Religião da paz

Relatório comprova que ataques contra cristãos e judeus cresceram substancialmente na França

Relatório observa que o pior mês para as igrejas cristãs na França foi em fevereiro de 2019. Além de um aumento de 74% de ataques antissemitas em 2018, enquanto os ataques contra muçulmanos teve a sua maior queda desde 2010

Publicidade

De acordo com o observatório francês contra a cristofobia, fevereiro de 2019 foi o pior mês para as igrejas cristãs da França desde 2015.

Criptas, cruz no topo de montanhas, Igrejas e outros símbolos cristão foram danificados, estatuas da virgem Maria e de Jesus foram ultrajadas, decapitadas ou destruídas. De fevereiro de 2017 a 2018, os ataques contra símbolos cristãos tiveram um aumento de 25% de acordo com o observatório.

Além disso,  um aumento impressionante de 74% de ataques antissemitas em 2018 em relação ao mesmo período de 2017. Esses ataques não incluem somente um simples pichação contra judeus, mas abarca violência, ameaças e assassinatos. Só em 2015, mais de 8.000 judeus deixaram a França.

A mídia não se preocupa muito com esses “detalhes”, o próprio incêndio na Igreja de São Sulpício, em que as investigações indicam que foi um ato deliberado e planejado, foi totalmente ignorado nas manchetes do mundo afora.

Além da mídia, o próprio governo Macron ignora esses ataques contra a fé cristã e judaica, enquanto oferece uma superproteção a religião da paz. Assista o relatório no vídeo abaixo.

Para saber mais sobre o estado atual da França, não deixe de assistir este episódio do Paul Joseph Watson sobre o momento atual que a França está vivendo.


Confuso com o governo Bolsonaro? Desvendamos o nó na revista exclusiva para patronos através do Patreon ou Apoia.se.

Assine e assista o documentário 1964: O Brasil entre armas e livros e ganhe um e-book.

Consiga uma vaga de emprego ou melhore seu cargo fazendo seu currículo no CVpraVC!

Adquira as camisetas e canecas do Senso Incomum na Vista Direita.

Publicidade
Sem mais artigos