Ah, look at all the lonely people

Diário de um isolado

O dia de um confinado por causa do coronavírus é mais que ler Platão e tocar as campainhas dos vizinhos. É somar os ilhós das roupas, contar o número de panelas, aprender a fazer malabarismo com mais de dois limões

Publicidade

Segundo dia

Acordo às dez da manhã, depois de uma noite mal dormida, com estampidos numa caçamba em frente ao meu apartamento. Me sinto um gigantesco inseto. Domino a vontade de sair metralhando meio mundo e vejo o que está acontecendo. Um mendigo caça madeiras e as testa na caçamba para ver se são de boa qualidade. Fico mais calmo. Não quero o mal do mendigo, mas que uma dessas madeiras podia ricochetear no seu olho, podia.

Não é nem meio-dia e já escutei áudios do Fernando, da Prevent, do Fábio Jatene, do David Uip, do Roger Abdelmassih e do Joseph Mengele. Ainda não sei o que pensar dessa doença. A divisão de classe para mim parece cada dia mais absurda. A divisão humana mais plausível é de graus de desespero. Tenho uma tia que já morreu três vezes em duas semanas, que já sentiu todos os sintomas, os agravamentos, a intubação, tudo bem documentado pelo WhatsApp; e um primo que documenta seu desespero mandando um meme a cada hora. Esses são os dois extremos dessa divisão. 

Tomo, enfim, o café da manhã. Desde que deixei de tomar café com açúcar, a vida se tornou muito mais chata. Agora, quando adoço o café, ele fica horrível; quando não adoço, também. Quem me alertou pra isso foi meu amigo, Filipe Trielli. Carrego um ódio infinito por quem convenceu minha personalidade fraca de que café sem açúcar é chique. Porque bom essa coisa não é.

As informações sobre o vírus são tão desencontradas que resolvi adotar a seguinte regra: desespero absoluto terças e quintas; serenidade segundas, quartas e sextas. Aos fins de semana, descanso, por óbvio.

O Estadão já disse que o presidente tá com ciúmes do ministro da saúde. Vejam só. Eu aposto que nenhum jornalista consultou presidente, ministro ou quem quer que seja. É vontade de criar crise. O jornalismo profissional é a atividade mais asquerosa praticada no país, nos dias de hoje. Aliás, numa pandemia quem deveria assumir o protagonismo? O Galvão Bueno?

São duas da tarde. Acabei de comer. Ops. Nada disso. Só esquentei o almoço, mas ainda não comi. Tá tudo muito confuso. Daqui a pouco é o próprio Hipócrates que vai mandar um áudio falando sobre a gripe chinesa. É gripe chinesa sim. Coronavírus é brochante demais. “Centenas de mortos por causa do coronavírus!”, não dá. Parece que tomaram um Nescau estragado. Gripe chinesa é imponente, é digna. Você entra no céu, no purgatório e preenche o formulário na triagem: causa da morte? Coronavírus. Não né! Gripe chinesa.

Agora sim vou comer.

Pensando bem, gripe chinesa é foda também. Gripe chinesa deveria ser curada, sei lá, com acupuntura, massagem na clavícula. Essa não é a especialidade da medicina chinesa? Falo de ouvido, não entendo nada disso.

A gripe é chinesa, mas estou me sentindo um autêntico espanhol. Almocei e fiz a siesta. 

Comecei a ver uma série da Amazon. Uma bobagem com o Al Pacino. Tirando O Poderoso Chefão, todos os outros filmes do Al Pacino são bobagens. Mas são com o AL PACINO! A série é sobre uma fictícia caça aos nazistas que se passa nos anos 70.

Tô adorando esse isolamento. Tempo bem usado é outra coisa. Descobri coisas incríveis já. Aqui em casa tem 18 panelas, 8 sabonetes, 14 rolos de papel higiênico, 9 almofadas, 8 travesseiros, 11 pentes, 21 caça-palavras já preenchidos, só 15 tampas de panelas, 118 fitas de VHS, 1933 livros, 201 discos, 132 CD’s, 23 DVD’s, nenhuma espreguiçadeira, 8 canetas, 13 lápis, uma nota de 2 reais que achei dentro de um dos livros, 9 tênis, 3 botas.

Tudo contado e recontado. Agora tive uma idéia brilhante. Vou medir todos os tênis de mesma numeração para ver se o tamanho bate. Depois vou medir cada taco do piso.

Estou bem animado. Vou começar a ler a Montanha Mágica. Fala sobre o coronavírus daquela época. 

O fio dental tem 14 metros se esticado. Ele já foi usado, devia ter mais. Já decorei as capitais da Europa e África. Acho que vou aprender piano. 

Se o vírus não nos matar, o governador João Doria fará o possível para que a bandidagem dê conta do serviço. Foram várias fugas em vários presídios. Brasileiro sofre de todo lado. O boneco de cera que elegemos para o governo não vai sossegar até conseguir sabotar tudo o que tem sido feito de bom no país. 

Tudo o que eu queria agora era um áudio do médico Guimarães Rosa passando algumas recomendações: “De sofrer e amar, a gente não se desfaz.” Ou essa: “Esperar é reconhecer-se incompleto.” Acabei de ler o conto Desenredo. “Todo abismo é navegável a barquinhos de papel.”

Mais um achado: uma maleta (devia ser do meu avô) com 7 veda-roscas pela metade, uma chave philips espanada, 4 chaves de fenda, 2 alicates universais, um grifo, 3 parafusos com bucha, 2 porcas sem parafuso, um saquinho contendo 4 brocas de vídea e 9 de ferro, um chaveiro com 7 chaves Allen enferrujadas e um martelo.

Vai dando a hora do expediente acabar. Acho que com duas chaves de fenda na mão e um facão na cintura dá pra garantir mais um rolo de papel higiênico no mercado; e cerveja. Ninguém é de ferro.

Fiz uma Playlist no Spotify. Vou deixar compartilhada aqui.

————-

Conheça os títulos selecionados da Livraria Senso Incomum para ficar inteligente como nós.

Publicidade
Sem mais artigos