bun bun bundão

Filho de Kakay sobre Adélio: “Devia ter girado a faca direito”

Enquanto isso, a esquerda paz e amor está indignada com mensagens sobre a morte de Marisa Letícia

Publicidade

A esquerda não costuma aceitar bem as derrotas que sofre. Talvez seja por isso que, nos regimes socialistas, tantos dissidentes tenha sido emparedados, fuzilados e apagados da história.

Pedir a morte dos adversários é procedimento padrão na esquerda paz e amor, tão tolerante que é ao diferente. Vinícius Portella, filho do advogado do PT, Kakay, postou, na sua rede social, que Adélio deveria ter girado a faca direito.

filho-kakay-crime

Para a esquerda, a morte é um procedimento político que deve ser usado para reforçar as suas narrativas. É por isso que vimos a comoção criada com a morte de Marielle e o silêncio diante de tantas outras mortes. Nesse momento, os exploradores de defuntos estão nas redes sociais indignadíssimos com as mensagens trocadas entre os procuradores da Lava Jato sobre a morte de Marisa Letícia, esposa do maior criminoso do universo.

Aos ingênuos, que ainda acreditam no discurso de paz e amor da esquerda, ficam esses exemplos.

Como comentou, Roberto Alvim, num Guten Morgen, o que o tirou de vez do silêncio foi quando, na estreia de uma peça sua, ouviu gritos de comemoração. Ao perguntar o motivo da comemoração, descobriu que era porque Bolsonaro fora esfaqueado.

Isso é tudo o que você precisa saber sobre os falsos defensores dos oprimidos.

 

————–

Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Não perca o curso Ciência, Política e Ideologia em Eric Voegelin, de Flavio Morgenstern, no Instituto Borborema!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Assine o Brasil Paralelo e tenha acesso à biblioteca de vídeos com mais de 300 horas de conteúdo!

 

Publicidade
Sem mais artigos