Genocídio do bem

Esquerda diz que nazista tem de ser tratado matando. A seguir, chama todo mundo de nazista

Um fenômeno perigosíssimo está ocorrendo no Brasil. A esquerda prega morte aberta a nazistas, o que seria ótimo. Mas, para esquerdistas, “nazista” é todo mundo à direita de Stalin

Publicidade

Ser de direita é a arte de ser chamado o dia inteiro de nazista, racista, “intolerante” e totalitário sem o ser. E cada vez mais tem se tornado uma postura preocupantemente perigosa. A esquerda vive de uma dinâmica mundialmente funcional há um século: quer defender o maior genocida do planeta? Diga que ele combateu o segundo maior genocida. Que está “lutando contra a ditadura”. Voilà, nunca falha: os trouxas sempre acreditarão.

Não importa que as pessoas que estão sendo acusadas de “nazistas” apóiem o primeiro – reitere-se: primeiro – governo brasileiro a favor de Israel (Lula e Dilma deram dinheiro e até construíram bancos conjuntos com toda sorte de regime que prega abertamente o extermínio de judeus, incluindo o Hamas).

Menos ainda que estamos com o governo que menos se parece com o nazismo de todos o que tivemos – não só em tamanho de Estado (que não é um bom argumento), mas em ideologia, sem separação da sociedade em grupos ou classes, sem vitimismos de um lado para outro (o nazismo preconiza superioridade racial, mas é uma ideologia vitimista, enxergando alemães como explorados pelo sistema bancário judaico).

Inclusive em aliados: pela primeira vez no Brasil, somos aliados declarados de todos os maiores inimigos do nazismo, incluindo Polônia, Hungria e, claro, Israel (os russos, pelo contrário, assinaram o Pacto Ribbentrop-Molotov de não-agressão entre os socialistas internacionais e os nacionais-socialistas contra a direita inglesa, que só foi rasgado por conflitos de interesses com a Polônia, como até Engels previra).

Importa ainda menos que Babá, deputado do PSOL, queime bandeira de Israel em público (o que significa queimar a bandeira, digamos, da Lituânia em público, senão “morte aos lituanos”?). Ou a visão que a esquerda tenha de judeus. Judeus mesmo, não Eric Hobsbawm (que se recusou a fazer escala em Tel Aviv) e Karl Marx (que tem um dos livros mais anti-semitas do planeta, Sobre a questão judaica, dificilmente discernível de Mein Kampf). Ou será que a esquerda adora um povo monoteísta, patriarcal e, como é mesmo, “dono dos meios de produção”?

Vamos ver o que esquerdistas pensam sobre Higienópolis? Será que se difere em um milímetro do que Hitler pensava sobre os judeus na Alemanha?

https://twitter.com/amoreto/status/1218202295864905729

E esquerdistas convivem facilmente com fatos contraditórios – o que Eric Hoffer nota como um traço da mentalidade totalitária –, como reclamarem de o presidente considerar o nazismo de esquerda, chamarem o presidente de direitista e o chamarem de nazista a um só tempo.

Como diz Llewellyn H. Rockwell Jr., “fascista” é o termo mais pejorativo do debate público – entretanto, basta descrever o “reformismo” fascista sem usar o termo para observar todo progressista dizendo que é exatamente o que defendem (vocês precisam ler textos mais longos, jornalistas).

Todo mundo de quem eu discordo é HitlerApós o vídeo em que o ex-secretário de Cultura Roberto Alvim fala imitando Goebbels em um discurso parafraseado, falando em “cultura nacional” (Goebbels fazia referência à arte romântica nacionalista alemã, que os raros esquerdistas que conhecem adoram), a esquerda resolveu acelerar o ritmo das comparações ao nazismo, que haviam diminuído um teco após um período de desgaste. Agora, todo mundo que não vota no PSOL é nazista, e está comprovado cientificamente, afinal, quem discordaria do rigor acadêmico de um Felipe Neto, uma Amanda Audi e um Paulo Coelho?

