Fim

Quarentena faz merendeiros e cuidadores serem demitidos em SP

Enquanto jornalistas defendem home office com vinho e bolinho de bacalhau, quem cuida dos pobres perde o emprego

Publicidade

Na segunda-feira da semana passada, o secretário de educação Rossieli Soares determinou a suspensão de todos os contratos de empresas terceirizadas: serviço de transporte de alunos com ou sem deficiência, serviço de preparo e distribuição de refeições e serviços de apoio a estudantes que tenham limitações motoras, de acordo com a Folha de S. Paulo.

Nadir Francisca da Silva, 57 anos, merendeira há seis anos, disse ter ficado surpresa com a demissão e esperava um acordo coletivo.

Sem dinheiro e apenas contando com a magra aposentadoria do marido, diz que tenta conseguir um outro emprego, mas está tudo fechado:

“Além do salário, eu perdi também a cesta básica e a de produtos de limpeza que recebia todo mês da empresa.”

O secretário Rossieli Soares disse que não havia pedido as demissões, mas a antecipação de férias coletivas:

“Não temos relação trabalhista direta com esses funcionários, mas temos muita preocupação”, respondeu o secretário à Folha.

Nadir disse que apesar do trabalho cansativo, de ter que preparar mais de 500 refeições por dia, vai sentir falta do carinho das crianças:

“Com o tempo a gente aprende o que eles mais gostam de comer, quais temperos, a quantidade. Vou sentir falta de ouvir as crianças me pedindo comida.”


Guten Morgen Go – Primeira Guerra Mundial já está no ar!! Conheça o conflito que moldou o mundo problemático em que vivemos em go.sensoincomum.org!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum

Vista-se com estilo e perca amigos com a Vista Direita

Publicidade
Sem mais artigos