Podcast

Guten Morgen 85: Por que comemorar a Independência do Brasil – com Evandro Pontes

No seu podcast preferido, Evandro Pontes explica o gênio que foi D. Pedro I e o que estava em disputa quando o grito do Ipiranga nos libertou da maior tirania do século XIX

Publicidade

Guten Morgen, Brasilien! Em mais uma aula de história – o tema preferido de 11 em cada 10 ouvintes do Guten Morgen – chamamos novamente o Tio Careca, o grande Evandro Pontes, para comentar um dos temas mais obscuros e que, na verdade, nada sabemos sobre nossa história: afinal, por que devemos comemorar a Independência do Brasil de Portugal, celebrada no 7 de setembro?

Afinal, não temos passaporte europeu, não ganhamos em euro, nossos times não jogam na Champions League… então, que motivos temos para comemorar a Independência do Brasil?

A grande verdade é que nada sabemos sobre essa data. Dá até impressão de que a Independência foi decretada apenas por preguiça de mandar cartas para Portugal. Falando em cartas, D. Pedro I havia recebido cartas que o deixaram p da vida, e aí que deu-se o famoso e difamado grito do Ipiranga. O que essas cartas diziam, que o deixaram tão emputecido?

Diga-se ademais: a figura de D. Pedro I é a mais destruída pela historiografia brasileira moderninha. Retratado como alguém burro, incapaz, atrapalhado, mimado e grosseiro, D. Pedro I talvez tenha sido não apenas alguém inteligente, sagaz, exímio jogador de xadrez e que se sacrificou (literalmente) por uma causa maior, mas talvez possa ser considerado simplesmente nosso maior herói nacional.

Por que não sabemos disso? Por que nada sabemos sobre a Imperatriz Leopoldina ou sobre D. João VI, capaz de passar a perna em ninguém menos do que Napoleão Bonaparte, que não conseguiu dominar Portugal durante as guerras napoleônicas e deixou o baixinho a ver navios (literalmente) em seu ímpeto de espalhar a Revolução Francesa e o Código Napoleônico por toda a Europa continental, antes de enfrentar seu maior inimigo, a conservadora e liberal monarquia britânica com sua armada imperial pelos mares?

O próprio Grito do Ipiranga é difamado pela historiografia moderna: D. Pedro I estaria com uma disenteria brutal, não teria dado grito algum e estaria montado em um jegue. Será que isso é verdade?

Em uma verdadeira aula de história e Direito Constitucional, Evandro Pontes contará por que a Independência do Brasil foi tão importante, por que D. Pedro I foi um homem a ser admirado e ter monumentos dedicados a si por todo o país, o que estava sendo disputado no começo do século XIX e por que deveríamos nos orgulhar de ter um imperador capaz de criar, na época, a melhor faculdade de Direito do mundo em Olinda.

Aliás, você também entenderá por que devemos tanto celebrar uma instituição hoje considerada folclórica e ultrapassada: a própria monarquia, de nossos heróis como Leopoldina, D. Pedro I e II, princesa Isabel, D. João VI…

A produção é de Filipe Trielli e David Mazzuca Neto no estúdio Panela Produtora, com produção visual de Gustavo Finger, da Agência PierGuten Morgen, Brasilien!

————–

Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Não perca o curso Ciência, Política e Ideologia em Eric Voegelin, de Flavio Morgenstern, no Instituto Borborema!

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Assine o Brasil Paralelo e tenha acesso à biblioteca de vídeos com mais de 300 horas de conteúdo

Publicidade
Sem mais artigos