CorruPTos

O que o PT quer ao atacar o pacote do Moro? Dar credibilidade?

Sem um Duda Mendonça, a comunicação do PT está mesmo engraçada: acha que criticar o pacote de medidas do Moro causa algo além de riso (e explosões de comemoração)

Loja Senso Incomum

O Partido dos Trabalhadores (RT se fez parte da sua infância) atacou o pacote de medidas anti-crime de Sérgio Moro, ministro da Justiça, que dificultou as indescritíveis benesses aos criminosos – tanto os nóias armados matando mais de 64 mil pessoas por ano (mais de meio milhão por década), quanto os criminosos de colarinho branco dos partidos que esbulharam a nação nos últimos anos, sendo o PT reconhecido como a organização criminosa que criou o maior esquema de corrupção do Ocidente (talvez perdendo para teocracias islâmicas e a Coréia do Norte).

Há um fundamento lingüístico/retórico – e não lógico, como muitos tentam analisar – no convencimento de uma sentença. Envolve o que os retóricos antigos chamam de topos, usando uma linguagem geográfica para definir os componentes do discurso – a memória funciona melhor com localização, daí termos como “lugar-comum”.

Já que a esquerda atual adora falar em “lugar de fala”, poderia acabar aprendendo (embora seja melhor que não aprenda) que seu “lugar de fala” para criticar o projeto anti-crimes de Sérgio Moro é péssimo: é o das baratas criticando o inseticida. Qualquer crítica vinda do PT acaba virando elogio.

É como uma análise negativa sobre os “abusos da polícia” vinda do Champinha. Que, aliás, foi defendido por Maria do Rosário, do PT, que o tratou como uma “criança”, e gerou a famosa discussão entre a petista e Jair Bolsonaro, que até os inteligentíssimos do PSDB usaram para atacá-lo, sem perceber que alguém que é “mal educado” contra Maria do Rosário acaba se mostrando de caráter respeitável, admirável e exatamente o que queremos para a segurança pública.

Toda a argumentação depende de topoi, incluindo justamente o seu “lugar”. Uma argumentação contra um projeto anti-corrupção vindo do PT é o maior elogio que o projeto pode ter. É como uma nota de repúdio do PCC e do Comando Vermelho a uma ação da polícia – terrível seria um elogio.

O PT, que tanto dominou o marketing político, felizmente não aprendeu a usar a linguagem para tentar uma sobrevida. Mas nem teria como: para poder falar em corrupção, sem ser para a própria militância já fanaticamente convencida, o partido precisaria… não ser corrupto.

—————

Para entender como lidar com o novo vocabulário político, confiram nossa revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Sem mais artigos