Primeiro, veio a Operação Salva Stalin, na qual esquerdistas apelaram (como apelaram por um século) para uma das idéias mais assassinas da humanidade: não importaria que Stalin matou mais do que Hitler (e em tempos de paz), e sim que o genocídio de Stalin seria acidental, enquanto o nazista seria proclamado pela doutrina nacional-socialista (por que esquerdistas odeiam escrever o nome do nazismo por extenso?).

Depois, começa o teatro da Folha. Simplesmente uma enxurrada de colunistas começa a falar de nazismo, do nada, como se, de fato, o primeiro governo da história do Brasil a favor de Israel tivesse se tornado nazista.

Colunistas da Folha falando sobre nazismo

Simplesmente porque é a única metáfora que a esquerda sabe fazer e por que eles querem muito que assim seja. Curiosamente, é uma tática sintetizada por… Goebbels: uma mentira só precisa ser um pouco repetida para que passe a ser acreditada (Eine Lüge muss nur oft genug wiederholt werden. Dann wird sie geglaubt”).

O problema é óbvio para qualquer pessoa que consiga um raciocínio mais complexo do que música do Chico Buarque: ninguém, ou melhor, ninguém normal aceita violência contra pessoas comuns. Ninguém gosta de ver uma velhinha sendo espancada na rua, ninguém gosta da história de uma criança que perdeu o pai assassinado, ninguém gosta do choro de uma mãe velando o filho.

Smash FascismTodavia, quando se trata dos nazistas, entendidos como o mal em si, toda a violência não se torna apenas tolerada, mas desejada. Qualquer um comemora cenas de nazistas morrendo aos baldes em filmes. E aí, basta chamar abstratamente as mesmas velhinhas, o mesmo pai assassinado e o mesmo filho de “nazistas” e voilà, está aceita a violência.

É exatamente este o objetivo de toda a campanha esquerdista na mídia e na monomania que voltou à tona: se tudo contra nazistas é permitido, tudo contra quem a mídia chama de nazistas é permitido. E, claro, como está supostamente combatendo nazistas – de jovens vaporwave a tias do Zap – então estão escorados pela lei. E a vítima é que provavelmente, depois de ser espancada nas ruas, terá alguns problemas para se explicar por que estava apanhando para a polícia.

A tática é perigosa e já foi utilizada muitas vezes. O caso recente mais famoso é da “rede” Anonymous, se é que assim pode ser descrita (como descrever, ehrr, anônimos?), durante o Occupy Wall Street. Em sites como 4chan, distribuíam endereços, telefones e dados sigilosos de diversas personalidades consideradas “inimigas”. A pressuposição era: não fiz nenhuma violência contra você – só facilitei que outros fizessem, então, a culpa é deles.

Se no Occupy, a maior vítima foi um diretor do Bank of America (sua casa foi cercada por centenas de arruaceiros, enquanto só sua filha pequena estava lá dentro), a situação parecendo guerra civil piorou com a eleição de Donald Trump.

Espancamento de deficiente mentalTal como aqui, pintaram Trump como Hitler 25 horas por dia. Bem ao invés de se ver um aumento da violência de brancos contra negros – que é localizada em estados rurais do sul – o que se viu foi até mesmo um deficiente mental ser espancado por um grupo “Black Lives Matter” (note o nome), ofendendo brancos, batendo em sua cabeça e cortando suas roupas e couro cabeludo com uma faca, enquanto a tortura era transmitida ao vivo pelo Facebook. Tais fatos não entram na conta de analistas políticos que juram que vivem sob o Quarto Reich porque… bem, porque Trump restringe imigração. De países que negam o Holocausto.

Ou seja: se pessoas normais (até deficientes mentais, for God’s sake!) são nazistas, ou supremacistas brancos, ou responsáveis por genocídios passados ou pela desigualdade racial (pelo simples fato de que estão “no topo”), pode-se iniciar uma fase além de chamar de “coxinha”. Ou fazer piadinha (afinal, piadinha com Marielle é proibida, retratar Jesus como travesti é esquete de humor, quase arte). Ou meramente ameaçar pintar uma suástica na testa de 57,7 milhões de pessoas, como fez Marcelo D2, sem nenhum muxoxo de reclamação no beautiful people da mídia, da Academia ou dos formadores de opinião.

