Se o islamismo fosse um partido político seria ilegal

hizbollahsalute

Imagine um homem, branco, loiro, biótipo germânico, acima de 1,90 m, careca, de calça militar, coturno, suspensórios e tatuagens nazistas andando nas ruas. Sua retórica é a de que judeus são os culpados pela fraqueza européia, que precisa resgatar valores pagãos para possuir força, inclusive física. Antes de entrar num bar, ele faz a saudação nazista.

Ele, contudo, nega o Holocausto, garantindo que os alemães não praticariam aquele genocídio contra judeus – e é a favor de sua expulsão para a sua “terra santa” (dito com aspas de desdém), e não de seu extermínio. Nunca agrediu ninguém e é contra espancamentos.

isis one fingerImagine agora um homem de tez acobreada, barbas protuberantes, biótipo árabe ou norte-africano, roupas típicas de um muçulmano. Sua retórica é a de que os judeus são os culpados pelos fracassos muçulmanos, e que a religião islâmica só obterá seu êxito quando todo o mundo se submeter ao islamismo (islam, afinal, significa “submissão”). Antes de entrar numa mesquita, ele faz o sinal de um dedo indicador levantado, para dizer que o mundo todo deve se submeter a um único Deus, Alá, e uma única religião, o islamismo.

Dentro, ouve que os atentados terroristas do Estado Islâmico, Boko Haram, al-Qaeda, al Shabaab e demais jihadistas (mujaheddin) são reações muçulmanas à “nova Roma”, o demônio encarnado, os Estados Unidos. Ouve pregações sobre como os muçulmanos têm o dever da jihad ou de ao menos prestar sua admiração aos que nela se engajam. Sua mesquita é freqüentada por radicais e nunca culpa os terroristas por seus atos, e sim o Ocidente que é materialista e “odiador de muçulmanos”, os únicos que possuem a verdadeira lei.

Qual dos dois é mais perigoso? Qual dos dois enfrenta sérios problemas com a lei tão somente ao pôr a cara na rua? Qual dos dois pode usar a carta do “racismo” para se proteger e continuar pregando ódio?

O nazismo foi o mal em si do século XXI, e por isso até mesmo países que praticamente não sofreram com sua perniciosa influência, como o Brasil (para onde fugiu o carrasco Josef Mengele, o “Anjo da Morte” [Todesengel], morto em Bertioga), proibiram até mesmo seus símbolos. Hoje, por uma mentalidade analógica, em que a forma máxima de conhecimento atingível é a analogia com algo grandioso, tudo o que é adversário é comparado unicamente ao nazismo. Praticamente nenhum país ocidental permite algo como um “partido nazista”.

Rarissíssimas pessoas, contudo, se perguntam por que o nazismo odiava tanto judeus. Uma das palavras de obediência imediata hoje é “tolerância” – assim, se explica que os nazistas não “toleravam” judeus, como se o grande mérito hoje fosse “tolerá-los”. “Xenofobia” e explicações sobre o “diferente” só fazem sentido para quem pensa sob a clave da Copa do Mundo.

Encontro entre Adolf Hitler e Amin al-Husseini, 1942

Encontro entre Adolf Hitler e Amin al-Husseini, 1942

O nacional-socialismo, proibidíssimo hoje, tinha relações claras e óbvias com o nacionalismo pan-árabe e os movimentos anti-colonialistas do século XX. Estes são rigorosamente defendidos pela esquerda e pelo modelo de educação brasileiros (é impossível esperar uma questão de vestibular em que Israel deva ser defendido do H’zbollah ou colocado em perspectiva em relação ao totalitarismo iraniano, por exemplo). Já o nazismo permanece como a consubstanciação do Inferno na Terra.

A própria idéia da câmara de gás para resolver o “problema judeu”, concebida em 20 de janeiro de 1942 às margens do Wansee, em Berlim, foi uma forma de praticar en masse a solução que muçulmanos sempre deram para judeus: a exigência de conversão, o pagamento da jizya ou a morte. O que muçulmanos fizeram desde Maomé – degolar pelo fio da espada, para garantir que o inimigo não sobreviva – foi trocado pelos nazistas pela câmara de gás. Mais rápido, mais barato. E sob um mórbido ponto de vista, talvez até mais “humanitário”. Maomé ele próprio degolou centenas de judeus.

A visão ocidental em relação ao islamismo, contudo, sob égides como “multiculturalismo”, “tolerância” ou o mote revolucionário francês liberté, égalité, fraternité, é sempre positiva. Se há violência praticada pelo islam, em nome do islam, para favorecer o islam, contra pessoas cujo único crime foi serem “infiéis”, o assassinato sempre será computado como uma “resposta” ao Ocidente.

Muslims-burning-American-FlagO mesmo discurso, claro, poderia ser usado para os crimes nazistas: todos respostas ao Ocidente, o seu “imperialismo” e seu “materialismo”, seus “valores degenerados” e suas instituições hipócritas. Felizmente, não é utilizado neste caso.

As maiores organizações genocidas e anti-semitas do mundo são defendidas pela esquerda como “vítimas” dos judeus – retórica usualmente adocicada pelo escorregadio termo “sionismo”, que parece se referir a uma idéia, e não a um povo – embora esta idéia seja justamente a de uma terra para um povo.

Estas palavras de fortíssimo apelo psicológico e partidário nos discursos correntes, mas que apenas dizem respeito a impressões apressadas retiradas de notícias, e não a definições claras e conceitos universais, têm efeito deletério grave.

