A vitória de Sebastián Piñera no Chile abre a temporada de eleições que devem mudar o panorama político da América Latina e marcar a chegada da direita ao poder na maioria dos países da região.

Os chilenos foram às urnas no último domingo (17) e escolheram Sebastián Piñera, um empresário de centro-direita, para suceder a socialista Michelle Bachelet na Presidência da República do Chile, dando início a uma série de disputas eleitorais que serão realizadas ao longo dos próximos meses e que deverão mudar o panorama político da América Latina, uma região que ainda é majoritariamente governada por movimentos e partidos de esquerda — quase todos vinculados ao famigerado Foro de São Paulo.

PUBLICIDADE

Contrariando as principais pesquisas eleitorais, que indicavam um empate técnico, Piñera venceu com ampla vantagem, obtendo 55% dos votos contra 45% de Alejandro Guiller, candidato da Coligação La Fuerza de la Mayoría, apoiada por Bachelet e composta por legendas de esquerda e de extrema-esquerda como o Partido Socialista, o Partido Comunista, o Partido por la Democracia e o Partido Radical Social Democrata, além de inúmeras outras legendas menores.

Com esse resultado, o Chile se junta ao Paraguai, à Argentina e ao Peru no rol de países latino-americanos que, nos últimos anos, optaram por se livrar de presidentes socialistas e substituí-los por presidentes de direita e de centro-direita.

Bachelet, que aumentou impostos para instituir um problemático sistema de financiamento público para estudantes universitários, legalizou o aborto em alguns casos antes vetados por lei, e deu status de casamento à união ente homossexuais, além de ter tentado aprovar uma nova constituição, foi rejeitada pela maioria dos eleitores chilenos, que não apenas votaram para colocar um empresário conservador na presidência como rejeitaram a maior parte dos candidatos parlamentares da coligação esquerdista La Fuerza de la Mayoría, que elegeu apenas 7 senadores neste ano contra 21 nas eleições de 2013 e apenas 43 deputados contra 67 nas últimas eleições, perdendo um total de 38 parlamentares em relação à última legislatura.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Piñera, que já foi presidente entre 2010 e 2014, foi um dos responsáveis pela média de crescimento robusta (5,4% ao ano) que catapultou o Índice de Desenvolvimento Humano do Chile a um nível europeu, a despeito da crise econômica internacional que foi fortemente sentida no país na virada da última década. Apesar dessas credenciais, sua plataforma de governo não tratou apenas de questões econômicas e administrativas, dando especial atenção para questões morais e culturais, comprometendo-se a reverter as mudanças na legislação que regulamenta o aborto e a proibir a ideologia de gênero, sobretudo devido à influência de José Antônio Kast, candidato conservador e independente que obteve 8% dos votos no primeiro turno e se tornou o principal apoiador de Piñera no segundo.

Chile Vitória Direita

O conservador José Antonio Kast ao lado de Sebastián Piñera

José Antônio Kast, aliás, desempenhou um papel importantíssimo na disputa. Após obter o dobro dos votos atribuídos a ele pela maioria dos institutos de pesquisa, formar um movimento de base bastante sólido e pautar o debate político em questões como segurança pública, defesa da família, combate à ideologia de gênero e proteção da vida, Kast pediu a seus apoiadores que fossem às ruas e trabalhassem pela eleição de Piñera, mostrando a todos que o país não resistiria a mais um governo de esquerda.

PUBLICIDADE

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Essa mensagem, que parece ter encontrado respaldo no eleitorado chileno, vem ganhando força em toda a América Latina. Após anos sendo governados pela esquerda e pela extrema-esquerda, os latino-americanos agora começam a olhar para o conservadorismo em busca de alternativas às políticas que conduziram o continente a crises econômicas, políticas e morais — sem mencionar os casos mais trágicos  e calamitosos, como os da Venezuela, do Equador e da Bolívia, onde governos autoritários e ditatoriais têm conseguido se perpetuar no poder e avançar uma agenda francamente socialista e corrupta.

Após ser testada nas urnas do Chile, onde um vídeo intitulado Chilezuela viralizou, essa mensagem voltará a ser testada em uma série de outros países da região, como o México, a Colômbia, o Paraguai e o Brasil, além da Venezuela e de Cuba, onde os donos do poder realizam um simulacro caricatural de disputa eleitoral enquanto massacram a oposição, sacrificam suas populações e destroem seus países, oferecendo aos povos latino-americanos, incluindo o povo brasileiro, um assombroso vislumbre do inferno político que terão de enfrentar, caso não se mostrem capazes de seguir o exemplo dos chilenos e rejeitar as teses e os partidos de esquerda e de extrema-esquerda que tão mal lhes fizeram.

—————

Contribua em nosso Patreon ou Apoia.se e tenha acesso a conteúdos exclusivos!

Conheça o curso Introdução à Filosofia Política de Olavo de Carvalho, ministrado por Filipe Martins na plataforma do Instituto Borborema. Conheça também o curso Infowar: Linguagem e Política de Flavio Morgenstern.

Faça sua inscrição para a série Brasil: A Última Cruzada, do Brasil Paralelo, e ganhe um curso de História sem doutrinação ideológica por este link. Ou você pode aproveitar a promoção com as duas temporadas por apenas 12 x R$ 59,90.

Sem mais artigos