Ciberwar

Paulo Guedes e Joice hackeados: ou fazemos algo, ou o verdevaldismo virou ditadura

Em menos de 48 horas, dois membros do governo Bolsonaro tiveram seus celulares hackeados. Nada equivalente aconteceu na era petista

Publicidade

Em menos de 48 horas, dois membros do governo Bolsonaro tiveram seus celulares hackeados. Fato aparentemente inédito na história do país.

A deputada federal do PSL-SP, Joice Hassealmann, teve seu aparelho de celular invadido e clonado na madrugada deste domingo. Joice disse que provavelmente foi alvo da mesma gangue que invadiu o celular de Sergio Moro e de outros procuradores da Justiça Federal.

 

 

Paulo Guedes, ministro da Economia, também teve seu aparelho clonado , conforme aviso emitido pela assessoria de imprensa do ministro na noite desta segunda-feira. Conforme as imagens abaixo, o hacker criou uma conta no aplicativo Telegram e sabia quem era Gabriela Valente e Daniella Marques Consentino, assessoras de Paulo Guedes. O que mostra que o hacker conhece as pessoas que trabalham com o ministro, o que torna a situação mais perigosa.

hacker-paulo-guedes-telegram

hacker-paulo-guedes-telegram

 

Um tanto incomum ver esse padrão de ataque contra ministros e deputados que apoiam o governo Bolsonaro. Nada até então parecido com os governos anteriores.

Desde o momento em que os celulares da equipe da Lava Jato foram hackeados, esse tipo de ataque tem se tornado comum. Para variar, a imprensa não se escandalizou com tal fato, pelo contrário, continua apoiando, com força e vigor, Verdevaldo e sua trupe.

Não se vê o mesmo impeto na busca de como as mensagens do Intercept foram adquiridas, nem os erros cometidos na edição o que, de fato, deveria levantar algumas suspeitas de um site que diz ter a fonte original das conversas e precisa editá-las. A imprensa não se importa, ela se acha a própria justiça e a moralidade

A balança de senso moral da imprensa está desequilibrada, pois o mesmo critério é aplicado de maneira desonesta ao Pavão Misterioso. Porque, assim como o Intercept, trouxe provas por fontes ilegais, provavelmente não editou as mensagens e trouxe os prints para o mundo ver. No entanto, o Pavão foi solenemente ignorado pela imprensa e por aqueles que vestem a toga.

Agora imagine se o hacker adquire conversas sigilosas de Paulo Guedes e entrega a algum aventureiro, como o Intercept, que queira usar para fazer uma matéria escandalosa para tentar remover o ministro?

Por que provas de fontes ilegais podem ser usadas contra o ministro Sergio Moro e não contra Verdevaldo? A lei não é para todos?

A lei é para todos, mas a imprensa faz torcida e a sua cor é vermelha. Como disse mui sabiamente a deputada Bia Kicis: “O PT saiu do Planalto, mas não saiu do poder”.


O que aconteceu com Joice e Guedes pode ser um vislumbre de um novo tipo de atuação jurídica no país, o verdevaldismo será implantado contra todos aqueles que não estão de acordo com uma política progressista.

Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Não perca o curso Ciência, Política e Ideologia em Eric Voegelin, de Flavio Morgenstern, no Instituto Borborema!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Assine o Brasil Paralelo e tenha acesso à biblioteca de vídeos com mais de 300 horas de conteúdo!

Publicidade
Sem mais artigos