France

Folha abriga jornalista que prega aliança da esquerda com o crime pela “força do aço dos menino”

Anderson França diz que "fechava lindo nessa frente" que prega o assassinato em massa da população. Já foi indicado ao Prêmio Jabuti. A Folha não se importa em pregar o assassinato de quem não é "do crime"

Publicidade

Não é de hoje que o colunista da Folha Anderson França – personagem conhecido por ter chamado cantores populares e youtubers de supremaciastas brancos só porque não se posicionaram no caso “Roberto Alvim – surpreende pelo seu estilo caricato.

Em uma postagem no Facebook, há cerca de 3 anos, França glorifica o assalto e banditismo como armas revolucionárias. O texto é toda uma conjectura sobre como as forças armadas são culpadas. Mas o mais importante é a conclusão que está na imagem abaixo, depois da texto:

“Pense comigo que: A PM arrega pro crime, mas bate em militante. Imagine o dia em que a militância fechar com o crime, APENAS PENSE, a força do aço dos menino, a disposição dos manifestante, CVRL e esquerda junto. Aliás, né? A História já conta. Eu fechava lindo nessa frente. LINDO.” (grifos nossos)

Mesmo com todo esse histórico, a Folha, no episódio do artigo sobre axézeiros, cuja ilustração pintava a dupla Maiara e Maraisa com uma suástica, apenas trocou a imagem – não demitiu o colunista tampouco apagou seu texto.

Seria errado iniciar a hashtag #FolhaAssassina? ou renderia processo por sermos pessoas perigosas para a sociedade que Anderson França quer criar?


Conheça a importância da Primeira Guerra Mundial assinando o Guten Morgen Go – go.sensoincomum,org!

Publicidade
Sem mais artigos