claro que há exageros (Queiroz é usado agora como “prova de corrupção” até mesmo do próprio Flávio Bolsonaro, justamente pela esquerda que não enxerga as razões para o impeachment e a prisão de Lula… e de tudo quanto é petista preso), e talvez uma prévia de explicação que não foge a algumas esquisitices.

Como negociante de carros, seria “normal” comprar e vender um carro, digamos, de valor próximo a R$ 80 mil por mês, e chegar a uma movimentação próxima de R$ 1,2 milhões (600 de entrada, 600 de saída) com pouco mais do que uma venda por mês, sem tanto lucro retido. Entretanto, quem é do ramo diz que, na prática, apenas as concessionárias conseguem tal número de vendas – e o mais estranho permanece: por que as movimentações se davam sempre próximas da data de pagamento da Alerj, e por que outros funcionários do gabinete de Flávio Bolsonaro faziam depósitos quase religiosamente cronometrados para Fabrício Queiroz?

Além de tudo, a filha de Fabrício Queiroz, Nathalia Queiroz, a personal trainer que tirava fotos com personalidades em horário de expediente e que, descobriu-se, não teve nenhuma falta computada na Alerj no período, continua sendo uma granada sem o pino. Ainda mais do que a conta bancária de Queiroz, sua relação com a Alerj (fora sua própria contratação, junto a outros membros da família de Queiroz) recai na esfera de responsabilidade do próprio Flávio Bolsonaro.

A mídia, obviamente, faz de um limão um Oceano Pacífico de Ciroc Lemon Martini. Basta lembrar das infantis threads que a Folha de S. Paulo está fazendo, agora que descobriu que a função do jornalismo é criticar o governo, e não succioná-lo e perguntar se também quer uma massagem. Enquanto os assessores de petistas (assessores ainda no cargo) com somas que chegam a ser quase 30 vezes maiores são ignorados, de repente todo o jornalismo trata um assessor como o maior escândalo desde Cabral (com o petrolão, sempre relativizado pela mídia, fresquinho na memória).

E, de antemão, não é possível culpar Flávio Bolsonaro (fora sua estranhíssima demora em tomar as rédeas do caso e exigir explicações ele próprio), em campanha pela presidência do Senado – menos ainda ignorar  ou tratar como contrapeso a todas as excelentes conquistas do novo governo, sobretudo aquelas que tanto irritam jornalistas. Foi exatamente para isso que ele foi eleito.

Mas o principal permanece: quem quer saber da verdade sobre Queiroz, mais do que a esquerda e a mídia (que preferem mesmo o clima de mistério para fazer pressão, ao invés de uma resolução, mesmo uma que defenestre Queiroz) é a própria base de apoio de Bolsonaro, incluindo os eleitores de Flávio. Eles não são petistas. Eles querem a verdade, o bom e o belo, e apóiam os Bolsonaro justamente porque eles parecem buscá-los. Ao contrário de petistas, o eleitorado bolsonarista quer saber ainda mais do que o STF.

—————

Para entender como lidar com o novo vocabulário político, confiram nossa revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Publicidade
Sem mais artigos