Crônica da Semana

Noites Sergipanas em São Paulo*

Andanças do cronista numa noite paulistana pra lá de nordestina

Publicidade

Vou fugir um pouco da atmosfera deste espaço para contar uma experiência pessoal. Nada de grandes ensinamentos. Experiência recente e simples. Na última quarta-feira eu descobri o forró. A convite de um grande amigo, Daniel Galli, sujeitinho extraordinário, fomos assistir uma apresentação na Casa de Francisca, uma ótima casa de shows aqui de São Paulo. 

O show era uma homenagem a Dominguinhos, mestre da sanfona – acordeon é a ….! Os músicos, Mestrinho e Lulinha, fizeram minha alma ficar tão alegre e compenetrada que nem por um minuto ela pensou em abandonar meu corpo e dar uma volta pelo centro de velho de São Paulo, ou ficar assobiando a esmo. Não fosse o ótimo vinho e era capaz que eu desmoronasse ali mesmo. Descobri que bebo para não ficar tão emotivo.

A música era tão boa que notei, na minha frente, que uma moça acariciava os cabelos do namorado no mesmo ritmo. Um ré sustenido no cocuruto, um mi diminuto no pescoço, se o intervalo aumentasse, ela sustava o carinho junto. Dizem que Buenos Aires tem noites mágicas assim. As pessoas dão ritmo, no caso o Tango, a atitudes corriqueiras, como escovar os dentes ou tropeçar numa escada.  Queria recordar Macedonio, no canto de uma confeitaria do Once. Recordo agora de Zé Pitoco que, chamado ao palco, trouxe todo o nordeste com ele – e que ritmo tem o nordeste. E recordo de Mônica Salmaso com uma correção melódica invejável.

Sempre gostei do samba, de seus mestres: Cartola, Nelson Cavaquinho, Noel Rosa, Zé Keti… Mas o samba está bem perto de mim. São Paulo tem seus mestres também: Adoniran Barbosa, Germano Mathias, Paulo Vanzolini… A música do nordeste, o forró, eu a conhecia só de ouvir falar. Agora a conheço de ouvir cantar e tocar. E é belíssima. 

A música talvez seja a mais alta expressão humana. No começo do livro A Luta Pela Expressão, Fidelino de Figueiredo disse:

 

“(..) A criação de uma supra-realidade de refúgio e de perfeição ideal, objetivo de toda a arte, só a alta música a atinge plenamente com sua misteriosa libertação da palavra e de suas categorias lógicas. A alma do músico é também uma alma agônica, porque luta  com a fatalidade das limitações da expressão humana, como o herói da tragédia grega lutava com a oposição inexorável do destino, mas é um protagonista que pode alcançar a vitória. Para comungar nessa vitória, a palavra tem de se fazer música também, pelo canto: apagam-se então as categorias lógicas do seu conteúdo, e o núcleo de emoções e idéias da letra só subsiste como reminiscência da concepção musical, como calor interno que dá à frase vibrações novas que superem as da música pura.”

 

Noites Sergipanas é uma música que Dominguinhos fez ao olhar para o céu noturno do Sergipe. O encanto da música vem daí. Toda a realidade é musicável. Basta um músico talentoso para que um café da manhã vire uma obra de arte. Mas esse texto não é sobre música e sim sobre a amizade. Essa coisa de ter amigos é mesmo uma boa dádiva. Não é a toa que mereceu a atenção de Aristóteles e Santo Tomás de Aquino. 

Os amigos que te elevam são os mais especiais. Tive a sorte de os encontrar na porta dos quarenta. São as amizades que só a maturação da sua própria alma pode permitir: quando ela deixa de dar passeios e assobiar de tédio. Essa é minha homenagem a visão (ou seria audição?) que tive da noite paulistana da última quarta-feira. É minha homenagem ao meu amigo Daniel Galli.

  • Devido ao CPAC Brasil a coluna que normalmente sai às sextas extraordinariamente sai hoje, segunda-feira.

————–

O Senso Incomum agora tem uma livraria! Confira livros com até 55% de desconto exclusivo para nossos ouvintes aqui

Publicidade
Sem mais artigos