Terceiro episódio

Explicando a briga 3: As denuncias e o contra-ataque de Santos Cruz

Após reveladas as denuncias contra Santos Cruz e o seu plano para destruir a reputação de Olavo de Carvalho, o ministro viajará para Dallas junto com Bolsonaro, além de seu ministério adquirir mais poder no governo. Será um contra-ataque de Santos Cruz?

Publicidade

No capitulo anterior, o Senso Incomum explicou os ataques de Santos Cruz a Olavo de Carvalho e a denúncia do Crítica Nacional.

No episódio de hoje, novos personagens e situações inesperadas entram para o enredo.

Olavo de Carvalho grava um vídeo explicando, de maneira breve, a cronologia dos fatos e a cortina de fumaça que levantaram para desviar o foco do ato criminoso de Santos Cruz, de acordo com o Critica Nacional:

“Por que a mídia inteira e alguns senadores loucos estão defendendo o general Villas-Boas contra ofensas que NUNCA lhe fiz? Que farsa idiota é essa? A quem serve?”

O Critica revelou documentos – prints da conversa e email – que o general Escoto, em nome do ministro Santos Cruz, exige de Letícia Catelani a liberação de verbas para a participação brasileira em um festival de cinema no exterior:

prints - whatsapp - Apex - denuncia - Santos Cruz - general Escoto prints - email - Apex - denuncia - Santos Cruz - general Escoto

O general Escoto, para O Antagonista, respondeu as acusações:

“quando o embaixador me ligou, entendi que era uma coisa que o Planalto queria a gente apoiasse, que resolvesse logo.”

Por que o Bolsonaro falaria para Santos Cruz, da SECOM, fazer uma ingerência na APEX, um setor que não é da SECOM, para liberar verbas ao sindicato de produtores audiovisual que são contra o governo e acreditam que Bolsonaro é fascista? Não faz nenhum sentido! O que leva crer que o gen. Escoto foi enganado ou sabia de algo.

Após esse episódio, Olavo se ausentou alguns dias das redes sociais, apenas concedeu uma entrevista a Boris Casoy, da RedeTV:

Em primeiro lugar, invoco o testemunho do  próprio gen. Villas Bôas, pergunte para ele: gen. Villas Bôas, o sr. recebeu alguma resposta ofensiva de Olavo de Carvalho?

Santos Cruz também se ausenta de comentar qualquer assunto sobre as denuncias de Letícia Catelani e as acusações de Olavo de Carvalho.

Enquanto isso, as revistas Istoé e Veja simultaneamente atacaram o filósofo o chamando de imbecil a bobo da corte, além de culpá-lo por todos os desmandos da república:

Istoé, Veja, Olavo de Carvalho

Para variar, Lobão também se alista no exercito contra Olavo de Carvalho:

Tudo ainda fica mais estranho ao saber que duas semanas antes, Lobão envia um e-mail fraterno a família Carvalho:

Lobão sempre pediu paz na direita e atacou Olavo o chamando de farsa. Por que apagou o incêndio com gasolina? Por que preferiu o ataque público do que resolver no privado? Não se sabe o real motivo.

Lobão - Olavo de Carvalho - Jair Bolsonaro

No domingo, a Folha comprovou aquilo que Olavo disse sobre os generais usarem Villas Bôas para atacá-lo e diminuir sua credibilidade pública, todo esse plano foi feito às escuras sem a autorização ou conhecimento do presidente Bolsonaro:

A aposta era de que, por conta da credibilidade do general, o escritor fosse criticado pela opinião pública caso fizesse provocações contra ele. Para que a iniciativa não fosse brecada, o presidente não foi informado.


Por que Folha, que é descaradamente contra Olavo, resolveu confessar o planos dos generais e mostrar que o escritor está certo? Existe algum interesse?

Após a Folha transparecer o planos dos militares, o governo aparentemente está num momento de calmaria antes da tempestade, como o próprio Bolsonaro disse:

“Talvez tenha um tsunami na semana que vem”

Alguns especulam que possa ser a demissão de Santos Cruz:

Parece que o tsunami foi “atrasado” devido a viagem internacional de Bolsonaro aos EUA e a greve dos professores contra a reforma da previdência. De qualquer forma, Mourão rompe com o seu silêncio e faz questão de comentar um possível boato do presidente sobre demitir Santos Cruz:

“Eu acho o general Santos Cruz um cara excepcional. São decisões do presidente”

O Porta-voz da presidência, Rêgo Barros, também fez questão de desviar o foco do boato:

“A nomeação e exoneração de qualquer ministro é uma atribuição do senhor presidente da Republica. Esse assunto não está na pauta nesse momento. Por isso, o presidente comigo não fez nenhum comentário”,

O Antagonista revelou que no Agrishow, em 29 de Abril, numa reunião particular com alguns ruralistas, Bolsonaro teria dito as seguintes palavras:

“Olavo está certo, os militares estão contra mim.”

Se essa informação for verdadeira, o presidente Bolsonaro, o supremo comandante das Forças Armadas, entendeu a disputa de poder que o cerca no Palácio do Planalto.

Para aumentar ainda mais a tensão antes do tsunami, Carlos Bolsonaro aponta um plano para derrubar o presidente:

Em uma publicação feita hoje (15), o presidente Bolsonaro definiu que nomeações para cargos em comissão e funções de confiança terão de passar pela Secretaria de Governo, ministério comandado por Santos Cruz. Essas atribuições só começarão a valer a partir de 25 de junho.

Além disso, o ministro viajará para Dallas junto com Bolsonaro.

Será que isso significa a permanência definitiva de Santos Cruz? Será que o ministro ficará após as denuncias de Leticia Cantelani e o plano revelado pela Folha? Será que esse é um contra-ataque de Santos Cruz?

Olavo de Carvalho, em entrevista ao Critica Nacional, declara que irá se ausentar temporariamente do debate político nacional:

Faça a sua aposta:

Continua no próximo episódio…

Ouça o podcast do Senso Incomum sobre os militares no governo:

Não esqueça de assistir o novo vídeo dos Brasileirinhos:


Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Assine o Brasil Paralelo e tenha acesso à biblioteca de vídeos com mais de 300 horas de conteúdo!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Não perca o curso Ciência, Política e Ideologia em Eric Voegelin, de Flavio Morgenstern, no Instituto Borborema!

Sem mais artigos