Digite para buscar

São Paulo

Sério, qual o problema com o Doria de gari?

O prefeito de São Paulo foi criticado por se vestir de gari. De tudo o que pode ser criticado em Doria, os jornais escolheram uma qualidade.

Avatar
Compartilhar
João Doria se veste de gari em seu primeiro dia como prefeito

Há muitos problemas com João Doria que fazem com que a cidade de São Paulo precise ficar de sobreaviso quanto à sua gestão. A troca de favores com seu horrendo partido é o mais óbvio, mas há coisas que exigiriam muito eufemismo para dizer que apenas “precisam de explicação”, como o R$ 1,5 milhão que recebe em propaganda do governo do estado para sua revista Caviar (sic). O novo prefeito de São Paulo, enfim, pode ser alvo de críticas, mas a imprensa inventou de criticá-lo por se vestir de gari na sua primeira manhã como prefeito.

A Folha de S. Paulo, por exemplo, tratou de alertar que a Praça 14 Bis, onde Doria esteve, já tinha passado por uma faxina antes da visita do “gari” Doria. O jornal do sr. Frias só não conseguiu ser ainda mais impactante porque não avisou que Doria, na verdade, é rico, e foi muito sutil colocando aspas na palavra “gari”, quando poderia muito bem ter colocado um foca gritando “Eureca! Eureca!” e correndo pelado ao redor da praça.

Alguém aí acredita que Doria estava “varrendo” a cidade, no lançamento do programa Cidade Linda? Não era seu intuito, diga-se. Como Jânio Quadros não prometeu varrer (com aspas ou sem) a cidade inteira, literalmente, com seu jingle “Varre, varre, vassourinha”. Ninguém esperava que Doria fosse “limpar” a maior cidade do hemisfério no muque para ser bom. Seu uniforme de gari não é uma fantasia, é um símbolo.

Não significa, ao contrário do que pensam os jornalistas que só tiveram aula de estruturalismo e outras nóias na faculdade, que seja um ato ou palavra vazio de significado. Jânio Quadros queria limpar a cidade da corrupção de seu arqui-inimigo, Adhemar de Barros, cujos acólitos popularizaram o mantra “rouba, mas faz”. João Doria, não é preciso ler o profundo Tratado de Simbólica de Mário Ferreira dos Santos para perceber, falou em humildade e mostrou que, apesar de podre de rico, dá a entender que está preocupado com o simples trabalhador e morador da cidade, que, após 4 desastrosos anos da gestão petista de Fernando Haddad, está saturado de discurso engomadinho de riquinhos se fazendo de pobres – o que inclui todo o staff da Folha de S. Paulo – e achando que a cidade melhorou com uma Cracolândia com Bolsa-Crack, vias expressas em terceira marcha e com um raddar a cada 50 metros, pichações e rolêzinhos de “música” vagabunda e um emaranhado cabeludo de ciclofaixas usadas apenas por pombos. Quem mais sofreu com Haddad, afinal, foi o gari.

Para uma cidade tão esculhambada e enfeiada como São Paulo, João Doria, que tem como “defeito” supremo ser rico, segundo a narrativa dos jornais, não teve medo de vestir as sandálias da humildade como primeiro ato e honrar o trabalho honesto, não importa quão seja simples. O gari é um símbolo perfeito.

Afinal, o que um gari tem a ver com Fernando Haddad e suas pichações e sua Cracolândia? Não importa quanto a Folha tente “problematizar” o caso, a apreensão primeira da realidade pelas pessoas normais, que não se envenenaram lendo desconstrução derridadaísta na faculdade, é óbvia e direta. Os jornais poderiam se preocupar com os verdadeiros defeitos de Doria. Acabaram se estrepando, soltando aquele Boris Casoy falando fora do microfone que todo esquerdista caviar guarda dentro de si, e tentaram criticar o que não merece crítica. Sai ganhando Doria, perde a investigação de seus reais defeitos.

O mais curioso foi o adjetivo de 2017 que tentaram colar no candidato: midiático. Até Júlio César era midiático. Na era da infowar, a guerra de narrativas pelos jornais, e da netwar, a criação de narrativas em rede que só aparentam ser “espontâneas”, um político que saiba se vender não é apenas inteligente: é quase um atestado de sobrevivência. Doria vestido de gari incomoda a esquerda justamente porque ela não tem como responder ao ato.

Será que a Folha e os outros jornais, tão críticos do novo prefeito paulistano e apontando sua hipocrisia, fariam o mesmo com seus cupinchas? Quando Pepe Mujica, o ex-presidente uruguaio que legalizou a maconha, apareceu de sandálias (e a Folha acreditou que era em um evento oficial), publicou a fake news em seu Facebook com um ♥. O clima pode ser sentido na manchete “Relembre sete momentos em que Mujica foi muito, mas muito Mujica”. E Barack Obama, o presidente com o pior legado em política internacional da história americana? Basta sorrir e ler uma frase no teleprompter para “deixar saudades” contra o malvado Donald Trump. Não são midiáticas tais manchetes? Não é preciso entender da mídia para sobreviver nesse reino pantanoso?

https://twitter.com/editorahumanas/status/815923530822991872

Definitivamente, na novilíngua do jornalismo e do assassinato de reputações da esquerda, mesmo quando você tem defeitos, não são eles que são criticados – apenas sua externalidade. Não se trata de um certo e um errado, sob o qual todos serão julgados igualmente. Trata-se apenas de saber se você faz parte da patotinha ou não. Não se julga pelo que você é, e sim pelo que você pode ser associado.

—————

Não perca o artigo exclusivo para nossos patronos. Basta contribuir no Patreon. Siga no Facebook e no Twitter: @sensoinc

[amazon asin=8574752282&template=iframe image2][amazon asin=B01M3U0VYO&template=iframe image2][amazon asin=8567394791&template=iframe image2][amazon asin=9724417123&template=iframe image2][amazon asin=853361375X&template=iframe image2][amazon asin=852092090X&template=iframe image2]

Assuntos:
Avatar
Flavio Morgenstern

Flavio Morgenstern é escritor, analista político, palestrante e tradutor. Seu trabalho tem foco nas relações entre linguagem e poder e em construções de narrativas. É autor do livro "Por trás da máscara: do passe livre aos black blocs" (ed. Record).

  • 1