Imagine Olavo de Carvalho dizendo que é preciso colocar uma estrela do PT feita com faca na testa de cada eleitor do Lula para se ter uma idéia de como a lei e o que incomoda e gera polêmica não é mais a violência, e sim contra quem é a violência. No topo da pirâmide está Marielle Franco, deusa e profetisa do Estadolaicodemocráticodedireito. No rés-do-chão, quem a Folha chama de nazista.

Folha pinta suástica em Maiara e MaraisaPor exemplo, além de chamar até a turma do pagode e axé (composta em 90% por negros) de nazistas, sem prejuízo a seu colunista, a Folha não vê problema nem com a justificativa de seu colunista Anderson França: de que são nazistas por que não falam mal de nazismo. Logo, se você não se torna um robótico militante esquerdista chamando até leite puro de nazista, bum!, já merece ser tratado como um Eichmann.

Bernardo Mello Franco d’O Globo, se destacando como um dos jornalistas com menos credibilidade no Brasil, também aproveitou a semana para sacar a manchete de que Regina Duarte também já citou Hitler em campanha. Óbvio, Franco sabe que ninguém o lê (só babacas que lêem tudo como nós). A “notícia” já deveria ter se espalhado para todo canto. Só quem clicou e leu percebeu que, ehrr, Regina Duarte criticou Hitler, estava com medo de uma situação parecida com a que levou Hitler ao poder. Mas Franco não quis noticiar tal fato: quis apenas mais munição para a “nazificação” de pessoas comuns que odeiam o nazismo. Afinal, ninguém o lê – e o mais importante da notícia fica escondido no texto.

Claro, a Janela de Overton já está no penúltimo ponto antes da agressão física, já que todas as outras formas de agressão são consideradas legais e morais – afinal, quem não é PSOL é, obviamente, nazista. Toda violência é justificada contra quem sabe que XX não é XY. Tudo é “vingança” justificada “historicamente” contra quem são os “exploradores” pelo terrível crime de existir (homens, brancos, agora heterossexuais, não-travecos e quem se alimente de algo além de soja e algas).

A manobra realizada sobretudo pela Folha é perigosíssima: tudo o que quer é pintar qualquer um com referências morais, culturais e intelectuais mais ricas do que a do jornal como nazistas. Como se vê até agora em discurso, toda a violência promovida contra os supostos nazistas não é apenas tolerada – nem é noticiada, é tratada como o normal da vida. Afinal, goebbelsianamente são nazistas – e quem não preconiza matar nazistas?

Mas logo isso deixa de ser metáfora (que esquerdista tem consciência de que é uma mera metáfora, mentirinha, bobajada adolescente?). Primeiro é um Adélio Bispo. Depois, um quebra-pau na exibição de um vídeo de Olavo de Carvalho (você, eu, a Folha inteira sabemos que quem deu uma paulada sabe tanto sobre Olavo quanto Lula sabe sobre gramática grega). Por fim, vira rotina também – o que é uma violenciazinha contra eleitores de Bolsonaro num país que mata quase um Holocausto por década?

Apostando alto na ignorância (quem perde dinheiro com isso?), a Folha e a esquerda estão colocando todas as pessoas normais do país em risco.

E aí, além da operação “morte aos nazistas, que são todo mundo, exceto o PSOL”, a Operação Salva Stalin ganha novo impulso. Afinal, quem discorda muito de Stalin é, afinal, nazista (Stalin chamava Trotsky exatamente por este termo). Como a esquerda poderia defender seus genocidas por mais de um século? Exatamente: chamando todas as suas vítimas de ditadores.

Pol-Pot, que matou cerca de um terço da população do Camboja em menos tempo do que durou a Segunda Guerra (e em paz), lia exatamente os mesmos autores na França que a esquerda tanto adora.


Conheça a importância da Primeira Guerra Mundial assinando o Guten Morgen Go – go.sensoincomum,org!

Publicidade
Sem mais artigos