A Folha de S. Paulo replica conteúdo sem checar as fontes e cai num boato hilário junto com dezenas de jornais de esquerda no mundo.

Entender o que está acontecendo com o mundo exige jornalismo apuradíssimo. Sobretudo para escapar das mentiras divulgadas por outros jornalistas. A Folha de S. Paulo, seguindo a burrada propagada por jornais Folha-like no Primeiro Mundo, espalhou a notícia mais vexaminosa do ano.

Conforme já comentamos em nosso último podcast, a segunda entrevista com Alexandre Borges sobre as eleições americanas, a nova ameaça à liberdade de expressão no mundo chama-se fake news: uma forma que Mark Zuckerberg encontrou de conseguir censurar notícias que desagradem sua visão política.

Sites como Breitbart.com, o maior portal de notícias estudadas na América que não são mediadas pela cartilha de proibições dos discípulos de Hillary Clinton, já foram marcados como “fake news” no Facebook, para que ninguém que leia seus títulos de fato leve a sério o site. Assim, apenas notícias favoráveis ao Partido Democrata serão exibidas no Facebook como “verdadeiras”. É o Ministério da Verdade virtual se consubstanciando. Mark Zuckerberg, é bom lembrar, já está reinstaurando a censura por geolocalização para voltar a atuar na China comunista.

Há o risco deste Senso Incomum sofrer tal punição justamente por pesquisar mais. As premissas da marca de fake news, crendo que empresas e burocratas devem ditar a nós no que acreditar ou não, são o que teóricos hoje chamam (a sério) de post-truth, a “pós-verdade”, o que um editorial aberto publicado na Russia Today chamou, sem meias palavras, de Pussy Generation: where few people make sacrifices for truth.

Para provar que realmente poucas pessoas se sacrificam para buscar a verdade na era dos leitores de manchete™ (trademark deste Senso Incomum), um boato fabricado nos moldes “pega-trouxa” foi feito para jornalistas que não checam suas fontes caírem: o de que a CNN teria exibido 30 minutos de pornografia harcore por acidente durante a sua programação, com a estrela pornô travesti Riley Quinn. A exibição de meia hora de “pornografia hardcore” teria ocorrido por acidente ao invés da exibição do programa Anthony Bourdain: Parts Unknown, que ganharia todo um novo sentido se fosse verdade.

O boato foi feito apenas usando-se uma única conta no perfil do Twitter: @solikearose, codinome “Rose”, que enviou mensagens “indignadas” para o provedor de televisão a cabo RCN, afirmando que uma “pornografia hardcore” estava sendo transmitida na CNN em Boston acidentalmente em pleno dia de Ação de Graças.

Rose assiste pornografia na CNN acidentalmente.

CNN exibe pornô por acidente. Verdade?

A coisa seria facilmente desmentida: bastaria aos jornalistas, digamos, ligar a TV e assistir o que estava passando na CNN naquele momento. Obviamente que tal checagem de fatos (nessa época em que “fact-check” também só é usado para tentar denegrir Republicanos) é muito dolorosa e difícil para jornalistas. A tara por um furo (!!) falou mais alto.

Em pouco tempo, jornais como Independent (o principal nome do jornalismo de esquerda da Inglaterra, já que o Guardian está falindo), Mashable, The New York Post, The Daily Mail, Esquire, Variety e uma cambulhada de outros replicavam a notícia – que tinha como fonte uma conta no Twitter

https://twitter.com/TheNextWeb/status/802158037360377858

Um dos primeiros a divulgá-la, na verdade, foi o Drudge Report, de Matt Drudge, famoso por ter descoberto o escândalo Monica Lewinsky. Apesar de se poder tentar culpar um site conservador pelo espalhafato, na verdade o Drudge, um dos sites mais acessados da América, funciona mais como um feed do que como um site com conteúdo interno.

Fora o Drudge, como se vê, foram alguns dos maiores sites e revistas do mundo a divulgar o boato mongolóide. Não se trata de sites lidos apenas por militantes e escritos por líderes de torcida fazendo sua reserva de mercado. Não é algo como o blog da Socialista Morena falando a seus leitores. Era o New York Post. Para quem nota a diferença.

https://twitter.com/TheNextWeb/status/802158037360377858

Alguns sites já correram para retirar os tweets e divulgação do ar. Outros, espertos, fizeram atualizações, colocando um ponto de interrogação após seus títulos ridículos. Uma busca simples por “CNN porn” no Twitter ou no Google ainda rende os mais espetaculares resultados, como compilado pelo Mediaite, rindo da cara de todos:

Google CNN porn

Como costumamos dizer, isto se deu pela autofagia jornalística: jornalistas só lêem jornalistas. Acreditam que algo só é real se outro jornalista a posta antes. Fontes seguras, mas não gabaritadas pelo jornalismo, não são dadas como “verdadeiras”, ou mesmo como confiáveis. O telefone sem fio não tem fim.

Foi assim com fontes do porte de Washington Times e Independent caíram na lorota pega-trouxa, acreditando (e replicando) o que outros jornais que caíram na lorota pega-trouxa acreditaram. Tudo com uma única conta no Twitter como fonte. Há mais um exemplo de trouxa, claro, que caiu e replicou a lorota: a Folha de S. Paulo:

Folha de S. Paulo acredita que CNN exibiu filme pornô.

Folha de S. Paulo acredita que CNN exibiu filme pornô.

Não custa lembrar, pela zilionésima vez, que The Independent, New York Post et caterva são aquelas fontes de todos os jornalistas brasileiros para falar do que acontece além de nossas fronteiras. Sobretudo a própria CNN, praticamente a única fonte, junto ao New York Times, de toda a Rede Globo. O que dirá a Folha de S. Paulo e sua crença progressista já ultrapassando as fronteiras do petismo dilmista deiscarado.