Se o islamismo não fosse uma religião – aquilo que é protegido pela idéia da livre associação religiosa – e sim um partido político pregando o mesmo que prega, seria considerado tão ou mais ilegal do que o nazismo.

Para agravar a confusão, o próprio conceito de “religião” inexiste na língua árabe e, por conseguinte, na visão muçulmana. O islamismo é um jin, uma visão cosmológica, uma formatação civil, um padrão de comportamento, um código jurídico, um eixo moral. Apenas duas outras religiões são reconhecidas pelo islamismo: o cristianismo (“povo da Cruz”) e o judaísmo, considerado o grande inimigo. Qualquer outra forma de religião é descartada tão somente como infiel.

O que chamamos de religião, portanto, não é apenas uma religião. O muçulmano não vive para obedecer leis civis, como vários religiosos e não-religiosos de diversos matizes. Vive para obedecer a shari’ah e implantá-la pela conquista territorial. O muçulmano “moderado” (ou o grupo que Ayaan Hirsi Ali, em seu livro Herege: por que o islã precisa de uma reforma imediata, chama muito mais corretamente de “muçulmanos de Meca”, em oposição aos “muçulmanos de Medina) é apenas um muçulmano com influências ocidentais, que não segue pari passu o Corão e o islamismo integral.

Imagine um partido feito para se trocar todas as leis por uma teocracia, para passar a dividir indivíduos em grupos, em que os primeiros tenham direitos civis, e os segundos sejam tratados como cidadãos de segunda classe, a dhimmi (os não-muçulmanos num Estado islâmico), obrigados a pagar o imposto da jizya para aquele primeiro grupo. Imagine que, instituída shari’ah, homossexuais serão atirados de prédios, adúlteras serão apedrejadas (inclusive se “traírem” maridos mortos), que a blasfêmia será punida com métodos variando da decapitação à crucificação.

Turkey ProtestCaso seja um partido político que avente tal cenário, é bem provável que ele seja chamado de nazista (pela analogia óbvia), de homofóbico, de machista, de racista, de teocrático e de anti-semita (esta carta que só é sacada se o partido for declaradamente nazista, já que nunca é usada, por exemplo, contra o PSOL de Babá queimando a bandeira de Israel). Como o islamismo é uma religião (mas, como se vê, apenas em nosso conceito de religião, derivado do mundo judaico-cristão), pode fazer o mesmo abertamente.

É exatamente este o grande mote daquele que foi considerado o livro mais polêmico de 2015, Submissão, de Michel Houellebecq: a ascensão de um partido islâmico na França, terra das luzes racionalistas. Apesar de comumente descrito como uma distopia modelo 1984 ou Admirável Mundo Novo, o assustador no livro é o exato contrário: a naturalidade como o islamismo está tomando conta da Europa sob olhos tolerantes de todos.

O islam, conta Houellebecq citando Khomeini, ou é político, ou não é nada. Mas as pessoas apenas se assustam se o chamamos de partido político, enquanto continua fazendo o mesmo como “religião”.

Basta lembrar da contestação violenta ao candidato republicano à presidência americana Ben Carson, quando respondeu que um muçulmano não poderia ser presidente daquele país. Criticaram-no porque a Constituição não prevê o “teste de religião”, mas Carson permaneceu enfático: o islam é incompatível com a lei daquele país, que não é a shari’ah. Já um Donald Trump, por muito menos, como comentários passando do torpe ao francamente imbecis, é considerado inelegível e “fascista” por muitos. O que dizer de um presidente homofóbico, racista e machista como seria um muçulmano, então?

coexistNossas palavras, portanto, estão nos cegando para a realidade. Por mais que intelectuais de algum talento possam raciocinar longamente sobre o certo e errado com conceitos como imperialismo, auto-afirmação dos povos, liberdade religiosa, Estado laico, multiculturalismo, tolerância e outros termos de forte apelo, são poucos os que estudaram exatamente o que pensam querem os muçulmanos que tanto defendem contra o Ocidente, que tanto deu a esses próprios intelectuais a liberdade que usufruem para não concordarem tanto com o islam.

Basta descrever o que o islam é para causar pânico em qualquer ocidental. Basta dizer que um islâmico está dizendo o mesmo dentro de sua religião para que o mesmo ocidental exija respeito – e acuse de “islamofobia” quem ousa discordar. É o mesmo ocidental que criticará com horror a chamada “bancada evangélica” e o “fanatismo religioso” dos cristãos que conhece.

Colocados à luz das comparações que temem fazer gera algum calafrio – é um convite para se entender o que, de fato, sustenta o Ocidente e sua tradição de liberdade, e afinal, o que é o islamismo, tão defendido por ocidentais por considerarem que a tolerância e a defesa do diferente (a “diversidade”) é um bem em si, sem notar que defendem justamente aquilo que é tão contra o que eles próprios pensam – incluindo a tolerância com o diferente e a liberdade de pensamento.

O Ocidente, de Paris a Bruxelas, do 11 de setembro ao Réveillon em Colônia, arrisca-se a ser a primeira civilização que morrerá por suicídio.

Contribua para manter o Senso Incomum no ar sendo nosso patrão através do Patreon

Não perca nossas análises culturais e políticas curtindo nossa página no Facebook 

E espalhe novos pensamentos seguindo nosso perfil no Twitter: @sensoinc

Saiba mais:












Sem mais artigos