Tem um peru aí

Mulher trans vence mundial de ciclismo e acusa adversárias de transfobia

Tonhão do ciclismo feminino bateu o recorde mundial e ainda disse que teve muitas barreiras. Deve ser a coceira nas nozes

Publicidade

Os primeiros resultados da imbecilização completa por meio de uma ideologia manipuladora começam a aparecer no esporte feminino. Homens biológicos que se sentem “mulheres”, com toda sua carga genética, entraram na disputa contra as mulheres reais.

Rachel Mckinnon, ganhou, no último sábado, o bicampeonato de ciclismo de pista. Bateu o recorde mundial. As adversárias não ficaram contentes em disputar a competição contra um homem. Rachel, que “completou a transição” em 2012 e compete desde 2016, disse que quem está descontente é transfóbica e perdedora.

No Brasil, o jogador Tifanny, macho biológico, é destaque na liga feminina de vôlei. No evento do CPAC, a jogadora Ana Paula explicou o quanto a presença de jogadores trans afeta o esporte feminino.

————-

Conheça o plano do centrão e da isentosfera para derrubar Bolsonaro e censurar as redes sociais na nossa revista exclusiva para patronos!

O Senso Incomum agora tem uma livraria! Confira livros com até 55% de desconto exclusivo para nossos ouvintes aqui

Publicidade
Sem mais artigos