LOADING

Type to search

Pré-adolescência

Artistas esquerdistas cantam música de Tico Santa Cruz contra Bolsonaro

Pessoas ricas sem ocupação na quarentena fazem vídeo ridículo com rimas de segunda série usando boné de aba reta

Avatar
Share
cabra-artistas

Eu disse e repito: a revolução francesa, o marxismo e a escolinha de atores do Wolf Maia estão entre os maiores males do ocidente. E cada um é a marca do seu tempo. A revolução francesa se firmou pela violência; o marxismo, pela hipocrisia; e o produto da escolinha, pela chatice infindável.

Quando o Nelson Rodrigues disse que “o idiota é a grande e obsessiva figura do século XX”, não fazia idéia de que esse idiota invadiria o século XXI gozando da mais ilibada das reputações, o mais sublime dos prestígios. Algo que só pode ter acontecido quando a moderna ciência definiu que o cérebro nada mais é do que um órgão que, por meio de impulsos elétricos, executa determinadas sinapses, não havendo motivo para que o estimulassem mais, e que comer, beber, fornicar e lutar contra a opressão da civilização era mais do que suficiente para uma espécie de macacos prepotentes.

Em decorrência, vieram o amor insaciável pelo progresso, pela técnica, pela tecnologia e pelo dinheiro suado do contribuinte. Quanto maior a inutilidade de um sujeito mais ele se assanha em por as mãos no dinheiro alheio. E o artista brasileiro, guardando as honrosas exceções, é um assanhado por excelência. Vê em seu modestíssimo talento sempre uma oportunidade de exigir que o governo o banque. Assim que deu-se o fim da mamata, a trupe surtou.

O mais recente vídeo-clamor da classe que, junto com os jornalistas e políticos, é a menos privilegiada intelectualmente dá azia até em “bicabornato”, como diria Mazzaropi – esse sim um artista de verdade. 

Com o título “Carta ao Futuro”, uma dúzia dos mais supimpas operários da arte se reveza num jogral que faria corar de vergonha o mais infeliz disléxico. Alguém precisa avisar nossos heróis do tablado e da canção que a mera junção aleatória de palavras não forma poesia. Zélia Duncan já havia dado o ar de seus pigarros declamando contra o atual governo. Se bem que, parafraseando Bernanos, é ocioso e até imprudente incomodar Camões, Machado, Guimarães Rosa, Camillo Castello Branco, para expressar certa concepção rudimentar de vida. Por esse prisma, é melhor que seja assim.


Não foi surpresa que a bela letra é de autoria de ninguém menos que Tico Santa Cruz. O grande fã do PT, saindo da sua idade da pedra intelectual, nos brinda com versos de grande pujança, como:

“Hoje eu acordei com o vento explodindo na minha janela

E tentei sair do quarto num silêncio de capela”

Calcula-se o trabalho que deve ter tido o senhor Santa Cruz para achar uma palavra que rimasse com “janela”. Para quem acorda com vento explodindo na janela, é claro que só resta uma tentativa de fuga num silêncio de capela mesmo. A cena é divertidíssima. Já na segunda estrofe, Tico manda as rimas para as cucuias e se entrega a sua revolta adolescente:

“Lá fora os homens seguem se matando

Uns por dinheiro outros por um pedaço de pão

Afinidades entre a cruz que mata em nome de Deus

E a espada que estraçalha o amor na mão dos irmãos”

A prosódia é refinadíssima. Os versos então. Para alguém que leva os ideais socialistas tão a sério, soa estranha essa crítica aos homens que se matam. Mas aí vem o menino Tico – aliás, Tico deve ser uma referência ao único neurônio ativo naquela caixola pintada – com sua visão de mundo ancorada em muito Xou da Xuxa e Domingão do Faustão e diz que se mata em nome de Deus. Infelizmente não achei em Tico a cognição que explicasse a dissonância.

Mais à frente, ele mesmo se explica, o que nos tira um pouco a vontade de se jogar na frente do primeiro carrinho de algodão doce: 

“Num cemitério de ideias me vi sozinho

Se sou canção sem refrão que fica na cabeça

Não interessa eu sigo firme e forte, tenho pressa”

Não seria mais prudente ao moço Tico se contivesse um pouco a pressa e, olhando seu cemitério de idéias, que elucida ele ser uma canção sem refrão estatelada ali no vácuo de suas sinapses, e consultasse, sei lá, um dicionário de rimas?

Carta ao Futuro é um libelo contra a opressão da língua portuguesa e das noções básicas de versificação. É uma ode contra as agruras do pensamento lógico, um hino de salvação da arte de tirar catota do nariz e colocar debaixo da carteira da escola, um cântico pelo direito de soltar peido de velha no McDonald’s. É um esquartejamento gramatical. 

Mas de qual futuro nossos abnegados membros do Royal Wolf Maia Company estão falando? Só se for o de suas varandas gourmet, imagina-se. Pois mesmo surfando no “renascimento” das artes que foi a nossa Lei Rouanet, seu legado foi ínfimo, pra não dizer nulo. Ao final de uma década de financiamentos em massa qual foi o produto de destaque na cultura brasileira? Durval Discos?  Na Raba Toma Tapão, de MC Niack?

O que salta à vista é o peso que dão a versos tão rasteiros, algo que só pode ser o resultado de uma distorção entre a aparência e a substância. É claro que exigir de um Thiago Lacerda, que é um Lima Duarte com excesso de tics nervosos, algo semelhante a uma atuação é o mesmo que exigir de Dilma a relação entre seu cérebro e sua língua. E o peso que Ivan Lins, uma espécie de Guilherme Arantes que colocou muito chiclete na boca, dá a sua tríade de palavras? 

E Anitta? A jovem “cantora” que manda todo mundo ficar em casa e vai à Itália rebolar a peida demonstra uma dificuldade sobrenatural com a leitura. Nada muito estranho para quem tem sempre um grande futuro pelas costas.

“E pra encerrar, a minha carta não é um lamento

É um aviso ao futuro de um novo tempo

A corte cairá, não sobrará ninguém

O tempo ruim vai passar do pai do filho

Ao Espírito Santo amém”

Não é um lamento, é uma ameaça infantil. O Brasil, como resultado da mais moderna ciência, é apenas a manifestação de um resmungo.

rembrant-i

 


Entenda o pensamento do maior psicólogo da atualidade: Jordan Peterson – Entre a Ordem e o Caos!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós

Vista-se com estilo e perca amigos com a loja do Senso Incomum na Vista Direita

Tags:
Avatar
Carlos de Freitas

Carlos de Freitas é o pseudônimo de Carlos de Freitas, redator e escritor (embora nunca tenha publicado uma oração coordenada assindética conclusiva). Diretor do núcleo de projetos culturais da Panela Produtora e editor do Senso Incomum. Cutuca as pessoas pelas costas e depois finge que não foi ele. Contraiu malária numa viagem que fez aos Alpes Suiços. Não fuma. Twitter: @CFreitasR

  • 1