Preconceito lingüístico

Universidade de Rutgers considera que gramática é racista

Em apoio ao Black Lives Matter, Universidade adere ao "preconceito lingüístico" e trocará padrões de gramática por "justiça social" e "gramática crítica" focada na variação, e não na padronização

O Departamento de Inglês da Universidade Estadual Rutgers entende que a gramática da língua inglesa é “racista” – uma vez foi que elaborada a partir de concepções “supremacistas brancas“, os alunos que não são alfabetizados nesses padrões sofrem “preconceito lingüístico“.

A diretora do Departamento, Rebecca Walkowitz, acrescentou que as “mudanças nos padrões de ensino de inglês são um esforço para apoiar o movimento Black Lives Matter. Enfatizaremos o ensino sobre justiça social e gramática crítica“.

Walkowitz afirma que essas duas matérias podem incentivar os alunos a desenvolverem uma consciência crítica e capacitá-los contra preconceitos de “erros gramaticais“. O currículo enfatiza a variabilidade do idioma inglês em vez da precisão, disse a diretora.

O fonoaudiólogo e ativista libertário Leonydus Johnson chamou a nova abordagem gramatical de “extremamente racista“:

“É uma idéia estúpida ser racismo esperar que um aluno escreva frases gramaticalmente corretas. Racismo é falar que os que não são brancos possuem uma desvantagem inerente ou dificuldade de aprendizado. Tornou-se muito claro para mim que aqueles que afirmam ser anti-racistas costumam ser os mais racistas deste país.”


Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Publicidade
Sem mais artigos