Crime

Desajustados tentaram ser amados. Não conseguiram, então tentam ser temidos

O que os desajustados que partem para a imolação querem é justamente aparecerem na mídia como perigosos, temíveis, parrudos e "fortes" pela primeira vez. São apenas losers

É famosíssimo o extrato de Maquiavel, no mais famoso speculum principis do Ocidente, o libreto O Príncipe: é desejável ser amado e temido, mas, caso seja necessário escolher apenas um deles, é mais seguro ser temido do que amado, pois as pessoas temem mais ofender quem se faz temer do que quem se faz amar (Livro XVII). Apesar do choque da exposição, é uma constatação óbvia, que qualquer malandro, ladrão, psicopata, bicheiro, traficante, gigolô e desajustado de menor potencial ofensivo já traz em seu DNA.

Maquiavel foi talvez o principal pensador a definir o que é isso que chamamos hoje de modernidade, inclusive em termos científicos, através de uma manobra simples e drástica: a separação, na ciência política, da prática e da moral. As áreas de estudo passaram a caminhar cada vez mais apartadas, e o que antes era feito como um ato de maldade, falha da carne e queda da graça passou a ser mera descrição “científica”. Os efeitos chocantes foram imediatíssimos.

Os maiores revolucionários do mundo beberam muito da fonte maquiavélica: Napoleão Bonaparte escreveu notas sobre todo O Príncipe, que são consideradas definitivas até hoje. Marx o tinha como um dos seus filósofos preferidos e leitura de cabeceira. Lenin, fidelíssimo a uma lição maquiavélica de tomada de poder de outro príncipe (não deixar seus descendentes vivos), mandou fuzilar toda a família Romanov, incluindo cinco filhos (leninistas pululam com a maior normalidade em qualquer curso de História ou Ciências Sociais hoje). Toda a “filosofia” de Antonio Gramsci, o guru intelectual do PT, é um copy/paste de Maquiavel, falando do Príncipe moderno: o Partido.

Os resultados são conhecidos – embora, como Maquiavel, Marx, Lenin e Gramsci sejam do cânone acadêmico, o exercício mais comum das Universidades seja fugir às suas conseqüências mais inescapáveis, e tratar como “extremista” qualquer posição que torça o nariz para suas idéias.

Não é preciso ser propriamente um leitor de Maquiavel para ser maquiavélico, neste sentido. Qualquer desajustado tentou esta “jornada do herói”. tentou ser amado, just like everybody else does. Tentou ser, afinal, admirado. Ter algum prestígio. Ser reconhecido como um líder. Ser o 01. Habitar os pensamentos de alguém além de si próprio. Ser lembrado.

Quando não se é aceito, um outro sentimento vem junto. Não é um amor que se transforma em ódio, como é comumente dito: é um amor não-correspondido que exige obediência e não aceita a vergonha. No dizer de Dante, um “amor, que ao amado não perdoa o não amar”.

Se não é amado, admirado, nem mesmo acolhido, aceito, ou nem sequer tolerado, ele ainda quererá o mesmo: ser lembrado. Ter algum prestígio. Ser reconhecido como um líder. Ser o 01. Habitar os pensamentos de alguém além de si próprio. Ser lembrado.

Se não pelo amor, pela dor.

—————

Tenha acesso TOTAL ao Brasil Paralelo clicando AQUI:

—————

Erra muito feio quem fala simplesmente em “ódio”, como se fosse pura aversão monomaníaca que gerasse  massacres. É uma vontade de glória, ainda que para mentes doentias. A glória é ser cantado em hinos até muito tempo depois de sua morte. É fazer com que os menestréis do futuro contem a sua história. Se não podem como heróis, tentarão como vilões. É a dúvida de Aquiles na Ilíada: morrer jovem e glorioso na guerra ou velho e esquecido no oblívio? Aquiles tinha uma vida já invejável. A decisão se torna bem mais fácil quando sua vida é de um adolescente solitário e desajustado.

Jornais, hoje, são acostumados ao modelo de stories americano, não à narrativa mítica e arquetípica. É a mania moderna de não dar a notícia, e sim contar uma história: não se diz que o preço do tomate subiu R$ 2, mas que as famílias deixam de comprar carne para comprar tomate, com o bom corte televisivo da casa da dona Cláudia, acompanhando seu interessantíssimo palavrório sobre como o preço do tomate impacta a sua vida, com frases óbvias terminadas em “né?”.

São os artigos que, ao invés de apresentar uma idéia, são compostos por uma introdução que ocupa 90% do espaço contando como se chegou a pensar em escrever aquele artigo. Quando se precisa noticiar algo fora do comum, como assassinos que invadem uma escola e matam crianças, o modelo de narrativa permanece, apesar de ser extremamente nocivo, ao contrário da variação fiduciária da última safra. E tome-se mais posts falando de como há uma “cultura de ódio” por aí, jogando holofote em quem sempre o quis e nunca conseguiu (lembra-se da última cena de Se7en?).

O que um desequilibrado que sai atirando a esmo (a esmo mesmo?) em uma escola quer é justamente esta última glória: ser temível. Parrudo. “Forte”, pela primeira vez em sua miserável existência. É a revolta dos coitados. Jornais, acostumados a narrar bobagens sobre quem conseguiu um milhão de visualizações no YouTube, acabam caindo justamente no último ataque dos desajustados: povoarem a mídia. Serem exemplos. Serem temidos. Serem lembrados. Serem parte da história. Serem odiados por quem antes os desprezavam. Serem, afinal, alguma coisa.

Agora que estão povoados no imaginário coletivo, só resta mesmo serem tratados com hilaridade. Serem motivo de troça. Serem expostos como covardes, abobalhados, incels, fracos, pessoas que ninguém quer ser e ninguém é por escolha própria.

O curioso é que nossa sociedade moderna, ao tentar se apartar de sua origem judaico-cristã, e também da filosofia grega, perdeu a noção do que é um sacrifício. Todos precisamos de sacrifícios: é o que nos permite pensar no amanhã, e não só no hoje. A beleza, a riqueza, a glória – todos estes objetos de desejo, que as ideologias reducionistas querem tratar via controle estatal, todas são obtidas com sacrifícios presentes visando o futuro.

Sacrificar tempo, esforço, trabalho, suor e lágrimas é o que qualquer mujique ou bóia-fria sempre soube fazer. A maturidade, afinal, é adiar prazeres. Afogar o ego e ser útil servindo a algo ou alguém. Na modernidade, apenas sabemos reclamar, nos juntar em fóruns de internet, criar -ismos cheios de linguagem pseudo-científica para nosso recalque e inveja, inventar que, se o mundo não te aceita, é por “gordofobia” ou “patriarcado”, transformar suas tristezas em frases lacrativas com as quais é impossível esconder a vergonha de sua tristeza e sua vontade de um abraço.

Os desajustados que saem matando emulam a linguagem do sacrifício bíblico, falando em “sacrifício sancto” (sic), como se oferecessem Issac ao Criador. São, na verdade, como Caim, que teve seu “sacrifício” sem esforço rejeitado, e matam por inveja de Abel, o pastor, o pecuarista, o altamente protéico.

A tal “educação”, atual panacéia milagrosa, não nos ensina a fazer sacrifícios – nem de sobremesa na Quaresma, que dirá de auto-disciplina, auto-controle e buscar servir a algo maior do que somos. Sem terem aprendido a fazer sacrifícios, os desajustados losers acabam sacrificando a própria vida, levando juntas aquelas que tanto queriam para si.

—————

Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

E faça sua assinatura anual do Brasil Paralelo e tenha acesso a TODO o conteúdo do site!

Sem mais artigos