Tragédia

A morte de Boechat e a guerra entre abutres e hienas

A tragédia com Ricardo Boechat revelou o pior do ser humano: hienas tentando rir da morte de quem discordam e abutres procurando lucrar numa hora de luto

A morte trágica e precoce do jornalista Ricardo Boechat revelou um dos aspectos mais nefastos do Brasil contemporâneo: pessoas de esquerda e direita que se aproveitaram do acidente para ganhar dividendos políticos.

Surgiram as hienas, tripudiando sobre a morte do jornalista, enquanto os abutres usavam a tragédia para fazer proselitismo ideológico.

Abutres e hienas se aproveitam da morte de Ricardo Boechat

Abutres e hienas se aproveitam da morte de Ricardo Boechat

É sabido que basta morrer alguém ou acontecer uma tragédia pra que logo os abutres rodeiem e façam um escarcéu, para então usar as carcaças em proveito próprio. Desde a múmia de Lênin é assim. A própria idéia de ‘revolução’ nada mais é do que um convite à morte.

Porém os abutres conquistaram a hegemonia no meio cultural, academia, em parte da Igreja etc, conquistando corações, não mentes. Além de comerem restos mortais, eles constróem uma auto-imagem do bem. Usam palavras como ‘social’, ‘direitos’, ‘igualdade’, ‘ecologia’, ‘justiça’ etc para fomentar na impressão dos demais uma aura positiva. E isto funciona.

Abutres e hienas se aproveitam da morte de Ricardo Boechat

Enquanto as hienas apenas riem quando encontram comida, a impressão que causam no espectador é de egoísmo e maldade. As palavras-chave das hienas são ‘individualismo’, ‘liberalismo’, ‘conservadorismo’ etc. As hienas causam repulsa, pois é muito mais difícil explicar para os abutres que ‘individualismo’, filosoficamente falando, é diferente de ‘egoísmo’, e fica fácil para os abutres acusar as hienas de serem ‘malditas conservadoras racistas-fascistas-homofóbicas’.

Não é de hoje que vivemos numa savana ideológica no Brasil. Muito antes das últimas eleições já se evidenciava um sectarismo latente entre a sociedade. As eleições foram apenas um símbolo de uma época, um marco. É certo também que esse sectarismo, a divisão da sociedade entre ‘nós e eles’, gays contra héteros, negros contra brancos, mulheres contra homens etc, foi causado pelos abutres, que pensam deter o monopólio das boas intenções.

Abutres e hienas se aproveitam da morte de Ricardo Boechat

É natural que existam abutres e hienas, por mais repulsivos que sejam, por mais que se odeiem, por mais que não sejam animais que as pessoas tatuam na pele e tomam como símbolos. Sua simbologia remete à podridão, à repulsa. Apesar disso, goste-se ou não, as espécies existem e cumprem alguma função, nem que seja a de inspirar reflexões.

Não entenda errado: não digo que hienas representam a direita e abutres, a esquerda. Apenas afirmo que há abutres e hienas no mundo. Muita gente de esquerda não é abutre e muitos de direita não são hienas.

Abutres e hienas se aproveitam da morte de Ricardo Boechat

Precisamos categorizar nossos inimigos. Há os grandes demônios: Mao, Stalin, Hitler, Mussolini, etc. Esses podem e devem ser humilhados e expostos. Porém há aqueles que, devido a qualquer razão ou emoção, podem discordar natural e civilizadamente entre si. Como afirma Edward Griffin:

“A única coisa que coletivistas e individualistas têm em comum é que a grande maioria deles é bem-intencionada. Querem a melhor vida possível para suas famílias, seus compatriotas, e para a humanidade. Querem prosperidade e justiça para o homem comum. O desacordo está em como conseguir essas coisas.”

Ou seja, coletivistas (socialistas, nazistas, fascistas etc) pensam que o estado irá proporcionar as melhorias almejadas enquanto os individualistas (liberais, conservadores, etc) preferem pensar que dar poder ao estado é que causa as mazelas. Isto é aceitável e natural. Aqueles que divergem intelectualmente de nós não merecem o nosso ódio. Isto é o princípio básico do cristianismo: “Perdoai-os, pois não sabem o que fazem”.

O fato é que ninguém quer ser hiena ou abutre. Nós gostamos de cães, gatos, leões, águias, dragões; até mesmo cobras, aranhas e outros bichos escrotos detêm posição mais privilegiada no nosso conceito.

Boechat - abutres e hienas se aproveitam da morte do jornalista

Sejamos leões, dignos, que comem apenas o conquistado através da justa caça. Ou águias, para voar como os abutres, porém na condição de caçadores com visão aguçada. Escolher ser abutre ou hiena é feio, indigno e fará você comer carniça por toda a vida.

Perdão pelo spoiler: na guerra entre as hienas e os abutres, os últimos vencem, porque as hienas um dia morrem.

—————

Para entender como lidar com o novo vocabulário político, confiram nossa revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Sem mais artigos