História

O AI-5 foi uma RESPOSTA a assassinatos de esquerda para implantar uma ditadura comunista

Basta "estudar história": não houvesse guerrilha armada de esquerda para implantar o comunismo de Mao Tsé-tung, não haveria AI-5 nem ditadura. É tão simples quanto parece

Publicidade

Eu não gosto do jeito dos Bolsonaros – todos eles – de render loas a militares a porcaria do tempo todo. Aliás, foi um dos maiores erros de análise no Brasil de Olavo de Carvalho: defendeu a honra das Forças Armadas por décadas, sendo o único no país inteiro a se importar com o fato de as Forças Armadas terem uma honra, quando a ordem era sempre tratar militares como bactérias dentro de um verme. Foi aparecer um governo de direita com militares, e foram justamente os milicos que xingaram Olavo dia e noite, acusando-o de ser guru de uma seita extremista.

Os Bolsonaros não precisa ficar incensando Médici, Geisel ou um tresloucado como Figueiredo a cada 5 minutos. Mesmo Castelo Branco e Costa e Silva possuem muitos “senões”.

Aliás, uma das grandes burrices dos intelectuais brasileiros é tratar todo o regime militar como um bloco monolítico, quando justamente alas opostas dos milicos ficaram com o poder nas mãos durante os 21 anos – e se temos militares fãs de Aldo Rebelo hoje, e também Mourão, Heleno e Santa Cruz, imagine tratá-los como uma homogeneidade. Ou alguém aí sabe que a política externa de Lula foi quase cópia… do nacionalismo anti-americanista, brega e pró-Terceiro Mundo de Costa e Silva?

E Bolsonaro – e também Olavo – precisam explicar o que querem dizer com “movimento de 64”, que falam presumindo que sua platéia de 200 milhões de pessoas concorda com os termos e coaduna de seus significados, o que não é verdade. A Marcha da Família com Deus pela Liberdade, que foi o movimento de 1964, era justamente contra o risco de uma ditadura socialista no Brasil, pregando abertamente por democracia. O que veio depois do AI-5 foi uma deturpação do movimento de 1964.

Marcha da Família com Deus pela Liberdade antes do AI-5Assim, Jair Bolsonaro nunca se faz claro quando defende 1964 (e exatamente por isso não se defende outros anos). E gosta de falar frases que, na prática, nem têm sentido, como chamar Ustra de “o terror de Dilma Rousseff” (Ustra e Dilma nem sequer devem ter cruzado seus caminhos durante a ditadura, e a frase vira mero chiste para jornalistas passarem meses em seu virtue signaling mais cafona).

Bolsonaro ainda tem o vezo de elogiar qualquer ditador, desde que seja anti-socialista, como Pinochet (potestas sine autoritatem). É preciso ficar claro e óbvio que qualquer ditadura no planeta matou menos do que os comunistas, mas nem por isso precisamos tratar ditadores rivais como “heróis”. No máximo dos máximos como úteis.

A própria ditadura militar brasileira tem como único mérito ser anti-comunista: estatólatra, autocrática e, um dos piores xingamentos que se pode fazer, positivista, ao invés de entregar eleições em 6 meses como queria o povo brasileiro na Marcha da Família de 64 (que reuniu 1 milhão de pessoas quando o Brasil tinha menos de um terço da população atual), ficou aboletada no poder, criando mastodontes dos quais até hoje não conseguimos nos livrar, como Sarney, Maluf, 90% do DEM e todos os coronelismo, sobretudo no Nordeste.

Pouca gente sabe, mas o AI-5 foi fruto de uma vingança militar contra um discurso do deputado Márcio Moreira Alves (que já vinha com o discurso de “tortura” pronto). Em 2 de setembro de 68, o deputado sugeriu que se boicotassem os desfiles de 7 de setembro, e sugeriu a greve Lisístrata (sic), para as esposas dos militares não furunfarem enquanto não fosse restaurada a democracia. Se nossos professores esquerdistas de História fossem minimamente cultos, deitariam e rolariam nessa.

Hoje, aspectos culturais brasileiros que são dados como “naturais”, são na verdade fruto da ditadura – inclusive os mais arrogados pela esquerda, como o vício em “diplomas” (tecnocracia), os “estudos científicos” (positivismo), os cursos técnicos substituindo a formação liberal humanista, o anti-americanismo chumbrega, a política baseada em gigantes construções de concreto armado para lidar com desemprego e infra-estrutura (Lula é só um Maluf em larga escala).

