Paste your Google Webmaster Tools verification code here

O álbum "Kind of Blue" de Miles Davis continua genial mesmo depois de quase 6 décadas. É o que mostra nosso analista cultural Gabriel Vince.

Escrever sobre um dos maiores discos de todos os tempos sem dizer o que todo mundo já disse não é tarefa fácil pra ninguém. Apesar de ser considerado um “masterpiece” do Jazz, a idéia do disco surgiu de um incômodo de Miles Davis com os rumos do próprio Jazz, que estava se tornando cada vez mais complexo, chato e Miles Davis via isso como um obstáculo ao processo criativo e ao improviso. Resumindo em termos técnicos: nesse disco nasce o jazz modal em uma clara reação contrária ao bebop e o hard bop.

PUBLICIDADE

Sabe aquela pessoa que diz que Jazz é um saco? Aquela, que todos os donos de sebo de cabelo branco, com cheiro de mofo e pseudo-entendidos de música olham com desprezo? Então, o próprio Miles Davis concordaria com ele.

Embora seja um disco complexo e com melodias elaboradíssimas, não é um disco “difícil” de se ouvir como é o Brilliant Corners do Thelonious Monk (que é um disco genial também), lançado dois anos antes. Kind of Blue um disco que conseguiu grande apreço do público quanto da crítica. Se tornou sucesso de vendas e superou comercialmente discos de Rock – o que no Jazz é uma empreitada magnífica (e quase um milagre).

Kind of Blue rejuvenesceu um estilo que desde aquela época já era considerado música de senhores de meia-idade, ou de gente chata que usa suéter e freqüentava a “USP da época”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Infelizmente, anos depois, os donos de sebo de cabelo branco, com cheiro de mofo e pseudo-entendidos de música, retomaram pra si a propriedade de Kind of Blue, que hoje é exposto nas prateleiras como troféu em uma dessas lojas semi-falidas como um ar de “disco de velho chato”.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Não se engane, Kind of Blue tem a complexidade de um Thelonious Monk e um frescor jovial de Buddy Holly.

PUBLICIDADE

 

Nota 10.

A propósito, eu tenho um blog de reviews de discos de Blues e Jazz que tenta fugir um pouco do pedantismo típico dos admiradores do estilo, pra quem quiser dar uma olhada, segue o link:
https://jazz-and-blues-review.blogspot.com.br/

—————

Assine nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso à nossa revista digital com as Previsões 2017!

Faça sua inscrição para o 2.º Congresso Virtual do Brasil Paralelo e, de quebra, ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link.

  • Don Pedron

    Cabe crítica do Blue Train, hein.

  • Ilbirs

    Só ficou faltando mesmo um acesso rápido ao álbum. Segue aqui uma possibilidade de ouvir o dito cujo completo:

Sem mais artigos