Amor

Mourão: “China e Brasil têm um ‘casamento inevitável'”

Vice-presidente quer que o Brasil tenha um relacionamento mais profundo com o Partido Comunista Chinês

Enquanto os EUA lideram uma ofensiva contra a OMS (cortando verbas da entidade) e a China (indicando que o novo coronavírus pode ter sido produzido em laboratório no mercado de Wuhan), o vice-presidente Hamilton Mourão, numa live organizada pela Arko Advice, ontem, 27, afirmou que China e Brasil têm um “casamento inevitável”.

Para o romântico Mourão – uma espécie de coach de relacionamentos -, um dos pilares desse matrimonio é a segurança social que somente o Brasil pode dar ao povo chinês:

“Um país com 1,4 bilhão de habitantes não pode se dar ao luxo de ter insegurança social. E um dos itens da insegurança social é não botar comida na mesa da população. E quem é que pode colocar comida na mesa da população? É o Brasil.”

O vice-presidente cupido disse ainda que um divórcio prejudicaria o Brasil, pois não teria mercado para vender a quantidade de grãos que o país produz:

“A China, hoje, é o grande comprador da nossa produção agrícola. Não adianta a gente querer ver de outra maneira, porque, se nós não vendermos para a China, nós vamos ter imensa dificuldade de colocar no mercado mundial todo o excedente de produção de grãos que nós temos.”

Para Mourão, é preciso mais paixão nessa relação:

“Temos uma parceria estratégica, que vem desde 2009, e nós temos que aprofundar isso aí.”


Guten Morgen Go – Primeira Guerra Mundial já está no ar!! Conheça o conflito que moldou o mundo problemático em que vivemos em go.dev.sensoincomum.org!

Faça seu currículo com a CVpraVC e obtenha bônus exclusivos!

Conheça a Livraria Senso Incomum e fique inteligente como nós.

Publicidade
Sem mais artigos