Eduardo Bolsonaro, que também sempre comenta sobre 1964 até quando não precisa, causa o mesmo efeito: só convence quem já está convencido, causa estranhamento em quem não entende – e quem no Brasil teve um professor de história que não teve um Che Guevara em nanquim sem tons de cinza tatuado na nádega esquerda enquanto explica trotskysmo?

Marcha da Família com Deus pela Liberdade antes do AI-5Mas, isto posto, uma coisa precisa ser entendida neste país de uma vez por todas: o governo militar, o AI-5, todo o regime de exceção que se seguiu, foi uma resposta a terrorismo, assassinatos, seqüestros, assaltos a banco e luta armada da esquerda, que já engrossava o caldo desde pelo menos 1961, partindo para medidas mais ousadas, como seqüestros de aeronaves e até do embaixador americano no Brasil, após o golpe.

O terceiro caso sobre discussão de AI-5 recente é emblemático: Paulo Guedes comentou que Lula clama por uma agitação de nítido caráter socialista (José Dirceu já falou que “voltarão” com a bandeira socialista). Afinal, Lula até compara a agitação que quer com a do Chile, que está criando uma nova Constituinte vindo da oposição, com mais de 100 mortos, fechamento de aeroportos internacionais, depredação e incêndios de igrejas. Em resposta a isso, disse para não se assustar se pedirem um AI-5.

Encontre o sujeito da frase, jornalista. Paulo Guedes pediu um AI-5? Não. Paulo Guedes defendeu um AI-5? Não. Paulo Guedes viu como algo positivo e desejável que alguém (repetindo, jornalistas: A-L-G-U-É-M) peça um AI-5? Não. Ainda colocou uma negatividade: “não se assustem se”. Só mesmo jornalista e uma camorra de tamanho continental “alfabetizada” por Paulo Freire não consegue encontrar o sujeito da oração simples, e interpreta como uma defesa da ditadura.

Quer falar de ditadura? Então vamos lá. Tente ler o Manifesto da ALN e do MR-8 de 4 de setembro de 1969, quando seqüestraram o embaixador americano Charles Burke Elbrick. Alguma menção à “democracia”, tão alardeada hoje? Um pedido por liberdade de expressão, de voto livre, de sopesamento entre poderes (hoje tão na moda entre socialistas e a nova esquerda, a isentoleft)? Não, eles se arvoraram logo no primeiro parágrafo em se orgulhar descrevendo o que eles próprios faziam:

Grupos revolucionários detiveram hoje o Sr. Charles Burke Elbrick, embaixador dos Estados Unidos, levando-o para algum lugar do país, onde o mantêm preso. Este ato não é um episódio isolado. Ele se soma aos inúmeros atos revolucionários já levados a cabo: assaltos a bancos, nos quais se arrecadam fundos para a revolução, tomando de volta o que os banqueiros tomam do povo e de seus empregados; ocupação de quartéis e delegacias, onde se conseguem armas e munições para a luta pela derrubada da ditadura; invasões de presídios, quando se libertam revolucionários, para devolvê-los à luta do povo; explosões de prédios que simbolizam a opressão; e o justiçamento de carrascos e torturadores.

Na verdade, o rapto do embaixador é apenas mais um ato da guerra revolucionária, que avança a cada dia e que ainda este ano iniciará sua etapa de guerrilha rural.

Oh, que jovens idealistas tão fofinhos assaltando bancos, roubando armas de quartéis, invadindo presídios, explodindo prédios e “justiçando” até os amiguinhos traidores (ouça o episódio Justiçamentos de esquerda na ditadura, do nosso podcast Guten Morgen) para arrecadar fundos para transformar o Brasil nos campos de extermínio de Pol-Pot! Quantas vezes lemos sobre estes anos nas aulas de História, mesmo? Quantas vezes isto caiu no vestibular?

“Ah, sou contra a ditadura” virou o mote arquetípico da esquerda. O seu mito fundador. Tudo o que a esquerda soube fazer no Brasil foi dizer que lutou contra a ditadura – logo, deve ser composta apenas de anjos incorpóreos. Roubou no mensalão? Opa, eu lutei contra a ditadura. Mandou dinheiro para Cuba? Mas veja bem, aqui, eu lutei contra a ditadura. Cantou a Internacional Socialista no último encontro do Foro de São Paulo? Ah, mas eu lutei contra a ditadura. Mandou matar o Celso Daniel? Mas eu lutei contra a ditadura.

Ora, só existiu ditadura porque a esquerda queria implantar o totalitarismo socialista. Não o Estado de Bem-Estar Social nórdico. Não era um Bolsa-Família e um banheiro pra traveco. Era uma esquerda stalinista e maoísta querendo implantar no Brasil o regime da Coréia do Norte, do Camboja, da China, da União Soviética, baseados em trabalho escravo, supressão de todas as liberdades, implantação de partido único, genocídio de fazer Hitler parecer um iniciante.

