Pague o aluguel

“Articulação” com a Câmara é apenas corrupção. Vão “negociar” o quê, caceta?

Pode chamar de “negociação”, de “articulação” ou do que for: Câmara só aprovando projeto em troca de favores aos deputados foi que destruiu esse país

Enquanto a população, que parecia ser a mais atingida pela Reforma da Previdência (pelo corte de privilégios pensando nas futuras gerações), já apoiou a Reforma da Previdência, congressistas, liderados por Rodrigo Maia, não param de falar em uma tal “articulação” e numa necessidade de “negociar” que é repetida pela mídia para poder votá-la. 

Ou, traduzindo esses termos que grudam, todos repetem  feito papagaio de pirata por umas semanas sem perceber o significado e depois esquecem: congressistas querem troca de favores, toma-lá, dá-cá, se lixar para os anseios do povo e pensar apenas no próprio umbigo, usar o Parlamento não para parlamentar e tentar convencer, mas apenas como balcão de negócios, abrir a porteira da corrupção e do divórcio com os interesses do povo, trocando-o pelos interesses do parlamentar. 

Em resumo, aquilo que destruiu esse país. Tudo sob palavras bonitinhas e que soam técnicas, avançadas, chiques, inteligentes e até mesmo elevadas, como “articulação” ou “negociação”.

Como assim, “negociação”? O que deputados como Rodrigo Maia falam abertamente, e agora sob aplausos da mídia (só porque é o Bolsonaro), é que quer o dele. É que só vai votar um projeto de suma urgência para o Brasil, como a Reforma da Previdência, em troca de dinheiro para gastar, e de apoio para projetos que podem não ser tão importantes.

“Ah, mas e o hospital na região tal?”, questiona o apressado. Ora, se o hospital é mesmo importante, por que precisa ser votado em troca de algo? Tem de ser votado por ser bom, não porque um deputado vai lucrar com isso. A idéia de parlamentar é isso: conversar e convencer. Não trocar favores. 

Para não falar daqueles favores tão típicos da política brasileira. Devemos lembrar que o mensalão começou assim: votos em troca de uma mesada. É preciso comprar o Congresso inteiro, os “300 picaretas com anel de doutor”, como admoestava o chefe da quadrilha, hoje preso? Não: a esquerda vota esquerdamente, a direita, ou o que existia de anti-esquerda na época, contra. Basta comprar os deputados do centrão, os fisiológicos que nunca leram um livro de filosofia política na vida, que não sabem se é para privatizar ou estatizar, se é para colocar bandido na cadeia ou negociar – apenas sabem que querem estar no poder. Uma mesada nas mãos destes e o governo tinha todo o poder nas mãos.

—————

Faça sua assinatura do Brasil Paralelo neste link para o lançamento do documentário 1964: O Brasil entre armas e livros e ganhe um e-book exclusivo!

—————

O mensalão até hoje não foi compreendido como o que é: não era apenas corrupção – aliás, corrupção era a menor parte do problema. A grande desgraça que foi o mensalão é que o governo do PT, à época, queria passar projetos que não convenceriam sozinhos. E com o Legislativo simplesmente obedecendo o Executivo, tínhamos praticamente a definição de ditadura na modernidade. Não fosse uma mesada atrasar para Roberto Jefferson e hoje viveríamos numa Venezuela – com um Parlamento que apenas faz papel teatral de obedecer às ordens de um líder no Executivo.

E quem se lembra de Severino Cavalcanti? Fruto do centrão (num momento em que o PT não conseguiu indicar seu candidato), governou a Câmara por meses sem que o país se sentisse representado – pelo contrário, se sentia ameaçado. Renunciou ao mandato sob nova denúncia de um mensalinho – no Brasil, uma renúncia te deixa com a ficha limpa. 

O próprio Rodrigo Maia é fruto da continuidade da política brasileira: filho do controverso Cesar Maia, envolto em acusações de improbidade administrativa, é também genro de Moreira Franco, preso com Temer (ou, no dizer de Maia, “Moreira Franco não é meu sogro, é casado com a minha sogra”). Um histórico um tanto quanto “inegociável”.

O que Rodrigo Maia quer pode não ser um mensalão nem corrupção, mas é a típica e imoral troca de favores: atrapalhar um pouco o governo em troca de aceitar algo. Não se conversa – não se parlamenta – no Parlamento brasileiro, e sim se troca favores. Isso não é cuidar dos interesses do povo, e sim dos parlamentares. 

Os leitores da nossa revista sabem que o estilo de governo de Bolsonaro, que surpreende a todos os que não aprenderam nada com o mundo nos últimos 5 anos, não é o tradicional – aliás, todos já deveriam saber, depois de tudo o que aconteceu no planeta nos últimos 2 anos. Não há negociação de cargos, não há nem sequer uma tentativa de manter a imagem de gestor ou de bom moço: o que um deputado mais teme, depois de ser preso, é não ser reeleito.

Enquanto a velha política, consubstanciada em Rodrigo Maia,  está pronta para tentar lucrar às custas do país, Bolsonaro, mesmo indo duas vezes ao Congresso em tão pouco tempo (fato inédito na República), prefere muito mais obter apoio popular direto via Twitter para a reforma, apostando que os deputados que tentarem travar o país podem ter sua imagem destruída perante seus eleitores. Um senador tucano disse que Bolsonaro trata o Congresso como um quartel. É exatamente o pensamento.

A estratégia do centrão é sempre esgarçar o governo até o limite. Querem passar de deputados a ministros, controlar orçamentos, ter apoio para projetos de somenos relevância que favoreçam mais o deputado do que o povo. Com palanque e dinheiro, se reelegem facilmente. Ou assim funcionava na Nova República, hoje em sério risco. 

Rodrigo Maia nem se vexou a falar mal inclusive do mais popular ministro do governo, Sérgio Moro, chamando-o de “mero funcionário de Bolsonaro”. Sobre o modelo de Bolsonaro governar diretamente com o povo, Maia retrucou: “a Câmara não é cartório para registrar queixas do povo” (?!). E adicionou: “a Câmara e seus deputados são soberanos…”, ao que foi contestado por um internauta: “soberano” não se elege, já nasce soberano. 

Como dizer que é o o presidente quem atrapalha a Reforma depois disso?

Essa “negociação” toda vai render algo de bom a Bolsonaro? Ao Brasil? Pode até passar a Reforma da Previdência – mas a qual custo? 

Porque sempre há um momento em que a conta vem, e ao invés de sorrisos e afagos, além de palavras bonitas como “articulação política” ou “negociação”, vem apenas a rígida mão da fatura.

Rodrigo Maia cobra o aluguel

—————

Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

E faça sua assinatura do Brasil Paralelo para o documentário 1964: O Brasil entre armas e livros.

Sem mais artigos