fbpx

Digite para buscar

Medicina ativista

Clínica trata meninas como trans apenas por não gostarem de bonecas

Psiquiatra que trabalhou em serviço britânico de saúde de gênero denuncia "tratamento lamentável e inadequado" com "consequências nefastas" para crianças

Compartilhar
Clínica trata meninas como trans apenas por não gostarem de bonecas

Uma clínica pública de saúde que é referência no Reino Unido em desenvolvimento de gênero para crianças e adolescentes, classificava como “trans” qualquer menina que não gostasse de fitas cor-de-rosa ou de brincar de bonecas.

A denúncia foi feita pelo psiquiatra David Bell. O médico trabalhou por anos na unidade Tavistock and Portman NHS Trust, único serviço de desenvolvimento de identidade de gênero para crianças no Reino Unido.

Segundo Bell, a clínica acredita que a única explicação aceitável para crianças que “são incapazes de se conformar com os estereótipos de gênero” é que elas são transgêneros.

Por conta dessa mentalidade, em vez de oferecer tratamento psicológico adequado, a clínica simplesmente serviria como uma porta de entrada para cirurgias e bloqueadores hormonais.

Em um relatório de 2019, o psiquiatra apontou que 98% dos adolescentes que buscaram aconselhamento psicológico na unidade acabaram tomando hormônios do sexo oposto.

“As necessidades das crianças estão sendo atendidas de maneira lamentável e inadequada e algumas viverão com consequências nefastas”, concluiu o relatório.

A clínica também teria cedido à pressão de ativistas “altamente politizados”, apesar de algumas crianças “adotarem uma identidade trans como uma solução [errada] para problemas como histórico de abuso infantil na família, luto, homofobia e uma incidência muito significativa de transtorno do espectro do autismo.”

Casos que levantaram preocupações incluem uma menina que se sentiu culpada após a morte repentina de seu irmão, então ela tentou devolver o filho aos pais mudando de sexo.

Alguns pais também buscaram a transição para seus filhos porque eram gays.

O relatório do Dr. Bell resultou na renúncia do diretor da clínica, Marcus Evans, que trabalhou no local por mais de 30 anos.

A Tavistock and Portman enfrenta um caso notório na justiça britânica.

Keira Bell começou a tomar bloqueadores de hormônios aos 17 anos e fez mastectomia dupla aos 20.

Arrependida, a garota entrou com uma ação contra a clínica por ter sido persuadida a fazer a transição quando ainda não tinha maturidade para tomar uma decisão como esta. A mãe de uma garota autista de 15 anos também entrou na ação. Sua filha está atualmente na fila para tratamento, o que a mãe tenta impedir judicialmente.

Imagem: Vista da fachada do Tavistock and Portman Centre
Crédito: Reprodução/The Tavistock and Portman NHS Foundation Trust

Com informações de Daily Mail, The Telegraph e The Times
Leonardo Trielli

Leonardo Trielli não é escritor, não é palestrante, não é intelectual. Também não é bombeiro, nem frentista, não é formado em economia e nem ciências políticas. Nunca trabalhou como mecânico e nem bilheteiro de circo. Twitter: @leotrielli

  • 1