Falavam em luta de classes, em ditadura do proletariado (ou essa expressão também é invenção do guru astrólogo Olavo de Carvalho?). E faziam isso matando gente, seqüestrando, explodindo carro-bomba em quartel, arrancando pernas de pessoas em aeroporto no Recife ou na Avenida Paulista.

E quem fazia isso? Loucos do passado que os esquerdistas “democráticos” de hoje repudiam? Não. Dilma Rousseff. José Dirceu. José Genoino. Toda a turma aboletada no PT e no PSOL. Estavam de armas em punho, ameaçando a população inocente, sonhando em torná-los escravos de sua ditadura do proletariado.

Marcha da Família com Deus pela Liberdade antes do AI-5Dilma e Dirceu chamam-se de “companheiros de armas” abertamente, sem nenhum mochicho de reprovação de jornalistas. Dirceu já se negou a responder se já matou alguém, dizendo que vai falar sobre isso em futura auto-biografia. Nenhuma moção de repúdio da OAB, nada de todos os comentaristas políticos do país passarem o dia reclamando do absurdo, nenhum pedido do PSOL para perda de mandato.

Diga-se mais: o próprio Ustra, o “torturador”, foi condenado em um processo em que uma vítima diz apenas ter… reconhecido sua voz. Esta é toda a “prova” contra o grande “monstro”. E basta escarafunchar um pouco em 90% de cada caso famoso de tortura na ditadura para encontrar “erros” parecidos.

Por que a violência de esquerda é “esquecida” nos livros de história? Por que falam da esquerda como jovens visionários “lutando contra a ditadura”, sendo que a ditadura militar brasileira, já chamada de “ditabranda” pela própria Folha (e que ditadura no mundo foi mais branda?), só existiu graças a ela? Ou seja: não houvesse luta armada, não houvesse guerrilha urbana, adeus, ditadura! É uma equação tão simples quanto parece.

Se ainda fosse apenas uma questão pontual da história – quem começou a pancadaria? – ainda poderíamos nos fingir de patetas (é o que a população sob o socialismo sempre é) e fingir que é só uma querela acadêmica. Mas toda a narrativa, os valores, as referências da esquerda brasileira dependem inteiramente disso (vide como sempre defendem Dilma tratando a terrorista que assaltava cofres como alguém que “lutou contra a ditadura e foi torturada”).

Acha que a esquerda falando hoje em “falta de decoro” repudia Carlos Marighella? Não, transforma o guerrilheiro marxista-leninista (ou seja, stalinista) de sobrenome italiano, que escreveu um manual de como assaltar bancos e explodir pessoas, como um negro em filmes (a esquerda hoje é mais identitária do que Hitler). Miriam Leitão, tão assustada com a fala de Eduardo Bolsonaro sobre o AI-5, fazia parte de um grupo terrorista que aplicava suas técnicas.

E que tal Mauro Iasi? Que bonito falar com direitistas dirigindo-lhes estas palavras de amor: “nós estamos dispostos a oferecer para você o seguinte: um bom paredão, onde vamos colocá-lo na frente de uma boa espingarda, com uma boa bala, e vamos oferecer, depois de uma boa pá, uma boa cova”. Transcriação de um poema de Bertold Brecht, ele disse. Imagine Bolsonaro dizendo que com a esquerda só podemos lidar com espingarda, bala, pá e cova?

O PCB já praticava “justiçamentos” de quem considerava “traidores” desde a década de 30, como Tobias Warchavski (de 17 anos) em 1934, ou Walter Fernandes da Silva, que tentou salvar Tobias, um ano depois. Isso depois de Coluna Prestes (criticada por uma jornalista de extrema-esquerda, como Eliane Brum), as Ligas Camponesas na década de 40, mas que se fortaleceram a partir de 59 (após Francisco Julião visitar a União Soviética), a luta armada violentíssima a partir de 62, nas mãos do PCdoB, hoje capitaneado pela fofinha Manuela Land Rover Dávila, vice na chapa de Haddad.

