fbpx

Digite para buscar

Contramão

Sem máscaras e lockdown, Texas tem menor crescimento da peste do que estados trancados

Numa atitude negacionista e anti-científica, Texas diminui casos da peste chinesa sem nem exigir máscaras. Biden chamou de "pensamento Neanderthal"

Compartilhar
Sem máscaras e lockdown, Texas tem menor crescimento da peste do que estados trancados

No início do mês passado, o governador Republicano do Texas, Greg Abbott (foto), anunciou que acabaria com o uso obrigatório de máscara no estado, além de permitir que a maioria das empresas funcionasse com 100% de sua capacidade.

O presidente Joe Biden chamou a medida de “pensamento Neanderthal”; o governador da Califórnia, Gavin Newsom, considerou o movimento “absolutamente imprudente”; o comentarista político Keith Olbermann engrossou o coro: “O Texas decidiu se juntar ao lado do vírus.”

A despeito da reação da mídia corporativa e da esquerda, os números vêm mostrando que as previsões apocalípticas sobre o destino do Texas estavam um tanto equivocadas.

Em uma comparação com o estado do Michigan – onde o uso obrigatório de máscaras e lockdowns parciais continuam –, por exemplo, o Texas, até 20 de abril, apresentou um total de 3.004 novos casos (média móvel de sete dias). O que resulta em aproximadamente 103 casos por milhão de habitantes.

No Michigan, por sua vez, a média móvel de sete dias para novas infecções em 20 de abril foi de 790 casos por milhão de habitantes – quase oito vezes mais que no Texas.

Em Nova Jersey, onde os lokcdowns têm sido longos e difíceis, o crescimento de casos é quase quatro vezes o maior do que no Texas.

Assim como os estados da Pensilvânia, de Minnesota, de Rhode Island, do Maine e de Nova York, todos com medidas restritivas, têm mais do que o dobro de novos casos comparados ao Texas.

Outros estados seguiram o rastro do Texas. Mississippi, Alabama, Flórida e Geórgia são estados com restrições leves ou inexistentes.

Estados como a Geórgia e a Florida já haviam encerrado os bloqueios radicais antes do Texas.

A Flórida é o único estado com políticas restritivas menos rígidas que está entre os dez maiores em números de novos casos. No entanto, está com taxas de mortalidade mais baixas do que estados administrados por fetichistas de bloqueio como Andrew Cuomo (NY) e Phil Murphy (NJ).

New Jersey, por exemplo, tinha a pior taxa de mortalidade de covid do país, com 2.838 por milhão de habitantes até 20 de abril. Em seguida estavam Nova York e Massachusetts, com totais de 2.672 e 2.537 por milhão, respectivamente.

Por outro lado a Flórida, no mesmo período, é o vigésimo oitavo estado do país ocorrências de mortes por covid, com 1.608 por milhão.

Então, como isso pode ser explicado?

Pelo visto, os defensores radicais de restrições rígidas não têm explicação alguma.

Na semana passada, Anthony Fauci, chefe do Instituto Nacional de Alergia e Doenças Infecciosas dos Estados Unidos (NIAID), cortou um dobrado para encontrar uma explicação enquanto testemunhava no Congresso.

O máximo que conseguiu foi dizer que a disseminação do vírus diminuiu nessas áreas pelo uso militante e voluntário de máscaras e distanciamento social.

O depoimento de Fauci é um exemplo típico dos “especialistas” de governos tentando explicar algo sobre o qual não têm a menor idéia.

Com informações de Zero Hedge


Seja membro da Brasil Paralelo por apenas R$ 10 por mês e tenha acesso a horas de conteúdo sobre liberdade de expressão!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Panela Store

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Assuntos:
Luigi Marnoto

Luigi Marnoto é cozinheiro e só não foi guia de cego e bombeiro. Atualmente escreve no Senso em troca de uns caraminguas. É pai e avô quase exemplar e campeão de porrinha.

  • 1