Agora é onde a história começa a complicar. Tais pessoas, como aqueles no The Verge, riram do boato que criaram porque queriam provar que é assim que as tais fake news se espalham: sem fontes. A tal “boatocracia” que tanto denunciamos. Para eles, isso provaria que é preciso censurar sites no Facebook com a flag #fakenews.

O grande problema: uma rápida pesquisa pelo Google ou Twitter, e a Folha de S. Paulo que o diga, mostra que, fora o feed do Drudge Report, foram os veículos de esquerda que mais deitaram e rolaram na notícia. Pior: acabaram provando que a tal fonte de toda a verdade, a CNN, nem sequer é assistida (fora os alienados de Manhattan, quem leva a Clinton News Network a sério?), nem mesmo por aqueles que a defendem.

Se querem mesmo criar o Ministério da Verdade Virtual em nível global, se querem mesmo marcar quem não gostam como “fake news”, uma investigação simples (vide os tweets acima) mostra que 90% de quem mereceria tal rótulo seria… a esquerda mundial, com a maior parte da direita apenas replicando uma manchete (e olhe que a verdade-sem-fontes era a CNN, assistida em todo mundo, inclusive no pacote NET do Brasil).

Este é o perigo representado no mundo hoje pelos leitores de manchete™, gente que cria toda uma visão metafísica na sua cabeça apenas com os sentimentos que lhes são desencadeados ao lerem manchetes, sem ler textos.

Alguém aí pensa em marcar o New York Post, o Independent, a Esquire, o Washington Times e, claro, a Folha de S. Paulo como “fake news”, ou apenas os sites que não compactuam com o Partido Democrata e, quod erat demonstrandum, pesquisam mais para entregar informações mais sólidas e ancoradas a seus leitores, merecerão a Marca da Censura?

E cá entre nós: você espera mesmo que alguém nestes grandes veículos milionários de mídia pesquisem como nós fazemos antes de sair divulgando o que foi que aconteceu porque outro jornal disse que aconteceu?

—————

Não perca o artigo exclusivo para nossos patronos. Basta contribuir no Patreon. Siga no Facebook e no Twitter: @sensoinc

  • xipi

    estudo tecnologia desde o seculo passado e ja naquela epoca, e que foi visionado pelo que na epoca eram obras de ficcao cientifica, se sabia que no futuro mais importante do que o poder exercido pelo capital, ou mesmo pela caneta de um legislador como vemos hoje, eh o controle da informacao.
    especialmente no ramo de seguranca da informacao, tecnicas de criptografia e armazenamento de dados, se percebe qual a relevancia de o que aparenta ser uma simples informacao, eh na verdade todo um aparato de poder que aquilo representa
    no meu cotidiano ao exemplificar o poder que a manipulacao da informacao pode ocasionar para as pessoas sempre cito o caso da moça que foi linchada no guaruja em 2014 , por um hoax que a acusava de raptar crianças…
    como eu tb passei pela area criminal como profissional, sei bem como um mesmo fato pode gerar “verdades” completamente diferente para cada uma das partes, de acordo com suas conveniencias e interesses, e isto eh mais um exemplo de como a informacao eh algo extremamente complicado de se lidar, principalmente qdo o seu principal interesse eh a preservacao dela…

  • aulef

    Apagou meu comentário mesmo?! Que FEIO

  • aulef

    Rapaz,

    Em primeiro lugar, essa treta da CNN parece que não foi em cadeia nacional, mas sim apenas na região de Boston. Então só aquele público local poderia confirmar ou não.

    Segundo, a moça que publicou na internet sobre o ocorrido – Rose – apenas tuitou perguntando se mais alguém estava vendo aquilo. Inclusive, ela disse que poderia ser erro que estivesse afetando especificamente o ponto dela.

    Então, apesar deste artigo ser válido de forma geral, ainda é preciso investigar mais o assunto relativo a esse boato, antes de descartar sumariamente, como parece ter sido feito pelo Flávio.

    • Pedro Sousa

      Ele também, pelo jeito, não apurou.

    • João Coxinhas

      Amigo, o foco do post não é esse, recomendo que o releia.
      Pouco importa se a Rose viu ou não o filme pornô na televisão, o que importa são os canais de notícia “únicos legítimos e verdadeiros” divulgando algo que NUNCA aconteceu como se tivesse acontecido.

  • Felipe Flexa

    Acho que o site pioneiro no Brasil de espalhar notícias falsas para pegar os patos da imprensa foi o Cocadaboa, da qual fui um humilde colaborador tendo inclusive uma notícia inventada publicada em alguns jornais do país.

    • Thieres

      Saudoso cocadaboa.com!

      Me recordo do tétrico porém hilário bolão pé-na-cova. Quantos não ganhariam pontos esta semana com Fidel Castro (na minha opinião deveriam ser até dobrados)!!!

  • Lauramélia França

    Acabei de assistir a um noticiário na TV e falaram justamente do “perigo” das notícias divulgadas na internet, nos blogues etc., pois, segundo afirmaram o âncora e os comentaristas presentes, só os jornalistas e a sua base sólida “checam” os fatos antes de divulgá-los. Hilário, pois todos sabemos que a pauta é dada por uma mesma (e única) fonte e depois eles só replicam e reforçam aquilo que já foi recortado por essa fonte primeira (e não necessariamente “primária”). O jornal de hoje (25/11) ainda não está disponível no youtube, mas estará a partir de amanhã, creio: https://www.youtube.com/user/jornaldacultura

  • Thadeu Avancini

Sem mais artigos