E isso tudo antes de 64! Para não falar nas bombas no aeroporto de Guararapes em 1966, além de outras seis bombas só em Recife, a guerrilha rural (Bolsonaro passou a vida falando da guerrilha do Araguaia), Carlos Marighella, Carlos Lamarca, a criação da VPR-Palmares, o assalto ao Hospital Militar do Cambuci, atentado a bomba no Consulado Americano de São Paulo, o atentado ao QG do II Exército com a morte de Mário Kozel Filho (com participação indireta [?] de Dilma Rousseff), as “jornadas de junho” (sic) de 68, com queimas de carros e bombas, a morte do estudante Edson Luís, o “justiçamento” do capitão do exército americano Charles Chandler, o “justiçamento” do major do exército alemão Edward Maximilian von Westernhagen, o assalto ao trem pagador (com participação do motorista de Marighella, Aloysio Nunes Ferreira, futuro ministro de FHC e Chanceler de Temer)…

Ah, tudo isso foi antes do AI-5.

Toda a esquerda é baseada nisso. Todo o “horror” a Bolsonaro criado por um complexo de professores, jornalistas e intelectuais, todos em uníssono negando o terrorismo de esquerda no Brasil, é baseado em tratar como “ditadura” apenas a ditadura militar, negando que ela foi uma resposta. Como se o Brasil estivesse em plena democracia, tudo lindo, e os militares, sem mais o que fazer, acordassem um dia e dissessem: “Vamos dar um golpe?”, sem motivo algum. E tudo o que tentam imputar a Bolsonaro, abusando de seu temperamento colérico e irritadiço, é, de domingo a domingo, compará-lo a ditadores.

Um corolário ainda mais curioso desta pantomima assassina é que a esquerda pode fazer tudo contra Bolsonaro ou qualquer conservadorismo, real ou suposto, que estará lutando “contra a ditadura”. Para implantar um totalitarismo brutal, basta dizer que seu inimigo que é um ditador.

Por exemplo, um esquerdista pode falar em “violência revolucionária” e que está “sedento de passar na faca todos os inimigos” (sic). Nenhuma notinha nos jornais. Mas se você der um tapinha na cara desse perigoso elemento para a sociedade, o ditador é você.

Mesmo o senador Humberto Costa (PT-PE) pode ameaçar o país deste jeito: comparando com o Chile, onde a esquerda está matando centenas, onde uma nova Constituição é feita queimando-se prédios públicos e igrejas. Algum esgar de lamento? De furdunço? De polêmica nacional?

O pior de tudo: apesar de Eduardo Bolsonaro, como todos os Bolsonaro, adorar soltar frases pouco refletidas, no caso da entrevista para Leda Nagle, mais uma vez, até sua frase está correta quando é vista inteira: ou seja, se a esquerda quer criar um Estado de sítio (e está pregando abertamente, como se vê acima), pode ser que a resposta seja, afinal, uma resposta militar.

Você já reparou como sempre que um esquerdista fala em “democracia”, a palavra mais mal usada de todo o vocabulário político mundial, ele está querendo dizer “comunismo”?

Ou se enfia na cabeça de uma vez que o AI-5, afinal, foi uma resposta, ainda que dada por péssimas pessoas com péssimas conseqüências, ou ficaremos eternamente amuadíssimos e fazendo uma choradeira ridícula por cada comentário anti-luta armada de esquerda no Brasil, enquanto tratamos com a maior normalidade da vida gente que explode inocentes e se orgulha de querer implantar comunismo maoísta.

Os Bolsonaro tem o terrível vezo de defender um bando de tecnocratas impostores e traidores do povo por não serem vermelhos. Mas todo o ataque de mimimi com o AI-5 sempre revela uma falsa equivalência: só na minúscula Cuba, com a população da cidade de São Paulo, o Livro Negro do Comunismo (escrito por esquerdistas) estima que até 17 mil pessoas foram mortas em mais de meio século de ditadura castrista. Inocentes, por não serem comunistas. Já na ditadura militar brasileira, a esquerda estima em pouco mais de 400, a maioria absoluta guerrilheiros comunistas de armas em punho.

Pois que fique claro: se a esquerda quiser fazer guerrilha, o povo vai amar se Bolsonaro ou qualquer outro fizer mesmo um novo AI-5. Guedes is right.

————

Saiba o que está por trás da CPMI das Fake News, o tema mais urgente do ano, em nossa nossa revista.

O Senso Incomum agora tem uma livraria! Confira livros com até 55% de desconto exclusivo para nossos ouvintes aqui

Faça o melhor currículo para arrumar um emprego e uma promoção com a CVpraVC

Compre sua camiseta, caneca e quadro do Senso Incomum em nossa loja na Vista Direita

Conheça a loja Marbella Infantil de roupas para seus pequenos (também no Instagram)

Faça os cursos sobre linguagem e sobre Eric Voegelin (e muitos outros) no Instituto Borborema

Faça gestão de resíduos da sua empresa com a Trashin

Siga-nos no YouTube Instagram

Publicidade
Sem mais artigos